#VivaMelhor na Medida Certa

#VivaMelhor na Medida Certa

Por |

20121022-141328.jpg Pode notar. Estudo vai, estudo vem, e muitos dos mitos sobre a saúde do homem acabam sob suspeita. Um deles, no entanto, mostra-se inabalável: viver e ser gordo faz mal (Ronaldo, o fenômeno que o diga). Não importa o que dizem os defensores dos velhos padrões da masculinidade, os brucutus que temem parecer menos machos – “limar pneus seria o suprassumo da vaidade”; ataque a um só tempo contra supostas futilidade e feminilidade do comportamento masculino. Carregar pneus, você sabe, detona esse movimento reacionário: é só um caminho pra você seduzir menos mulheres, ter mais dor nas costas, morrer mais cedo, sabotar sua carreira, se divertir menos e reclamar mais, além de influenciar sua vida espiritual. #prontofalei

A gordura no homem se concentra principalmente no abdome, diferentemente do que ocorre nas mulheres – nelas, a tendência é se espalhar pelo corpo todo. É do centro do nosso shape que a banha parte para entrar na corrente sangüínea e entupir artérias e sobrecarregar o coração. Ali, bem no meio do nosso corpo, ela se projeta em uma próspera barriga, que faz nossa coluna curvar e escancara nossa falta de informação, nossa rebeldia imatura, nossa fantasia de libertação masculina extemporânea, nosso pouco caso com nós mesmos. Jamais um estilo de vida inteligente.

Há quem queira parecer inteligente dizendo que comer o que der na telha é uma espécie de manifesto contra o autocontrole – velho fantasma da filosofia e da psicanálise acusado de nos levar ao mundo da privação (leia-se neurose). Esse engano ” gastrofilosófico” expressa bem nossa dificuldade genética de sair da zona do conforto, nossa vocação natural para a preguiça, física, intelectual e principalmente da espiritual. É aí que mora o perigo, não só do barrigão, mas da mornidão espiritual. Fomos levados a crer que somos leões, os reis do pedaço, que esperam as presas sentados, que aguardam outros (no caso outras, as fêmeas) trazerem o rango, construídos divinamente com músculos e sabedoria, quase deus, sim quase…

E aí, comer de forma equilibrada e controlar o peso com atividade física tornam itens de sobrevivência fundamental, assim como comer o alimento espiritual, exercitar a fé e desenvolver os músculos da espiritualidade ao testemunhar aos que estão ao nosso redor.

A Comunidade Nova Semente pode torná-lo um rei leão de fato, um animal mais anormal, elegante, amoroso, energético, flexível, humilde, ágil, saudável, perdoador, enfim um discípulo…e liberto da cantilena brucutu dos que adoram viver no passado inertes a mudança intelectual, profissional, social ou espiritual…grgrgrgr!!!