Tag Archive: Perdão

06
out

Perdoado

Gelson de Almeida Jr.

Provavelmente você conheça a história do médico e filantropo escocês que tinha por hábito ajudar os menos favorecidos. Após sua morte, examinando seus livros, sua esposa, de coração não tão bom quanto o seu, descobriu aquele que seria o “livro caixa” do marido. Em todas as folhas havia o nome de uma pessoa, o procedimento médico realizado e o custo do mesmo, mas, sobre alguns nomes estava escrito: “Perdoada, demasiado pobre para pagar-me”.

A avarenta mulher levou o caso aos tribunais para ver a melhor maneira de receber aquelas pendências, mas ouviu dos magistrados que, se aquelas anotações haviam sido feitas por seu marido, não haveria tribunal no mundo que permitisse que ela cobrasse.

Ao que você nascer, na frente do seu nome o Eterno escreveu “Perdoado, com direito à salvação”. Você já parou para pensar na profundidade disso? Consegue imaginar em como a dinâmica do universo foi alterada apenas para que o Criador viesse aqui morrer em seu lugar? E o preço de toda essa operação, quanto seria? Se sequer conseguimos imaginar o valor, como poderíamos pagar o preço de nossa salvação?

Só existe uma pessoa em todo o universo capaz de fazer com que você perca a salvação, VOCÊ mesmo. Nem o Eterno tirará esse direito de você, pois, tem a imutabilidade como uma de Suas características, Ele não muda (Malaquias 3:6), mas deixou a cada um de nós o direito de escolha.

Salvação ou perdição, só existem essas duas opções, nossas escolhas diárias definirão nossa situação final. Viva bem para viver eternamente.

23
jun

Perdoado

Gelson de Almeida Jr.

Conta-se que durante o Império Romano um jovem foi julgado e condenado à morte por crime de traição. Assim que a sentença foi proferida seu irmão mais velho, conhecido por haver dedicado anos de sua vida defendendo a pátria, se levanta e pede a palavra. Erguendo os cotos dos braços mostra o resultado de defender a pátria contra seus inimigos. Reconhecendo a culpa do irmão pede que seja perdoado, pede que ele não receba o merecido castigo pelos crimes cometidos, mas que fosse levado em consideração tudo o que ele fizera pela pátria e o irmão fosse perdoado. Conseguiu o perdão do irmão.

Paulo afirma que o salário do pecado é a morte, mas completa dizendo que o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus o nosso Senhor (Romanos 6:23). É muito bom sabermos que, como filhos do Eterno, temos um irmão mais velho que se ofereceu para morrer em nosso lugar, Alguém que passou por todo o tipo de tentação, mas sem pecado (Hebreus 4:15).

Assim como aquele homem foi o advogado de defesa do irmão e, pelo que havia feito, conseguiu que a pena de morte fosse retirada, Cristo, nosso irmão mais velho, diariamente se apresenta diante do Eterno, o Juiz de todas coisas, mostra Suas mãos ainda com as marcas dos cravos e pede que sejamos perdoados.

Que “irmão” maravilhoso temos nós! Pagou o preço, a morte que nos era devida, ao morrer no Calvário e a recompensa, fruto de Sua obediência, foi passada a nós. Não sei como você fará, mas confesso que a Eternidade será insuficiente para que eu Lhe agradeça tamanha benção. Se você é grato por tudo que Ele fez e faz por você diga-Lhe o quanto O ama e viva à altura desse amor.

16
dez

Perdão

Gelson de Almeida Jr.

perdaoQuando os primeiros missionários chegaram ao Polo Norte, ao falar do amor de Deus e de Seu perdão, procuraram a tradução da palavra, mas descobriram que ela não existia no idioma dos esquimós. Buscaram então um termo que se aproximasse e encontraram “não pensar nisso nunca mais” e passaram a usá-lo sempre que queriam se referir a perdão.

Quando se fala em perdão, percebemos existir muita diferença entre o perdão divino e o perdão humano, enquanto o Eterno perdoa e esquece, nós, afirmamos perdoar, mas não esquecemos, isto é, permitimos que a ação do outro influencie nosso cotidiano. Pesquisando sobre o assunto encontrei algumas frases sobre perdão que achei lapidares:

Perdoar não é esquecer, isso é amnésia. Perdoar é se lembrar sem se ferir e sem sofrer, isso é cura”.

 “Quer ser feliz por um instante? Vingue-se. Quer ser feliz para sempre? Perdoe.

“Perdoe os outros não porque mereçam perdão, mas porque você merece paz”.

Dias atrás conversei com alguém que está com sérias dificuldades para perdoar algumas pessoas que lhe causaram um mal muito grande. Por mais que instasse, falando de nossa obrigação, como cristãos, em perdoar, essa pessoa entendia que o dano que lhe fora causado era por demais grandioso para ser perdoado. Pedi-lhe que se imaginasse no lugar de Cristo após ser preso, ser levado a julgamento, ser achincalhado pela turba e, por fim, ser crucificado. Não precisou de muito tempo para me dizer que Cristo era perfeito, por isso perdoara, mas que, humana e falha como era, não perdoaria.

O fraco nunca pode perdoar. Perdão é um atributo dos fortes” M. Gandhi. Qual é sua atitude quando lhe ferem? Lembre-se que o Eterno o perdoará do mesmo modo que você perdoa seus semelhantes, essa grande verdade já estava expressa na oração ensinada por Cristo aos discípulos (Mateus 6:12). Perdoe, não porque você é superior ou porque os outros mereçam, mas para ser feliz e ser perdoado pelo Pai.

23
dez

Visão Divina x Visão humana – IV

Gelson de Almeida Jr.

olhos-jesusEm algumas horas a maior parte do mundo ocidental comemorará o Natal, festividade em que se celebra o nascimento do menino Jesus entre nós. Talvez você fique a perguntar o que o nascimento de Jesus tem a ver com o título que escolhi para essa série, pois tem tudo a ver. Não existe exemplo mais clássico para se entender como o Eterno nos vê que a vinda de Seu Filho ao nosso planeta.

Paulo afirma que “(…) vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho…” (Gálatas 4:4) para morrer por nós enquanto ainda éramos pecadores (Romanos 5:8). Tendo em mente que pecado é iniquidade e iniquidade é rebelião contra o Eterno, fica muito difícil entender a atitude divina para com cada um de nós. Desculpar/perdoar o erro de alguém é coisa por demais difícil para nós seres humanos, mas perdoar, restaurar e tratar um ofensor como se nada tivesse acontecido é algo além da nossa compreensão.

Quando Pedro perguntou ao Mestre quantas vezes deveria perdoar alguém, Cristo disse-lhe que deveria perdoar 490 vezes, o mesmo erro. Do alto da perfeição absoluta o Eterno não nos olha com olhos acusadores, mas com olhos de amor. Gosto da frase que diz que: “A Natureza nunca perdoa, os homens às vezes perdoam, mas Deus sempre perdoa”.

Os olhos humanos são para as falhas, os olhos divinos são para os que cometeram as falhas. Enquanto o homem se detém no erro cometido, o Eterno olha os motivos que levaram ao erro e a disposição de quem errou em acertar na próxima vez. Diariamente o Eterno faz com você o mesmo que fez com Adão e Eva assim que pecaram, ao invés de condenar busca sua restauração, a Adão e Eva prometeu um Libertador, a você ele mostra a cruz e lhe dá a certeza da vida eterna. Deus é isso e sendo Ele quem é e o que é, podemos nos sentir seguros e nos aproximar sem medo da condenação.

07
fev

# Amor incondicional

castra-1024Se por uma hipótese muito remota surgisse algum dirigente político no País em que você reside, e tivesse as mesmas atitudes que Hitler as teve durante a 2ª Guerra, maltratando e executando covardemente toda a sua família (Que o Eterno não permita isso) responda a si mesmo se você oraria por ele e se o perdoaria. Esta reflexão difícil encontra seu propósito para que juntos meditemos a partir dos principais pilares do cristianismo: oração, amor incondicional e perdão.

Tal hipótese de intercessão passou a ser mencionada em uma discussão na internet quando alguém perguntou se oramos pelo ex-presidente Luís Inácio, depois que surgiu a notícia, verdadeira ou não, que ele passou a se tratar novamente da grave doença que o acometeu há um tempo. As opiniões, movidas apaixonadamente, penderam pela resposta negativa. Detalhe: tratava-se de uma pergunta feita por um cristão evangélico a iguais crentes.

A discussão passou a ficar acalorada em segundos. As opiniões se dividiam de modo confuso, pois era nítida a motivação política, ou seja, uma tolice sem tamanho enquanto falamos da vida de alguém que precise de oração. Outra pessoa, também crente na mensagem do Cristo, trouxe a discussão para a sua página, composta por crentes ou não. Entre as respostas, de um lado umas diziam: “O Cristo pediu que orássemos por todos, amando e perdoando sem distinção”. Outras ressaltavam o choque de valores como princípios e religião, concluindo não ser tão fácil a resposta. Na outra ponta, respostas inclusive de cristãos, que envergonhariam o mais apóstata dos homens.

Mas, o que tem Hitler a ver com essa questão? O fato de orar, amar e perdoar ou não, tomou outro rumo quando um cristão, talvez também motivado politicamente, perguntou se nós praticaríamos estes mandamentos se a situação fosse diante do perturbado dirigente da Alemanha na 2ª Guerra. O condutor do debate acreditou ser cruel colocar estes dois dirigentes em um mesmo “saco”, mas reiterou sua preocupação com seguirmos ou não aos mandamentos daquele a quem decidimos seguir, independente de vieses políticos.

Mas, espere um pouco; se não há diferença entre um pequeno pecado e outro a que se atribua enorme gravidade, não deveríamos amar, orar e perdoar mesmo a alguém que fizesse mal a nossa família (Que o Eterno não permita) como o desequilibrado dirigente alemão o fez a tanta gente inocente? Haveria algum limite para não amarmos ou não perdoarmos aos homens insanos do grupo Ísis na Síria?

Independente de qual seja a sua resposta (devendo ser honesta), inclusive se temos a noção do que seja amar alguém em uma situação extrema como essa, um dos participantes do debate escreveu algo importante e real. Disse ele que a verdade é que amamos muito pouco, às vezes nem mesmo aos de dentro de nossa própria casa e se isso fosse diferente, afirmou ele, não teríamos a necessidade nem mesmo de participar de debates como estes.

Sadi – Um Peregrino da Palavra

02
jul

#Perdão

Gelson de Almeida Jr.

Em época de Copa do Mundo a maioria tem seu jogador predileto, sua jogada mais marcante, etc. Mas, dias atrás, um lance pra lá de inusitado e polêmico polarizou os comentários sobre a Copa, a mordida que o uruguaio Luis Suárez desferiu no ombro do zagueiro italiano Chiellini. A FIFA rapidamente analisou as imagens e, como foi uma agressão brutal e o agressor não é réu primário, aplicou a maior pena já imposta a um jogador dentro de um torneio de Copa do Mundo.

Não é meu intuito falar sobre a Copa ou execrar este ou aquele jogador, mas comentar a atitude de Chiellini após seu agressor vir a público se desculpar. Sua frase simples, mas muito emblemática foi a seguinte: “Está tudo esquecido. Espero que a FIFA reduza sua pena”. Num mundo onde os egos estão cada vez mais exaltados, onde o amor ao próximo ou a disposição de ajudar, de perdoar os que nos ofendem é cada vez menor, a atitude de Chiellini é, no mínimo, louvável e digna de ser imitada.

Todos fomos, pelo menos uma vez na vida, lesados, prejudicados, ou feridos por atitudes de outrem. Mas o Mestre, quando perguntado por Pedro acerca do perdão, afirmou que deveríamos perdoar nossos ofensores 490 vezes (Mateus 18:22), e isto pelo mesmo motivo. Isto não é coisa para seres humanos, é coisa para Deus e somente os que buscam fazer Sua vontade é chegam perto disto.

O que torna a frase de Chiellini mais fantástica é que ele não se colocou em posição de superioridade sobre seu agressor dizendo que o perdoava, ele simplesmente disse que tudo estava esquecido. Quando se erra, muito mais que o perdão, nosso maior desejo é de que o outro esqueça o que fizemos. Esquecer a ofensa é também outro conselho divino para nós.

Termino com duas notícias para você. Como se diz, uma boa e outra não tão boa. A boa notícia é que há um Pai no Céu que, não importa o que você fez ou ainda faz, está disposto a perdoar, a esquecer e a lhe restaurar à uma posição como se nunca houvesse pecado. A outra notícia, não tão boa, é que recebemos o perdão que damos ou outro. Portanto, se você quer ser perdoado, perdoe e esqueça, para que o Pai esqueça o que você fez e lance seus erros nas profundezas do mar (Miqueias 7:19).

03
mar

Lava-rápido

Adriano Vargas

Depois disso, derramou água numa bacia e começou a lavar os pés dos seus discípulos, enxugando-os com a toalha que estava em sua cintura. João 13:5

Que cena emblemática: uma bacia com água e um homem cingido com uma toalha. Antigamente, no Oriente, as pessoas tinham seus pés cobertos de poeira e lama endurecida. Era a função dos empregados da festa limpar os pés dos convidados. O Cristo assume uma função de servo. Ele quer lavar o pedaço mais sujo em você. Para isso, você precisa permitir. O servo só irá derramar a água em seus pés se você confessar que está sujo. É preciso admitir que estamos cobertos de lama e sujeira da vida, que seguimos por caminho proibidos e por trilhas de engano.

Se não admitirmos nossa sujeira, não seremos limpos. Não ficaremos puros até admitirmos nossa imundice. Da mesma forma, seremos incapazes de lavar os pés daqueles que nos machucaram, nos ofenderam, até submeter nossos próprios pés ao Cristo, que foi ferido por nós.

Há alguma área em sua vida que você considera suja e indigna?

Vá até Jesus ele “lava rápido”.

*Foto: Santa Ceia que realizei na #missãogoiânia com os PG’s.

07
ago

#Perdão

Gelson de Almeida Jr.

Esta semana trafegando em uma grande avenida fui surpreendido pelo motorista de um veículo que, vindo de uma rua transversal, entrou, abruptamente, em minha frente. Nem se desculpou ou agradeceu após entrar. Passado o espanto e a vontade de, pelo menos buzinar para lhe chamar sua atenção, fiquei olhando para ver o que ele faria. Logo adiante outro veículo tentou entrar em sua frente, mas ele, de forma grosseira, jogou seu veículo e, não fosse a rapidez do outro motorista e quase haver subido na calçada, teria ocorrido uma colisão. Balancei a cabeça pensando em como ele não permitira que o outro fizesse o que fizera comigo. Não respeitou minha preferência na avenida, mas exigiu, à força, que a sua fosse respeitada.

Sorrindo me lembrei da parábola do “credor incompassivo” (Mateus18:21-35), onde, falando acerca do perdão, Cristo relata a história do indivíduo que, prestes a ser vendido como escravo, bem como sua mulher e filhos, para saldar a dívida junto ao rei, implora e recebe perdão. Ao sair do palácio encontrou um devedor seu cuja dívida era infinitamente menor que a sua para com o rei. Sem pestanejar agarrou o pobre coitado pelo pescoço e o chacoalhou exigindo o pagamento da dívida. De nada adiantarm os apelos do pobre homem. Os servos do rei, que presenciaram os dois encontros, revoltados relataram o fato ao rei.

Enquanto pensava no indivíduo que me “fechara” com seu veículo e em sua atitude seguinte, tentei me recordar quantas vezes agira como ele. Confesso que me envergonhei, pois em alguns momentos me neguei a conceder um perdão simples, mesmo tendo recebido “perdões maiores” ao longo de minha vida. Somos muito bons em receber perdão, mas temos dificuldade em perdoar aos outros.

Você deseja um pouco de divindade em sua vida? Perdoe. Já dizia Alexandre Dumas (filho): “O perdão é o que há de maior, de divino no ser humano”. Não hesite em perdoar, apenas lembre-se da quantidade e das condições em que já foi perdoado, afinal, se o Pai nos perdoa diariamente quem somos nós para fazer diferente?

11
maio

# Força e Doçura

Certa ocasião, Sansão propôs um enigma aos filisteus, dizendo: Do que come saiu o que se come; do forte saiu doçura. (Juízes 14)

Referia-se ele ao leão que matara quando estava a caminho da casa da mulher filisteia que tomaria em casamento. Na ocasião ele se apartou de seus pais e, ao entrar na vinha deparou-se com o animal que, rugindo veio ao seu encontro, razão pela qual o espírito do Senhor se apossou de Sansão e ele matou o leão como a um cabrito.

Dias depois, quando voltou para desposar a mulher de sua escolha, Sansão ainda no caminho se separou de seus pais para ir ao encontro do leão morto e, para sua surpresa encontrou um enxame de abelhas com mel na boca do animal. Tomou do mel em favos e levou a seus pais, sem revelar-lhes de onde vinha, e seguiram comendo-o. Assim nasceu o enigma acima, que propôs aos filisteus por ocasião de seu casamento.

Pois bem, o que é mais doce que o mel, e mais forte que o leão?

O perdão.

Shabbat Shalom !

Sadi – um Peregrino da Palavra

17
mar

# Morte e Vida

Percebo que se tornou um hábito escrever esta semente do domingo depois de ouvir as palestras do programa Viva que acontecem no sábado à tarde. Não que faltem testemunhos do dia a dia, razão da existência das sementes semanais, para traçar um paralelo com a palavra de Deus. Mas, depois que me mudei para outro Estado, não podendo estar presente às programações, tenho me voltado mais ao site Nova Semente, pois assim continuo no caminho em que Deus me colocou a ouvir verdades que têm transformado minha vida. Ainda que pelo tanto que tenho sido transformado desde que ingressei em fevereiro de 2006, creio que a distância tem exercido sobre mim um poder ainda maior, provando ser a experiência real com Deus, testemunhada e ensinada ali, a responsável pelas transformações que tenho passado, à medida que me permito tamanha felicidade.

É de fato uma experiência real com Deus que acontece naquela comunidade. Como os homens que andaram com Cristo, assim como os que fazem parte da Nova Semente, tenho cada vez mais tido a consciência de quanto preciso continuar a andar com Deus, deixando-o na condução da minha vida, não podendo prescindir de forma alguma da Sua presença, e nem da Sua dependência que aprendi, me faz andar seguro por onde for, pois ouço a Sua voz, em especial pela Palavra que leio nas escrituras, vivenciando-as na prática.

Certa ocasião Jesus percebeu a atitude de alguns discípulos que antes andavam com Ele, começarem a se distanciar por não confiarem naquilo que Ele dizia. Foi que Ele então perguntou aos seus discípulos mais próximos se também eles desejavam ir. Respondeu Simão Pedro: Para onde iremos, se só tu tens a palavra da vida eterna. (João 6). Sinto-me como esse apóstolo. Para onde irei, e onde posso me apoiar e confiar, ainda que o mundo se prostre aos meus pés, se apenas em Cristo sinto meu coração, minha mente e meu espírito seguros e felizes de fato? E ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, eu nada temerei, pois Tu estás comigo. (Salmo 23). Ao crermos nessa proteção, vivemos momentos que os olhos carnais não presenciam naturalmente.

Digo isso não porque minha vida já esteja plena das realizações que tenho sonhado junto ao sonho de Deus, mas por que ao andar com Ele, dependendo das palavras vivas que contêm a Sua pregação no evangelho de Cristo, percebo estar a caminho de uma forma que o mundo não pode entender. Percebo a existência do tempo de Deus pelo que Ele me conhece, e sabe quando estarei preparado para receber e assim conservar o seu melhor na minha vida. Percebo os sinais pelos quais Ele me direciona rumo aos seus sonhos. Percebo que erro menos e, quanto me sinto mais feliz por tudo que vivencio na sua Palavra quando a coloco em prática. Percebo que quanto mais escuto as pregações de meu pastor, mais aumenta a minha fé, mais compreendo minhas reais necessidades, e por fim, testemunho a mim mesmo todos os dias, o quanto a alegria de viver assim tem aumentado à medida em que permito a transformação dos sonhos de Deus em minha vida. (Jeremias 29:11-13)

Volto a reportar sobre a palestra de ontem no programa Viva, a que sugiro assistam clicando neste link, pois por ele testemunho o quanto o processo de conversão e bênçãos é um caminho interminável, pois senti um impacto tão grande, tão forte que não apenas a alegria de novos esclarecimentos tomou conta de mim, mas vivenciei a revelação de um medo que ainda estava oculto sem que eu conseguisse o confessar, fazendo de aspectos da minha vida paralisados, e o senti extirpado quando as lágrimas que correram em meu rosto, no momento da prece final, disseram ao meu coração que não devo temer, nem permitir que o passado se oculte em mim, mas viver a mesma certeza que viveu o paralítico a quem Jesus perdoou os pecados e, ao ouvir a voz do Mestre e crer que Ele tinha poder de vida eterna, levantou tomou sua maca e andou pela vida conforme os sonhos de Deus para ele.

Que a vida de todos vocês que me leem seja abençoada pela dependência de Deus.

Shalom Aleichem  

Ṣadi – Um Peregrino da Palavra

1 2