Tag Archive: vitória

29
mar

Suba a Montanha

Gelson de Almeida Jr.

“(…) a região montanhosa será tua; ainda que é bosque, cortá-lo-ás” (Josué 17:18a – AR)


O texto acima é parte do relato da distribuição da Terra Prometida entre os filhos de Israel, mostra como o Eterno se preocupa com cada segmento do Seu povo, embora uma leitura superficial possa mostrar o contrário.

Orientado por Deus, Josué determinou que os descendentes de José ficassem com o território onde habitavam os temidos cananeus com seus carros de ferro. O povo questiona e lhes é dito para subirem a montanha, derrubarem o bosque e ali se estabelecerem, quando estivessem fortes o suficiente, desceriam ao vale e dominariam os cananeus.

Ainda não estavam prontos para aquela batalha, deveriam subir a montanha, derrubar o bosque e ali permanecer até estarem preparados para a luta contra os cananeus, a batalha não seria naquele instante.

Sendo um povo guerreiro e muito bem armado os cananeus não seriam derrotados facilmente, portanto o Eterno, que conhece o fim desde o princípio, determinou que Seus filhos subissem a montanha e derrubassem o bosque. A vida “no vale” é boa, em alguns casos, porém, antes de desfrutá-la, é necessário que subamos a montanha, derrubemos o bosque, construamos a casa, e ali permaneçamos até estar devidamente preparados.

Talvez você esteja em um momento atribulado, parece que sua vida consiste apenas em subir a montanha e derrubar o bosque. Como você gostaria de derrotar logo os “cananeus” e viver no vale! O vale não é para todos, é para aqueles que suportaram a dureza da subida, as dores da derrubada do bosque e se prepararam devidamente. Não desanime diante das dificuldades do dia a dia, use esse período de provas para se preparar para a grande batalha que está por vir, ela virá e como será gostoso desfrutar da vitória. Não desanime, confie no Eterno, lute e vença.

22
jun

Derrota para o Everest

Gelson de Almeida Jr.

1951, Edmund Percival Hillary fracassa por completo em sua tentativa de escalada do Everest, mesmo assim, os ingleses o convidam para ser fosse homenageado. Durante o evento ele discursa, fazendo um relato do que havia enfrentado pelo caminho, em certo ponto, larga o microfone, dirige-se para a enorme figura que retratava seu percurso na montanha, e diz em tom solene: – Monte Everest, você me venceu esta primeira vez. Mas eu irei vencê-lo no próximo ano, por uma razão bem simples: você já chegou ao máximo de sua altura, enquanto eu ainda estou crescendo!

hillary-edmund-norgay-tenzingEm 29 de maio de 1953, Hillary, e seu ajudante Tenzing Norgay, foram os primeiros homens a atingir o cume do Everest (8848m) e retornar para contar a história.

Ao longo de nossa vida nos deparamos com problemas que nos torturam, nos massacram e, até nos deixam prostrados por muito tempo. São coisas que quase nos fazem perder a esperança de uma solução favorável. Mas, assim como foi o Everest para Hillary, eles devem ser para nós, um desafio a ser vencido, um alvo a ser perseguido, um objetivo a ser alcançado.

Tivesse Hillary se desanimado e caísse prostrado, lamentando sua triste sorte, não teria chegado ao cume do Everest, mas, ao contrário disto, levantou a cabeça, se preparou e iniciou a jornada de subida novamente, para se deter apenas no cume da montanha.

Na vida cristã devemos fazer o mesmo, não ficar pensando nas quedas e nas derrotas, pelo contrário, elas devem servir como lição para a próxima tentativa, uma hora conseguiremos a vitória. Como filho do Pai celeste você tem duas certezas, a de que enfrentará aflições (João 16:33) e a de que Ele sempre estará ao seu lado onde quer que você vá. Não tema, não desanime, porque o Senhor Deus estará com você, onde quer que estiver (Josué 1:9).

22
abr

Gelson de Almeida Jr.

 
Gosto da ilustração do rapaz que, antes de se deitar, orou ao Pai pedindo um emprego e uma mulher que o amasse muito. No dia seguinte abriu o jornal nos classificados e viu um anúncio de emprego. – É a resposta às minhas preces pensou ele. Quando chegou ao local viu que havia uma fila enorme e, pensando que muitos seriam melhores que ele, foi embora. No caminho um garoto lhe deu uma rosa e ele, sem saber o que fazer com a mesma, jogou-a pela janela assim que sentou-se no ônibus.

À noite, em oração, disse ao Eterno: – É assim que você me trata, eu não pedi muito e você não me atendeu. É esse o amor que tens por mim?

Em seguida foi dormir e, num sonho, o Eterno lhe diz: – O emprego era seu, devia ter esperado na fila, mas você desistiu antes de lutar. A rosa, inspirei o menino a lhe entregar, mas, ao invés de dar para a moça que estava ao seu lado no ônibus, preferiu atirar pela janela, ali estava a mulher que muito o amaria.

Amiúde pedimos ao Pai que nos ajude, que derrame Suas preciosas bênçãos sobre nós, que abra o caminho à nossa frente, mas a impaciência e a falta de fé nos impedem de tomar posse plena de Suas bênçãos. Desistimos diante do primeiro obstáculo. Retrocedemos quando estávamos prestes a receber a benção. Os obstáculos são o meio pelo qual nossa fé é provada, mostram se somos capazes de confiar em Suas promessas. Paulo afirma que sem fé é impossível agradar a Deus e que, quando formos a Ele, precisamos acreditar que Ele existe e que é galardoador dos que O buscam (Hebreus 11:6). Não tenha medo, não desanime, a vitória está próxima.

03
fev

Que terminem os jogos

Marco Aurélio Brasil

Eu sempre fui e continuo sendo apaixonado por jogos. Uma fatia relativamente grande de minha infância foi passada à frente de um tabuleiro de War, Detetive, Scotland Yard, Leilão de Arte, Combate, Interpol ou Banco Imobiliário e ainda hoje não rejeito jogar Colonizadores de Catan com meus meninos ou algum jogo inocente de baralho nos momentos de folga. Ainda assim, suspeito que a dinâmica dos jogos transportada para as outras áreas da vida seja responsável por algumas de nossas grandes mazelas.

A dinâmica dos jogos é simples: eu quero ganhar, e para conseguir isso, vou ter que fazer você perder. É uma questão de determinar quem é superior.

Não acredito que os jogos ensinem esse desejo a ninguém, a dinâmica dos jogos aparece muito antes do primeiro jogo. Aparece ali próxima dos dois anos de idade e você pode encontrá-la na criança pequena que chama todo brinquedo de “meu” (sobretudo na presença de outra ou outras crianças) ou que faz questão de falar para as outras crianças que alguma coisa sua (o pai, o carro, a casa, etc) é “mais grande”.

victorieA dinâmica dos jogos se revela cedo e não sai de cena jamais. Está na mulher que quer que seu sapato novo seja notado, que quer ser a mais magra da festa, que se esforça pra que sua sobremesa seja a mais elogiada do almoço de família. Está no homem que estaciona duas quadras antes da igreja onde vai acontecer aquele casamento porque sabe que seu carro não é nada impressionante, que posta fotos no Facebook com ar blasé em algum paraíso tropical como se aquilo fosse sua rotina e que puxa os tapetes necessários para conseguir uma promoção e assim poder ostentar um relógio melhor. Melhor do que os dos outros, claro. Está na necessidade de “fazer um nome”, de ser desejado e admirado.

A dinâmica dos jogos está em absolutamente todo canto. Na disputa eleitoral, na queda de braço por poder dentro da família, da igreja, da empresa ou do clubinho de escoteiros. Está numa conversa aparentemente pueril entre amigos (quem tem a história MAIS engraçada? quem sabe MAIS de economia ou política? quem tem a informação privilegiada que NINGUÈM mais tem? quem tem o filho mais lindo cute-cute ou mais obediente?) Está na creche e no asilo. É onipresente. É ela que nos faz amar a história de Davi e Golias e coçar a cabeça desconfiados de histórias como a de Jó, João Batista e Tiago.

É ela que nos faz amar a história de Davi e Golias e coçar a cabeça com histórias como a de Jó, João Batista e Tiago.

Nosso apego à dinâmica dos jogos revela a quem pertencemos. Revela quem manda nessa bagaça. Falando de Satanás, a Bíblia diz: “E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono…” (Isaías 14:13). Pura dinâmica dos jogos. Em contraste (e que contraste!), Cristo “tinha a natureza de Deus, mas não tentou ficar igual a Deus. elo contrário, ele abriu mão de tudo o que era seu e tomou a natureza de servo, tornando-se assim igual aos seres humanos. E, vivendo a vida comum de um ser humano,ele foi humilde e obedeceu a Deus até a morte — morte de cruz” (Efésios 2:6-8 NTLH).

O exemplo eloquente de Jesus mostra que todos estamos mesmo disputando um jogo, um jogo desesperado, de vida ou morte. Mas o oponente não são os outros, somos nós mesmos. O ego é o inimigo a ser batido, pisado e surrado. É preciso perder para ganhar.

Cristo está convidando a gente para brincar de um jogo totalmente diferente hoje. O jogo do “esvaziar-se”. Quem quer brincar põe o dedo aqui!

(imagem: Mathieu Nain: Allegórie de la Victorie)

29
out

Acabou a Eleição, e agora?

Gelson de Almeida Jr.

Acabou a eleição presidencial em nosso país. A mais acirrada da história de nossa República, e a que teve a campanha mais sórdida e belicosa. Confesso que nunca vi um país dividido em dois blocos tão díspares e antagônicos de forma tão clara. Pior que a campanha entre os políticos foi a atitude dos defensores de cada lado. As redes sociais ainda estão inundadas de impropérios, frases xenófobas e desrespeito à opinião alheia, mesmo por aqueles que se declaram cristãos. Parece que esta eleição revelou o lado mais obscuro da maioria das pessoas sem que disso se apercebessem.

Seu candidato ganhou, parabéns, se perdeu, conforme-se, em toda disputa existem vitoriosos e derrotados, a vida segue. Por quê fazer o jogo do inimigo e tratar de forma antiética e anticristã os que estiveram do lado contrário na campanha? Eles não são seus inimigos, como você, foram criados à imagem e semelhança de Deus e colocados neste mundo com o propósito de testemunhar do amor do Pai, se falharam paciência. O verdadeiro e único inimigo, aquele que realmente deve ser execrado e odiado é o que tem trazido discórdia e rancor no Universo há milênios. Como subversor de nossa alma busca ocasião para arruinar todos os candidatos ao Reino dos Céus.

Na eleição presidencial Dilma Roussef derrotou Aécio Neves, mas na eleição para o Reino dos Céus a derrota ocorreu nos dois lados. Tenho certeza que na eternidade veremos eleitores de Dilma e de Aécio, porquê ofender e brigar então? Felizmente, neste aspecto, ainda existe o Segundo Turno, ocasião onde poderemos rever conceitos, atitudes, pensamentos e fazer uma boa “campanha”. Se utilizarmos as palavras, a roupa (Sua Justiça) e as atitudes do Pai seremos vencedores. Não permita que algo tão banal e corriqueiro como uma eleição presidencial o faça perder o rumo no caminho para a eternidade. Ame o seu próximo, ore por ele, pois, como você, é um candidato ao Reino dos Céus.

28
maio

Liga dos Campeões 2014 – 1ª Parte

Gelson de Almeida Jr.

No último sábado (24/05) aconteceu a final da Liga dos Campeões, um dos mais badalados torneios de futebol do mundo. Pelo futebol que vinha apresentando, para muitos analistas, o Atlético de Madri era favorito ao título. E assim foi até os 90 minutos de jogo, mas, nos acréscimos, faltando dois minutos para o término da partida, quando a alegria era visível entre os jogadores do Atlético de Madri e sua torcida já comemorava, o Real Madri empatou e levou o jogo para a prorrogação, onde venceu e ficou com o título.

Falando sobre o seu retorno ao nosso planeta, Cristo disse que seriam salvos os que perseverassem até o fim (Mateus 24:13). Em outras palavras, fazer tudo certo na maior parte do tempo não é suficiente se quisermos a vitória, é fundamental cuidado e empenho o tempo todo. A mulher de Ló, achando estar fora de perigo, deu uma última olhada para as cidades de onde saíra e morreu instantaneamente. Uma “simples” olhadela e colocou tudo a perder. Fez exatamente o que o Eterno proibira e se deu mal.

Você quer tornar a salvação, graciosamente oferecida pelo Pai a todos os Seus filhos, uma realidade em sua vida, pois então não se descuide um minuto sequer. Em matéria de salvação não existe meio termo, não existe “jeitinho”, ou fazemos o nosso melhor até o fim ou a eternidade não passará de um sonho. Não comemore a vitória antes da hora, não permita que o excesso de confiança traga a derrota. Cuide, vigie, lute e trabalhe até o último minuto e os louros da vitória e a coroa da vida serão seus.

31
jul

Está no sangue

Gelson de Almeida Jr.

R. A. L. D., 19 anos, foi preso esta semana no litoral sul de São Paulo enquanto assaltava um ônibus, sua especialidade. Confessou haver cometido pelo menos 13 delitos deste tipo nos últimos três meses. Pouco antes de ser preso havia ido a uma loja comprar um celular. Ao ver que seu dinheiro não era suficiente disse à balconista que iria buscar mais dinheiro e logo voltaria. Foi preso durante o assalto. Perguntado acerca dos motivos que o levavam a tal prática respondeu que era “porque estava no sangue mesmo”.

Fico pensando nos sentimentos do Criador ao ver seres criados à Sua imagem e semelhança praticando toda a sorte de maldades e atrocidades, alguns afirmando, como este indivíduo, que faz parte de sua personalidade a prática do mal. Escrevendo aos romanos o apóstolo Paulo afirmou que todos somos pecadores e, como tal, destituídos da glória de Deus (3:23), mas que temos o dom gratuito da vida eterna em Cristo Jesus o nosso Senhor (6:23b). Eis o segredo para uma vida vitoriosa longe da prática do mal, em qualquer de suas formas, termos a Cristo como o Senhor de nossa vida.

O fracasso vem quando o senhor de nossa vida não é o Eterno. Muitos há que vivem para servir a si mesmos e não se preocupam em servir o Eterno ou seguir-Lhe os ensinamentos. Como nossa vida seria diferente, como seria diferente o mundo caso servíssemos apenas ao Eterno! Paulo afirma que, quando permitimos, o Eterno opera em nós o querer e o efetuar (Filipenses 2:13). alguma área de sua vida precisa de ajustes? Não se desespere, apenas entregue-se nas mãos do Pai e peça-Lhe que opere, o restante é com Ele.

24
abr

Cavalo de Troia

Gelson de Almeida Jr.

Tradicionalmente 24 de abril é considerado o dia em que os gregos invadiram a cidade de Troia.  Como o fizeram não se sabe, mas é bem conhecida a narrativa de que só conseguiram penetrar na, até então, inexpugnável cidade após deixarem um grande cavalo de madeira para o inimigo. Os troianos, sem saber que o mesmo escondia vários inimigos em seu interior colocaram-no dentro da cidade. À noite, enquanto os troianos dormiam, soldados saíram do interior do cavalo, foram até o portão da cidade e o abriram para que o exército entrasse e destruísse a cidade. Não existe nenhuma prova de que o cavalo realmente tenha existido, mas a história deu origem a duas expressões: “cavalo de Troia , um engodo altamente destrutivo, muito utilizado na atualidade na área de informática, designando um vírus devastador no sistema da máquina e “presente de grego”, algo, de aparência agradável, que recebemos, mas que traz consequências funestas.

Não existe momento de maior vulnerabilidade que quando estamos dormindo, nos desligamos, por completo, do mundo que nos cerca. Num momento como este os troianos, hábeis guerreiros que habitavam uma fortaleza, foram dominados pelo inimigo. Quando mais se achavam seguros foram destruídos. O mesmo pode ocorrer conosco, principalmente no plano espiritual. Nos momentos de maior segurança, quando nos sentimos mais fortes e prontos a enfrentar todo  e qualquer tipo de prova é que somos derrotados. Foi assim com Eva, que deixou de lado pequenos conselhos do Eterno como não andar sozinha pelo jardim, não parar diante da árvore e nem nela tocar e caiu, de modo tão fragoroso, que os efeitos de sua desobediência são sentidos até hoje.

É impossível estar seguro se brincarmos com os  “cavalos de Troia”  do inimigo. Ele e seus “brinquedos”, por mais inocentes que nos pareçam, devem ficar bem longe de nossa vida. Eis o segredo da vitória.

07
nov

Grupo ou Equipe?

Gelson de Almeida Jr.

Esta semana, num aeroporto, vi jogadores  de um conhecido time de futebol, mas uma coisa muito me chamou a atenção, eram 17 jogadores, mais Comissão Técnica que não estavam juntos, mas divididos em cinco grupos. Num pequeno grupo estavam os mais experientes, com passagem pela Seleção, clubes grandes e experiência internacional, outros três grupos eram formados por jogadores com experiência média ou iniciantes e num quinto grupo, em outra sala de embarque junto à Comissão Técnica, estava o artilheiro do time e mais dois jovens jogadores. Mesmo na fila de embarque, não se misturaram ou se falaram. Nem preciso dizer que time não está em boa posição no campeonato. Eram um grupo, mas não uma equipe. A palavra “team”, muitas vezes traduzida por time, é melhor traduzida por equipe (grupo de pessoas com objetivos comuns unidas para realizar tarefas de alta complexidade). Todos fazemos parte de vários grupos cujo sucesso dependerá de como o olhamos, se um grupo ou uma equipe. Um time poderá ter algumas vitórias, mas somente a equipe chegará ao final como vencedora. No grupo a vitória é individual, na equipe é coletiva. No grupo o desejo individual se sobrepõe ao da maioria, na equipe o que importa é o melhor para todos. Em sua “oração intercessória” (João 17), Cristo, prestes a retornar aos céus, roga ao Pai por nós, deixa bem claro que deseja que sejamos “um”, pois somente assim o Pai seria glorificado aqui na Terra pelo nosso modo de agir. Como cristãos fazemos parte de um corpo, cuja cabeça é Cristo, mas este corpo somente será glorificado se agirmos como equipe, buscando o interesse comum e seguindo as orientações do Mestre. Faça parte desta equipe, pois a vitória da equipe de Cristo será a sua também.

1 2