Tag Archive: Peregrino da Palavra

23
set

Não há pessoas más

Um amigo adventista das terras de África me apresentou nesta sexta uma frase que afirmava o seguinte: “as pessoas não são más, tão somente estão perdidas”. Não há dúvida de que seja uma frase que demonstre a visão de quem acredita no amor, na compaixão, sobretudo em uma segunda chance. Se partirmos de um contexto em que a maldade fora exercitada, e havendo uma chance para um aconselhamento profundo e paciente, é possível levar com que o autor da ação enxergue seus atos maus, as consequências deles decorrentes e assim se arrependa, transformando-se.

É uma atitude nobre, convenhamos, ao que bastaria conceituá-la por cristã. A propósito, como discípulo de Cristo você se permitiria estender a mão a quem lhe faça uma maldade? Afinal, não diz o mandamento que devemos amar nossos inimigos e orar por quem nos persegue? E tendo a oportunidade de expor um viés positivo, transformador, a quem se mostre pautar por atos de maldade, você o faria? Lembre-se do que disse Paulo: “todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus”. Ao mesmo tempo, destaque-se o que se encontra escrito na carta aos Hebreus, segundo o Eterno Deus: “Porque Eu lhes perdoarei a maldade e não me lembrarei mais dos seus pecados”.

Uma coisa é preciso que se diga. A cada ato, sua responsabilidade. Se a maldade faz com que uma vida se perca, um bem seja tomado injustamente, tal ato, por certo, deve ser reparado pela justiça. Contudo isso não quer dizer que o agente deva ser deixado fora do alcance de atitudes que possam transformá-lo. Há quem se valha de especialidades como a psicologia para reparar tal caráter. Um bom caminho a ser apresentado ao homem mau, depois da revelação do caráter e da missão de Jesus Cristo, é o conteúdo do sermão da montanha. Há ali razões o suficiente para se manter um diálogo profícuo, em que pese boa parte dos homens “bons” desconsiderá-lo. Bem-aventurados os pacificadores, pois serão chamados filhos de Deus.

Importa sabermos que mesmo que todos nasçam pecadores, e segundo as escrituras citadas por Paulo não haja um justo sequer, nem todos se tornam maus. A maldade, sabemos, pode advir de um desvio de caráter, contudo pode ser apenas uma reação do indivíduo diante do mundo, motivado pelo que possa ter vivenciado em seu passado. Um filho, por exemplo, que passou a infância e/ou adolescência apanhando, sendo injustiçado ou mesmo renegado por seus pais, pode muito bem reagir dessa forma quando adulto.

A maldade pode ser uma atitude com a qual a pessoa desconte no mundo algo que no passado tenha lhe atribuído dor e sofrimento profundos. Identificada tal limitação, é preciso trabalhá-la, mostrando o quanto a vida pode ser boa e o bem deve ser praticado, sem olhar a quem, pois até mesmo indivíduos maus podem estar sofrendo e precisando de um ato de bondade para que se transformem, encontrando-se como pessoa humana. Pensemos nisso. Feliz sábado.

Sadi – O Peregrino da Palavra

29
abr

Raízes e Frutos

Cristo ao entregar sua vida pela humanidade, limpou-nos definitivamente do pecado e ato contínuo nos proporcionou o caminho que leva à salvação, consequentemente, à vida eterna. Nesse ínterim, que compreende reconhecermos o sacrifício, aceitá-lo e alcançarmos a salvação, somos chamados a produzir frutos. Caso contrário, seremos arrancados e lançados fora.

Se pensarmos nossas vidas como árvores, a seiva que nos alimenta e faz crescer é a Palavra. Por ela crescem frondosos os nossos galhos e raízes. Pela Palavra aprendemos os mandamentos e, através deles, convertidos e conduzidos pelo Espírito Santo, produzimos frutos.

Em tempos de desequilíbrio e violência, é fácil nos contaminarmos com julgamentos e ira. O Brasil e o mundo têm apresentado situações intoleráveis de corrupção e injustiça que facilmente contaminam o coração. E aqui importa ressaltar – contamina tão somente àquele que não tenha seus pés fincados à Rocha – vale dizer, em Cristo e nos valores e mandamentos ensinados por ele.

Por ocasião de sua carta aos efésios, o apóstolo Paulo apresentou o seguinte ensinamento contido no Salmo 4 – “Quando vocês ficarem irados, não pequem. Apaziguem a sua ira antes que o sol se ponha e não deem lugar ao diabo”.

Somente somos contaminados se nos encontramos imaturos, faltando-nos suficiente apoio recebido pela Palavra, pela oração e pela entrega incondicional ao Espírito de Deus que nos transforma. É como a árvore que possui galhos longos, mas uma raiz curta. Aqueles em dado momento lhe serão pesados e ela por certo tombará.

Diante das corrupções de toda sorte deste mundo de orgulhos, a quem compete o julgamento efetivo, podendo fazê-lo com verdadeira justiça? Ao Eterno, tão somente. A nós, nos é devido cumprir os mandamentos e guardar a fé em Jesus, para que tenhamos direito à árvore da vida. Ainda em face dos desequilíbrios humanos, se nos cabe lançar mão da lei dos homens – e muitas vezes é justo que o façamos –, que ela seja buscada e aplicada com amor, afinal, o que diz o mandamento, senão – amai-vos uns aos outros, amai os vossos inimigos e por eles orai.

Para alcançarmos tal desiderato, guardando-nos da contaminação do mundo, necessitamos do conhecimento das escrituras, mediante o qual compreendemos efetivamente a necessidade de levarmos o nosso pensamento cativo a Cristo, rogando ao Pai, em nome do Justo, que nos purifique o coração e a mente, livrando-nos do mal.

Eterno, damos graça por sua infinita bondade. Que possamos crescer com o mandamento. Que nossos galhos possam crescer frondosos e bonitos, com raízes fortes e profundas. E que possamos dar bons frutos, pois, do contrário seremos arrancados. Para tanto, que cada um de nós compreenda quão imprescindível seja o esvaziar-se, para que o Espírito Santo habite em seu interior.

Sadi – O Peregrino da Palavra

08
abr

Sabe o que é ser livre?

A páscoa cristã será comemorada em alguns dias. Originada da festa de Pessach – a páscoa judaica –, encontra sua razão no Cristo como o cordeiro imolado e sem defeito que derramou seu sangue a fim de que fossemos marcados para a liberdade. A exemplo do cordeiro imolado no Egito, o qual com seu sangue foram marcadas as casas, o sangue derramado por Cristo marca a todo a que a ele se chegar e o confessar o filho de Deus, tanto quanto se entregue ao seu senhorio, cumprindo seus mandamentos.

Ao o aceitarmos como nosso senhor e salvador, o filho de Deus morto por nós, criaturas perdidas em um mundo de engano e pecado, recebemos dele a luz que nos guia no caminho da liberdade, rumo à terra prometida. Assim como Moisés guiou o povo pelo deserto, salvaguardando-os das intempéries pelo poder de Deus, quanto mais Cristo que foi o único que desceu do céu e para lá voltou no momento em que a morte fora vencida em sua ressurreição.

Contudo, pergunto: sabe o homem vivenciar tal liberdade? Por resposta, veja o que fizeram os hebreus quando já estavam a caminho da terra prometida. Sentiram saudades do Egito e de seus prazeres. Lamentaram e murmuraram. Levantaram um ídolo para a adoração. Causaram a indignação em Moisés e ao coração de Deus, não ingressando aquela geração na terra prometida.

Estamos nós libertos ou continuamos no deserto, pensando no Egito, encontrando sempre uma boa resposta para justificar nossos murmúrios e pecados, a exemplo da língua pronta para amaldiçoar? Jesus dizia aos que criam nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. O que é a verdade senão a própria palavra de Deus – “Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade”.

Essa é a reflexão que temos que buscar ao longo de nossa jornada como peregrinos. Todo aquele que comete pecado é servo do pecado. Se o Filho nos libertar, verdadeiramente seremos livres. Viver pela palavra é receber a nova aliança do Cordeiro, mantendo-nos distantes das práticas nefastas deste mundo de ódio, mentira e pecado. Se mantivermos a mentalidade das dificuldades do deserto ou a escravidão do Egito de cada dia, jamais aprenderemos o verdadeiro sentimento de liberdade a que fomos convidados vivenciar pela Palavra, conduzindo-nos em um caminho de transformação onde o amor, a verdade e a pureza são características a nos revestir enquanto vivermos.

Sadi – Um peregrino da palavra

01
abr

O Pão de cada dia

Humano que sou, não raro me pego pensando na necessidade de buscar riquezas que possam guarnecer minha casa de maneira que conforto algum falte à minha família. Instrução de qualidade, assim como alimentos, automóveis, roupas, lazer, tecnologia e objetos de trabalho de igual teor custam caro. Isto faz com que eu trabalhe sobremaneira, buscando alcançar a aquisição dos bens que o mundo me diz, fariam a diferença em minha vida.

Este pensamento é tão forte nos homens, mesmo entre os crentes em Deus e em Seu filho Jesus, que sua maioria, mesmo sabendo bem viver com o básico, nutre tal desejo. Dito isso, contudo, justificado pela intenção do coração que ouve o chamado para viver pela Palavra, busco compreender a profundidade e a intenção do seu contexto; também a que sustenta o mundo.

Acaso sei quanto tempo irá durar a vida que recebi para viver como alma vivente? Acaso posso dizer com segurança – amanhã farei isso ou aquilo – se isso não for da vontade de Deus? Pergunto: o que me diz a Palavra quanto ao que devo buscar? O reino de Deus e sua justiça. Isto é o que devo buscar enquanto viver, e tudo o mais me será acrescentado. Esta palavra de Cristo me ensinou que não devo desperdiçar meu tempo, afinal, ele deve ser empregado com o que de fato importa.

Qual foi a sua lição, senão que ajuntemos tesouros nos céus, de onde nada se perde. Afirmando ainda que onde estivesse nosso tesouro, eis aí revelados os desejos do nosso coração. Sendo discípulo, acaso a minha vontade não deve estar diretamente relacionada à do Pai, revelada pelo filho? Qual seja, viver pelo tempo eterno que me é oferecido, em detrimento do temporal que pouco passa de um século. Não se engane. Ninguém pode servir a dois senhores.

Tomo também o exemplo de Paulo e me corrijo. Ao escrever aos filipenses, afirmou ter aprendido a se adaptar a toda e qualquer circunstância, sabendo o que era passar necessidade e também ter fartura. Aprendeu o segredo de viver contente em toda e qualquer situação, estivesse bem alimentado ou com fome, tendo muito ou passando necessidade. Sentenciou ele, como quem conhece a razão de sua existência, depois de ouvir o chamado de Deus por meio de Cristo – “Tudo posso naquele que me fortalece”.

O que melhor me sustenta, percebo, se resume em uma conclusão: se tenho intimidade com Deus, tenho coisas muito mais importantes para me preocupar. Não posso acrescentar nem mesmo uma hora à vida que vivo, em contrapartida sou convidado a viver atitudes que me levem a ter direito à eternidade junto ao meu Criador, vivendo riquezas incomensuráveis e que não se comparam às riquezas do mundo.

Se tenho necessidade de mantimentos de toda sorte, antes de minha consciência em relação a isso, meu Pai sabe que delas necessito, e Ele as supre à medida em que busco Seu reino e Sua justiça. Não há nada mais importante para me preocupar enquanto viver.

Sadi – Um Peregrino da Palavra

20
fev

# Aprendizados

O livro de Atos narra Felipe sendo orientado por um anjo a se aproximar de uma carruagem, onde se encontrava um importante oficial etíope voltando de Jerusalém, após de ter ido ao templo para adorar a Deus. Ao se aproximar, o ouviu lendo o livro de Isaías e lhe perguntou se entendia a mensagem. “Como posso entender se não há quem ensine”, respondeu. Convidado a subir na carruagem, Felipe anunciou-lhe as boas novas do reino.

Antes de seguir, quero comentar um desenho que assisti nestes dias. Um pai, logo pela manhã, arrumava a mochila de seu filho para juntos irem aos seus compromissos. Ele para o trabalho, o filho para a escola. O dia dos adultos era estafante. Da criança, ainda aprendendo a escrever, uma alegria. Colocado o papel de caligrafia à sua frente, o menino desenhava. Ao agir sempre da mesma forma, era repreendido pelo professor que exigia a lição refeita. Voltava a desenhar.

Leve, como qualquer pessoa que não sucumbiu às exigências estagnantes, ao reencontrar seu pai no fim do dia, mostrava-lhe o desenho. O pai olhava aquilo e se preocupava, acreditando que o filho não alcançaria meta alguma na vida, afinal o dia a dia das pessoas era pesado e formal.

Passados os dias, as reações do professor e do pai eram as mesmas. Diante de tanta incompreensão, o menino começou a ceder e a apresentar a caligrafia conforme o método. Sua vida foi ficando sem alegria, até o momento em que o pai reparou que o menino não era mais o mesmo. Ao remexer as folhas de caligrafia, percebeu que seu filho desenhava não qualquer desenho, mas dava às letras o formato de algo que encontrasse ao seu redor. Para a letra “D”, por exemplo, desenhava uma joaninha em pé.

Voltando à estrada de Jerusalém, o oficial etíope tinha à disposição doutores da lei ensinando no Pátio do Templo, contudo, homens que não compreenderam que o reino anunciado por Jesus era o esclarecimento do que há muito a lei refletia apenas parcialmente. Por isso, não leram Isaías como a profecia cumprida dias antes, no momento da crucificação.

Cumpre lembrar também, que Felipe, pouco antes da crucificação, ele próprio agiu como o pai e o professor daquele menino, pedindo a Jesus que lhe mostrasse o Eterno, assim como eles pediam à criança, a caligrafia correta, não enxergando o que estava diante de seus olhos.

Por certo que o menino deve aprender a escrever as letras como convém, mas são lições como estas que nos apontam sobre a perda ao se ensinar a essência sem ser capaz de reconhecer a resposta quando diante dela. Assim como Felipe só foi capaz de enxergar o Pai, e consequentemente o reino, depois de perceber a resposta transformadora de Jesus, assim o oficial etíope, tal qual o pai do menino, após compreenderem a clareza que estava efetivamente diante deles.

Queira Deus, aquele professor e os doutores da lei no Templo, possam também ter reconhecido a resposta correta.

Sadi – O Peregrino da Palavra

04
fev

# Por quê? Porque Immanu El.

Por que algumas vezes temos medo de enfrentar situações comparadas ao gigante Golias? Será que não as enfrentamos porque acreditamos a sua estatura e força serem sinais incontestáveis da nossa derrota? Por que, afinal, tememos encarar os avanços com garra, agindo com fé, bondade e justiça, se Deus está conosco?

Uma razão deve ser definitivamente internalizada, sobretudo experimentada: Emanuel (heb.: Immanu El) – Deus está conosco. Se professamos a fé em Deus, sobretudo esclarecidos em o nome de Jesus, não há o que temer. Em outra ocasião, meditávamos nestas linhas sobre o poder da fé, que segundo o Cristo, nos capacita a fazermos coisas maiores que as que ele mesmo fez. Palavras dele.

E qual a conclusão daquela meditação anterior? Uma só: Deus estava em Jesus e Jesus nele. Quem realizava tais coisas era o Eterno. Também palavras do próprio Cristo. Isso traduz perfeitamente o agir que moveu o pequeno Davi. O que foi que ele disse ao gigante? – “Vens a mim com lança, escudo e espada e eu vou a ti e o enfrento em nome do Senhor dos Exércitos, pois Ele próprio te entregará na minha mão”.

Por acaso nos esquecemos também das circunstâncias em que Deus agiu no Egito? Após ouvir os clamores do povo, o Eterno veio a Moisés e lhe disse que o enviaria ao faraó, para que ele tirasse o povo daquela terra. E qual foi a voz do profeta? “Quem sou eu para que vá ao faraó e tire o povo do Egito”? Respondeu-lhe Deus: “Certamente estarei contigo”. E esteve. Por dez vez fez a Sua parte quando o mundo se recusou a dar avanço à Sua vontade na vida do povo.

Se Ele disser – vá e faça – ou ainda, se por meio de seus mandamentos requerer algo para que sejamos transformados e avancemos, crescendo pessoal, profissional ou espiritualmente, alcançando o viver segundo a real essência dos mandamentos, qual seja, amá-lo e também ao próximo, é Ele quem nos capacita para tanto. Pela fé em Deus, avançamos e conquistamos o fruto da Sua vontade. Seja ela qual for, é boa, perfeita e agradável.

Para isso, importa estarmos plenamente nele e Ele em nós, pois é Ele quem faz, atribuindo-nos a força e a fé que não temos. Ele só pede que tenhamos a coragem humana movida pela fé divina. Não há o que temer. Dezenas foram as vezes em que Ele repetiu a expressão – “Não temas! Eu estou contigo”.

Ele está conosco e também onde estiver o gigante que devemos enfrentar. Portanto, se por acaso este mundo de frágeis gigantes apresentar obstáculos, que pareçam nos impedir o avanço rumo à realização da vontade de Deus em nossa vida, saibamos de uma vez por todas: A vitória será maior ainda, pois Deus está conosco!

Sadi – O Peregrino da Palavra

29
jan

# Milagres

Na tarde deste sábado teve o início de uma nova série do Programa “Começos” na Nova Semente. Criado e apresentado por Hiran Jacobini, é voltado àqueles que buscam conhecer a Bíblia de maneira profunda. Messias é o primeiro título, e os temas relacionados a ele serão expostos e discutidos ao longo de oito semanas.

Entre os temas debatidos neste sábado, os milagres vieram à tona. Como não poderia deixar de ser, abordamos as situações que ocorreram no passado e as que ocorrem atualmente. Em um determinado momento, alguém perguntou por que, afinal, Deus atende às orações de umas pessoas e de outras não?

Creio que há várias respostas para essas situações. A princípio, importa compreender que qualquer que seja o desfecho, Deus, que é onisciente, agiu em sua sabedoria infinita. O porquê, um dia saberemos. Sem essa confiança nele não há uma experiência real e produtiva com o Eterno.

Nesse momento, para provocar o debate, indaguei o seguinte – Sendo os milagres realizados por Deus, a expressão de Sua vontade, por que então a assertiva: “tua fé te salvou”? Quem não realiza milagres não tem fé suficiente?

Na verdade, em que pese Jesus haver mostrado que a fé daqueles homens era pequena, e a tendo do tamanho de um grão de mostarda seria o bastante para transportarem montanhas, parece-me ser a explicação do Cristo, registrada no evangelho de João, a essência que justifica essas realizações extraordinárias a que chamamos milagres e que ocorrem em relação à nossa fé – “Eu estou no Pai e o Pai está em mim. Somos um. As obras que faço, é Ele quem as realiza”.

Esse é o segredo revelado. A fé verdadeira e poderosa pode ser até mesmo do tamanho de um grão de mostarda, como bem nos ensinam os evangelhos, mas para que a tenhamos, devemos estar em Deus e Ele em nós, como aconteceu com Jesus. E mais, nesse mesmo contexto o Mestre nos disse que se crêssemos nele, faríamos também as obras que ele realizou, e coisas ainda maiores.

Finalizou afirmando que ele faria o que pedíssemos em seu nome, para que o Pai seja glorificado no Filho. Portanto, fica a pergunta: estamos de fato no Pai e Ele em nós, confiando integralmente em Jesus, para que possamos vivenciar os milagres em nossas vidas?

Sadi – O Peregrino da Palavra

28
jan

# A persuasão das palavras

Outro dia li um professor de literatura ressaltar sobre a importância do que dizemos na internet, afinal isso pode influenciar pessoas, tornando-nos responsáveis pelos sinais que emitimos e rumos que sugerimos. A propósito, contos e histórias são construídos por palavras e suas escolhas dão ritmo ao texto ou o tornam maçante, fazendo com que a leitura seja agradável ou não. Contudo, as palavras, mesmo bem colocadas, não são garantia de bons conteúdos a serem absorvidos por quem lê. É preciso ler as entrelinhas.

Já reparou que determinados discursos servem para qualquer ideologia? Palavras são instrumentos poderosos que desempenham um forte impacto sobre as nossas vidas.  É preciso sempre tomar algum cuidado. Há palavras bem colocadas, com argumentos que parecem lógicos, contudo podem muito bem ocultar a verdade. Estas geralmente são concebidas por argumentos capciosos, que têm a intenção de enganar a quem ouve, induzindo ao erro. Vide a má-fé usada pela serpente. Vide sob que circunstâncias Jesus foi tentado no deserto.

Há vídeos de sobra na internet demonstrando a distorção da palavra de Deus quando usada para obter vantagens. Chegaram ao absurdo de testemunhar que em determinada ocasião a invocação do nome de Jesus não teria sido suficiente, restando ao posicionamento pessoal a vitória sobre o mal. Tal contexto não merece comentários. Pessoas são fortemente influenciadas por discursos inflamados, deixando-se levar quando olham apenas para suas paixões, desviando o seu olhar do Cristo.

Disse Jesus que nos acautelássemos dos falsos profetas, observando seus frutos. Isso serve para qualquer contexto da vida, seja político, profissional ou pessoal. Examinai tudo e retende o bem. Mas como haveria de o homem reconhecer tais nuances? Levando o fato ao exame das escrituras.

Diz a palavra que o fim dos tempos reserva o surgimento do inimigo, enganando até mesmo aos escolhidos. Seu discurso será acompanhado de toda a sorte de artimanhas para que sua palavra se concretize com poder.

Portanto, seja a palavra que saia da nossa boca, seja a palavra que ouvimos, não nos apeguemos à persuasão que engana e seduz. Antes examinemos as intenções do coração, os frutos e o seu reflexo segundo as escrituras, fazendo surgir o que há nas entrelinhas. Por fim, que possamos orar para que Deus purifique nossos lábios e tire de nossa boca tudo o que não seja para edificar junto à Sua obra.

Sadi – O Peregrino da Palavra

 

22
jan

# Compreendendo superações

Algumas pessoas, talvez muitas, não sei, se acham superiores às demais. Em uma outra ocasião eu escrevia sobre a condição daquele que paralisa a sua vida pelo medo e, por isso, vive uma condição bastante inferior à que poderia de fato vivenciar. O seu contrário, ainda pelo mesmo diapasão em desequilíbrio, é aquele que não teme a nada e por isso se sente melhor que os outros.

Nem uma condição, nem outra. Sentir medo e se sujeitar ao engano que ele provoca, como afirmei no texto – O medo de viver – é nefasto. Ser ousado e não temer o sucesso de uma empreitada são condições para o crescimento, contudo é preciso encontrar a atitude equilibrada. As escrituras analisam ambas as circunstâncias, oferecendo os caminhos para que esse equilíbrio seja experimentado, proporcionando a segurança e o bem-estar individual, familiar e espiritual.

De posse dessa sabedoria, o homem serve à família, à empresa e à igreja com integridade e senso de justiça. Em família, se tem que usar de rigor com um filho que esteja perdendo o respeito e, consequentemente o rumo, não hesitará em fazê-lo dentro dos limites. Na empresa, a observância aos parâmetros de conhecimento, disciplina e ética lhe são fundamentais. Na igreja, ao reconhecer a linha tênue entre a doçura da misericórdia e a necessidade da instrução, age com amor.

Tudo isso, cumpre ressaltar, deve ser feito tendo às mãos o manual de instrução por excelência – a bíblia sagrada – utilizando todos os instrumentos ali apontados – vale dizer – sabedoria, obediência à palavra de Deus e joelho no chão.

Grande é o poder que move o universo. O homem que se reconhece em Deus, esse permanece firme naquilo que faz e caminha em direção ao alvo maior que o espera. Assim, torna-se forte, e o único engrandecimento que lhe interessa vem do Alto. Incansável, ele promove o sucesso também para os outros, refletindo o reino a que está inserido. Humilde de espírito, ele reconhece o reino de Deus ser constituído de poder e não por palavras.

Eis o homem verdadeiramente superior. Ele o é quando encara a necessidade de superar a si mesmo, para que surja um novo homem. A perseverança nos mandamentos e na fé em Jesus é todo o diferencial de que precisa, e nele não há obstinação pelos poderes efêmeros deste mundo. Ele sabe que o crescimento verdadeiro e equilibrado só pode ser alcançado enquanto estiver alinhado ao poder de Deus que rege o universo.

Assim disse o seu Redentor: “Eu sou o Senhor, o teu Deus, que te ensina o que é útil e te guia pelo caminho em que deve andar”. Se der ouvidos aos mandamentos, então o seu nome será exaltado pelo Eterno.

Sadi – O Peregrino da Palavra

21
jan

# O medo de viver

Já reparou como o ser humano vivencia o medo a ponto de obstruir o avanço de seus próprios sonhos? O medo paralisa a vida e as boas iniciativas. Ele é um produto dos nossos pensamentos – limitantes, cumpre dizer –, e se torna real apenas em nossa mente.

O medo, se alimentado, pode afetar profundamente a vida de uma pessoa. Seja na área familiar, profissional ou mesmo espiritual, esse sentimento nefasto pode nos levar a crer que não somos merecedores da felicidade, tudo porque tais crenças enganosas acabam nos fazendo acreditar que não somos capazes de realizar metas e alcançar objetivos que nos levariam ao crescimento em qualquer dessas áreas.

O resultado pode se ver em pais que não tem autoridade sobre seus filhos ou amor pleno em seu casamento, profissionais que passam a vida aceitando migalhas, quando poderiam fazer a diferença na vida das pessoas e, por fim, crentes que não confiam em Deus e na sua Palavra.

A bíblia fala de temor em muitos de seus versos. O medo, vale dizer, algumas vezes nos protege de situações perigosas e isso é benéfico, no entanto, das vezes em que ele se torna apenas um fruto de nossos pensamentos limitantes, se apresenta como lamentável, pois a vida passa e com ela, muitas vezes, as oportunidades únicas.

Diversos homens na bíblia tiveram medo, contudo, aqueles que o entregaram a Deus, seguiram em frente e venceram. Os que o alimentaram, provaram apenas não confiar em Deus.  O que disse Deus pela voz de Isaías? “Não tema, pois estou com você; não tenha medo, pois sou o seu Deus. Eu o fortalecerei e o ajudarei; eu o segurarei com a minha mão direita vitoriosa”. O que o impede de viver sob esse comando divino?

Veja qual foi a decisão de Josué quando ouviu a voz do Senhor dizendo: “Seja forte e corajoso! Não se apavore nem desanime, pois, o Senhor, o seu Deus, estará com você por onde você andar”. Esta foi a sua decisão: “Percorram o acampamento e ordenem ao povo que prepare as provisões. Daqui a três dias vocês atravessarão o Jordão neste ponto, para entrar e tomar posse da terra que o ­Senhor, o seu Deus, lhes dá”.

Não é maravilhoso? Isso é fruto do amor e da confiança em Deus. Em qualquer circunstância de nossa vida podemos tomar a lição de João em sua primeira carta: “No amor não há medo; ao contrário o perfeito amor expulsa o medo, porque o medo supõe castigo. Aquele que tem medo não está aperfeiçoado no amor.”

Por fim, pela experiência real que buscamos com Deus, que jamais o medo de anunciar a Sua palavra tome conta do nosso coração. A princípio, esta sentença de Jesus Cristo nos acompanhe: “Não tenham medo dos que matam o corpo, mas não podem matar a alma. Antes, tenham medo daquele que pode destruir tanto a alma como o corpo no inferno”.

Quem lê, entenda. Viva a vida com coragem e amor!

Sadi – O Peregrino da Palavra

1 2 18