Tag Archive: A Vitória

04
abr

Algumas coisas que o Apocalipse me diz

Marco Aurélio Brasil

Eu estava almoçando quando alguém tocou no meu ombro e disse: “acho que temos uma coisa em comum”. Era o Otávio, que frequenta a mesma igreja que eu mas que eu ainda não tinha tido o prazer de conhecer. Ele sentou-se à minha mesa e a conversa logo se encaminhou para a sua história com Cristo. Passou a me contar como sua vida havia sido transformada radicalmente havia apenas dois anos através de sua leitura individual da Bíblia e do testemunho de seu cunhado. Esse tipo de relato sempre me impressiona, é uma evidência irrefutável em favor da fé, um milagre que, louvado seja Deus!, Ele continua fazendo.

Entretanto, o que mais me impressionou foi ele dizer que o momento decisivo para sua conversão foi a leitura do livro do Apocalipse. Ao dizer isso, lágrimas vieram aos seus olhos e ele precisou interromper seu testemunho enquanto eu revolvia a feijoada vegetariana que comia sem saber o que fazer.

Que ótimo saber que há gente ao redor do mundo ouvindo a voz de Deus soar por entre os símbolos aparentemente indevassáveis do Apocalipse. Apesar de Apocalipse significar “revelação”, muita gente acha que ele é um livro impossível de ser “revelado”; seria assim uma enorme carta enigmática cuja chave para desvendá-la caiu nalgum bueiro ao longo da história e se perdeu. Mas a verdade é que o Apocalipse me diz muitas, muitas coisas.

Ele me diz, por exemplo, que a mensagem de Deus não é horóscopo ou tirinha de jornal: Deus é um ótimo comunicador e Ele sabe que para Sua mensagem alcançar de fato o interlocutor, este precisa meditar nela. Não basta passar os olhos e sair pra comprar pão. Quando Deus utiliza símbolos e imagens esquisitas para transmitir importantes avisos, Ele me obriga a pesquisar na Bíblia para achar o significado daquilo (a chave da carta enigmática não caiu em bueiro algum!), me obriga a refletir nisso tudo, da mesma forma que as parábolas de Jesus colocavam uma pulga atrás da orelha de seus ouvintes. É refletindo nas coisas de Deus que o Espírito Santo consegue nos convencer da importância e da urgência delas. É aí que o milagre da conversão acontece.

Como não tenho espaço para falar de todas as coisas que o Apocalipse me diz, é importante passar logo para a mais importante. Lembra-se quando falávamos das coisas que o Gênesis me diz? Eu dizia que Gênesis me apresenta a um problema, a questão do pecado e da morte. Pois é, o Apocalipse fecha a Bíblia falando da solução do problema. Os primeiros dois capítulos da Bíblia descrevem como as coisas eram antes do pecado. Os dois últimos falam do que acontece depois do pecado. E o que acontece é inefável.

Apocalipse é um fantástico hino de vitória e não de pavor e medo. Diz que não há absolutamente nada que temer se lavamos as vestes no sangue de Jesus, se abrimos a porta para Ele, se descobrimos a maravilhosa experiência de guardar os mandamentos de Deus, por Seu poder, e manter firme a fé de Jesus. Ele diz que se estamos sob Seu enorme guarda-chuva de graça, nosso destino é eternidade nos domínios do genuíno amor e da mais impoluta paz. E ele me diz que este guarda-chuva não apenas tem capacidade infinita de espaço, mas na verdade
tem sob ele um lugarzinho reservado com o meu nome e com o teu também.

Quanto antes corrermos para lá, antes começaremos a respirar a eternidade. O que pode ser mais importante do que isso?

27
jul

# Liberdade religiosa

Vivemos nas últimas décadas a conscientização de direitos individuais, sobretudo de direitos humanos. O texto deste sábado nasce muito mais do que simplesmente para tentar levar o leitor a essa reflexão. Surge para despertar para um caso concreto dentro de nossa própria igreja. Especialmente hoje, 27 de julho, todas as igrejas adventistas espalhadas pelo mundo se unem em oração pelo pastor Antonio Monteiro e pelo empresário Bruno Amah.

No dia de hoje, completa-se exatos 500 dias que estes homens estão presos em Togo, país localizado na África Ocidental, onde o sistema judiciário é precário. A acusação? Terem conspirado para o assassinato de pouco mais de dez mulheres, em prol de uma rede de tráfico de sangue. Seu acusador? O próprio assassino, um homem que havia trabalhado com o pastor os acusa da conspiração. Esse homem, que obviamente se encontra preso, posto que réu confesso dos homicídios, em suas declarações demostrou claras contradições quanto à acusação. Para que se tenha uma ideia, está comprovado ser ele portador de distúrbios mentais.

A causa foi apurada, porém a polícia nada encontrou que os ligassem aos homicídios ou ao tráfico. No entanto, desde março de 2012, o pastor e o empresário estão detidos. Ativistas de direitos humanos, advogados, diplomatas e a própria igreja adventista em Cabo Verde se mobilizam há meses para tentar a libertação de ambos. Milhares de pessoas, nesses meses todos, têm orado e jejuado pela integridade física desses homens. O diretor de Liberdade Religiosa da Igreja Adventista para o mundo, Dr. John Graz, indignado com o caso, manifestou-se como sendo absurda e inacreditável a acusação, que não os possibilita nem mesmo direito à fiança ou ao julgamento.

Por tudo isso, a igreja adventista mobilizou a criação de um site para colher assinaturas em uma petição, a fim de que seja levada ao presidente daquele país e, assim dar a justa solução que o caso merece. Vocês podem acessar o site e assinar a petição, clicando neste link e, para assistirem ao depoimento da família, um verdadeiro testemunho de amor à palavra de Cristo (ouçam o testemunho da filha, Andreia dos Anjos) podem clicar neste link para assistir ao vídeo.

É isso, prezado leitor. As escrituras revelam que perseguições como estas aconteceriam, especialmente aos que guardam o mandamento e a fé em Jesus. Hoje, 27 de julho, estamos todos unidos em oração por esses homens, que presos injustamente, continuam submetidos ao cárcere por acusação infundada e que, ainda assim se sustenta apenas pela condição de serem religiosos. Orem por eles, jejuem se assim puderem, compartilhem os links que aqui se encontram. E que Deus nos abençoe a todos, inclusive concedendo o perdão ao acusador que está preso. Amém.

Feliz Sábado, pastor Antonio Monteiro, Sr. Bruno Amah e digníssimas famílias.

Ṣadi – Um Peregrino da Palavra. 

10
fev

# Construindo um novo homem

Estive ao longo desta semana meditando nas palavras do pastor Kleber que deram conteúdo ao  segundo episódio da série – Em Obras – no sábado à tarde. Dizia ele reproduzindo a sabedoria colhida dos frutos bíblicos: “Se você buscar por vitórias em sua existência mantenha sua vida baseada pela fé, e para tanto, viva com confiança; tenha uma atitude positiva; viva com coragem; viva mediante obediência a Deus”.  Isto trouxe a mim um ponto de vista diante da vida bastante esclarecedor, pelo tanto que se tornou renovador de meus pensamentos.

Uma irmã que é membro da Nova Semente, na manhã deste sábado testemunhou algo importante. Cremos muitas vezes que somos seguros de nós mesmos, mas há momentos em que a vida nos leva a provações onde corremos o risco de questionar a fé e mesmo perdê-la. Isso pode acontecer com um pastor, como disse ela ao ouvir um testemunho semelhante.

Acreditar na Palavra por ser a verdade, é no mínimo uma atitude sábia; Respeitar ao Espírito de Deus, demonstração de prudência; temer a Deus como o princípio da sabedoria, comprovação de que anda pelo caminho certo. No entanto, ainda assim, mesmo com o reconhecimento de todos estes bons testemunhos, podemos andar vacilantes pela vida, sem perceber que o frasco que contém o antídoto para uma vida de vitórias esteja presente em dois aspectos muito próximos de nós quando conhecemos a mensagem de salvação. O conhecimento prático da Palavra e a entrega total de nossa vida nas mãos de Deus.

Todos nós precisamos dessa dependência. Alguém pode achar que conhecendo a palavra profundamente, participando dos cultos, dizendo sábias palavras e se comportando exemplarmente em meio aos irmãos seja o bastante para transformar sua vida. E o é, se de fato entregar sua vida em dependência total a Deus.

Incertezas, medos, sentimento de inferioridade e pessimismo são produtos de uma vida que ainda não foi transformada, não se entregou ao novo nascimento, continua presa ao passado, aos falsos julgamentos que se lhe atribuíram em outros tempos, e pior, por pessoas que não conhecem o reino de Deus. Não temas, diz o Senhor. Não temas, o reafirma nosso Salvador Jesus Cristo. Não temas, repetem os pastores incansavelmente ao longo dos cultos, anos após anos.  O que falta a nós para que tenhamos o monte em nossas mãos?

A resposta tem sido dada há milênios desde que as escrituras começaram a ser escritas. Foi repetida há uma semana durante a série – Em Obras – pelo pastor. Olhar as coisas ao redor com fé.  Olhar o futuro com confiança, pois a fé gera a confiança. Ter uma atitude positiva, pois o Senhor é conosco e vai a nossa frente quando estamos com Ele. Viver com coragem para vencer, pois o Senhor nos garante – Não temas, Eu estou contigo. Se Deus é por nós quem será contra nós? E enfim, tudo isto só poderá acontecer mediante um novo nascimento, se obedecermos a Deus. Esse é o segredo. Obediência. Aí então podemos pedir: Senhor, dá-me este monte! E por maior e mais alto que seja, Ele o entregará em nossas mãos.

Shalom Aleichem!

Ṣadi – Um Peregrino da Palavra

29
jul

# Treinamento e Superação.

As Olimpíadas de Londres estão a todo vapor. Treinamentos exaustivos e superação de limites físicos e mentais são as condições aceitas pelos competidores, a fim de alcançarem tempo e força quase sobre-humanos. As vitórias fazem os atletas se esquecerem das dores por que passaram, e ainda incentivam o mundo inteiro a se espelhar, usando-as de forma análoga frente às competições pessoais de cada um.

Se pensarmos bem, a vida cristã passa por estes dois importantes aprendizados – treinamento e superação. Após conhecermos e sermos tocados pela palavra revelada por Deus, normalmente passamos a estudar sobre seus detalhes, os motivos de cada um de seus estágios, a sua razão principal de existência, e os personagens que compuseram a sua história ao longo de séculos. No entanto, a partir desse instante não há como não nos depararmos com as dificuldades enfrentadas pelos homens que viveram amparados pela fé que vem de Deus, superando assim os infortúnios da exclusão social ou o medo da morte que esta escolha lhes proporcionasse.

Por falar em superação, quem não se lembra da suíça Gabrielle Andersen nas Olimpíadas de Los Angeles, em 1984? Participante da primeira competição de maratona feminina, Gabrielle entrou no estádio olímpico debaixo de forte calor para completar os últimos metros da prova. Seu estado físico estava comprometido. Desidratada e sofrendo pelas câimbras, ela cambaleou entre uma raia e outra até cruzar a linha de chegada, e tudo debaixo de aplausos emocionados do público que a assistia. Só aí então aceitou ser amparada por três pessoas que a esperavam com os braços abertos. Tornou-se um símbolo da superação e da persistência.

Muitas vezes os esforços que levam o atleta ao caminho da vitória, ele os encontra nas últimas reservas de energia que lhe restam. O mesmo pensamento deve nortear àqueles que buscam a ressurreição no dia da volta de Jesus a esta terra. O treinamento e a superação dos que abraçam a verdade revelada por Cristo ocorre até o momento de nosso último suspiro, e se alguma provação lhe parecer impossível, a fé se apresenta como a reserva a ser usada. Assim como no esporte de competição, também a palavra de Deus nos ensina a observarmos estas fases.

O treinamento se dá pela leitura diária da palavra, pela oração intercessora, pelo evangelismo, pela adoração a Deus, pela comunhão entre os irmãos de fé, e nos instantes em que estendemos às mãos ao necessitado, alimentando assim nosso espírito para que no momento da superação, estejamos preparados. E esta, mesmo sendo incompreensível aos olhos do mundo, certamente é a fase que nos conduzirá à vitória. Pela superação podemos esperar, por exemplo, momentos de perdão em que pareça ser insano ter que concedê-lo, abrir mão de hábitos tidos por ingênuos, ou ainda, aceitarmos por amor a Cristo, a possível exclusão do seio familiar ou social.

…, por um pouco de tempo devam ser entristecidos por todo tipo de provação. Assim acontece para que fique comprovado que a fé que vocês têm, muito mais valiosa do que o ouro que perece, mesmo que refinado pelo fogo, é genuína e resultará em louvor, glória e honra, quando Jesus Cristo for revelado. (1 Pedro 1:6-7)

Por mais que pareçam rigorosos todo este treinamento e superação apresentados pela palavra de Deus, contamos com a presença do Espírito Santo, e assim como Gabrielle Andersen foi amparada por três pessoas na chegada da maratona das Olimpíadas de Los Angeles, nós estamos sendo esperados no momento da ressurreição pelo Pai, pelo Filho Jesus e pelo Espírito Santo, tendo a nossa volta não uma multidão de homens e mulheres movidos pela compaixão de nosso esforço, mas por milhares de anjos celestiais que entoarão cantos de louvor a Deus, fazendo com que o mundo inteiro ouça que a obra de redenção se completou.

Que tua semana seja de vitórias aos olhos de Deus!

Sadi – Um Peregrino na Palavra

 

28
jul

# Qualificações

Começaram as competições olímpicas, contudo delas não participará uma atleta vitoriosa, qualificada assim ao menos aos olhos de Deus. Mediante um testemunho de fé e obediência cristã mais uma vez o mundo esportivo foi levado à reflexão. Não faço concessões, foi o que declarou a atleta costa-riquenha, Tracy Joseph, quando perguntada se estaria arrependida por sua decisão.

A atleta deveria participar da prova dos 200 metros no Gran-Prix Sul-Americano que ocorreria na Colômbia. Nesta ocasião ela visava baixar seu tempo em 48 centésimos de segundo, a fim de se classificar para as Olimpíadas de Londres. A prova que estava marcada para acontecer no domingo, para a sua surpresa foi transferida para o sábado. “Não é a primeira vez que tive que abrir mão de participar de uma prova pelo mesmo motivo, no entanto por chegar até aqui, sou a prova de que o Senhor tem preparado coisas melhores para mim”, finalizou Tracy.

Parece-nos certo que ela esteja se tornando apta para a maior competição de sua vida. A busca da salvação – alvo a ser atingido “a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus” (Filipenses 3: 10-14), mediante a obediência ao mandamento e a fé no Messias, foi o tema central do texto da semana passada, entretanto será por meio de duas publicações lançadas nesta página, intituladas Estações e Coração de Pedra, respectivamente, que volto a atenção do texto que hoje apresento.

Meu relógio é um eloquente acusador de minha dolorosa temporalidade”, com esta frase o escritor adventista, Marco Aurélio Brasil, nos remete à lembrança de que o tempo de escolhas é agora, e o que ficou para trás está consumado, trazendo-nos à consciência de que haverá um momento específico em que o SENHOR dará um basta ao pecado. Nesse instante, diz o autor, por conta de nossas decisões estaremos salvos ou irremediavelmente perdidos.

Na mesma linha de pensamento, e por que não dizer exortação, aviso, lembrança, o autor adventista Gelson de Almeida Jr. também nos presenteia com seu texto – Coração de Pedra – que tem no tema central – O Amor – a característica essencial que, se presente em nós nos classifica para o lugar da salvação, caso contrário nos leva à desclassificação da prova, entregando-nos à derrota eterna.

A dificuldade em tornarmos em ação as palavras com que reconhecemos a essência do Pai, diz o autor, faz de nós cristãos pouco ou nada dedicados ao amor de Deus. O resultado disso? Egoísmo, egocentrismo, afirma Gelson. É a atitude característica deste mundo. Poderia ter sido a de Tracy Joseph, mas o amor desta atleta pelo Pai a faz superar mais do que as marcas de tempo. Com ele mostra-se qualificada para a competição a ser enfrentada todos os dias, buscando vencer o pecado, isentando-se das glórias do mundo.

A linha de chegada se encontra no dia da volta de Jesus, ocasião em que será avaliada a vitória de cada um de nós. A salvação será o lugar mais alto do pódio. O treinador essencial para esta vitória atende pelo nome de Jesus, o Messias, a quem não se pode nem em pensamento abrir mão de Sua técnica vitoriosa. Ele venceu o mundo, não pelo poder de Deus que sempre foi, mas pelo poder de Deus que buscou se revestir enquanto homem, a superar os limites que transcendem àqueles impostos pelo mundo. Assim qualificou-se para o melhor que há na eternidade dos tempos.

Shabbat Shalom!

Sadi – Um Peregrino na Palavra

 

 

22
jul

# Em Busca da Vitória

O apóstolo Paulo ao escrever a primeira carta aos cristãos na cidade de Corínto, na Grécia, em determinado momento usou de um costume do país para fazer uma analogia e lhes ensinar sobre a seriedade dos ensinamentos de Cristo. Para explicar o que significava a busca focada no prêmio da salvação eterna, comparou esta dedicação aos esforços empreendidos pelos atletas dos antigos jogos olímpicos, onde estes buscavam tão somente uma coroa perecível, ainda que mediante rigoroso treinamento.

Segundo Paulo, o cristão precisa escravizar o corpo e seus desejos nocivos incentivados pelo mundo, a fim de que isto também lhe sirva como resultado de aprovação diante de Deus. (1 Coríntios 9:24-27). Dentro de poucos dias, precisamente dia 27 de Julho inicia a trigésima edição dos Jogos Olímpicos da Era Moderna. Atletas de diversas modalidades, preparados à exaustão, competem pela vitória.

À época dos Jogos Olímpicos da Antiguidade, que tiveram início na Grécia no ano de 776 a.C., os vencedores, ao final dos cinco dias de competição, seguiam em procissão até o templo de Zeus para adorá-lo, e ali recebiam cada qual uma coroa de louro. Depois disto retornavam as suas cidades aonde eram homenageados, recebendo alimentação gratuita, estátuas em sua honra, além de seus nomes serem cantados pelos poetas locais.

As olimpíadas antigas tinham em si grande importância religiosa, pois emparelhavam os eventos esportivos aos rituais de sacrifício em honra a Zeus e a Pélope, este um rei mítico de Olímpia, na Grécia. A data da última apresentação ocorreu por volta de 393 d.C., quando o imperador Teodósio I decidiu eliminar todas as práticas e cultos pagãos, dentre eles os jogos olímpicos. Em que pese as olimpíadas modernas não terem associação explicitamente direta com as cerimônias pagãs, elas mantêm alguns rituais que remontam à antiguidade, dentre eles o acendimento da tocha que é feito por uma esportista que representa a antiga sacerdotisa daqueles ritos.

Todos sabem que o exercício físico moderado é de ótimo proveito, pois além de eliminar o stress e as toxinas advindos da vida moderna, também dá ao corpo o fortalecimento que precisa para continuar a ter um bom desempenho mesmo com o envelhecimento. A doutrina de saúde ensinada pela igreja adventista, e que encontra suas bases no antigo testamento, tem suas benesses e disto ninguém duvida. Contudo, algo que precisamos aprender e que se pode atribuir essencial importância à vida cristã, é encontrado em outra carta de Paulo: “Exercita-te no amor. Se o exercício corporal traz algum pequeno proveito, o amor, este sim, é útil para tudo, porque tem a promessa da vida presente e da futura”. (1 Timóteo 4:8).

Os ideais expressos no juramento olímpico afirmam que a coisa mais importante nos jogos não é vencer, mas participar, assim como a coisa mais importante na vida não é o triunfo, pois o essencial não é ter vencido, mas lutado. No que concerne a uma regra de esporte ou mesmo de vida, tais ideais se adequam perfeitamente, mas lembrem-se sempre das palavras de Paulo quando o alvo seja a salvação de sua alma, a que também atribuiu analogia às antigas competições, afirmando: “Esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus”. (Filipenses 3: 10-14).

Não se deixe enganar, neste caso é necessário a todos lutar e vencer. Que tua semana seja repleta de vitórias aos olhos de Deus.

Sadi – Um Peregrino na Palavra 

16
jul

# Heróis e Anti-Heróis

 

Nas histórias ficcionais os heróis são aqueles que têm atitudes marcadas pela retidão de caráter, jamais utilizando de meios reprováveis para atingir ao fim que tenha como alvo o bem comum. Os anti-heróis por sua vez são aqueles que buscam o bem comum a qualquer preço, e têm a sua própria noção de justiça. Para estes últimos, temos como exemplos retirados dos quadrinhos, O Justiceiro, Wolverine e Hellboy. O cinema americano por sua vez criou anti-heróis vividos por Sylvester Stallone em Rambo, Jean Reno em O Profissional, Clint Eastwood em O Perseguidor Implacável, entre outros.

O que faz com que os anti-heróis saiam de sua zona de conforto é a proteção aos inocentes e a sede de justiça, diferindo dos heróis apenas no que concerne aos temperos utilizados – a vingança, a artimanha e a violência. Isto nos faz lembrar de James Bond, personagem que tem licença para matar. Cometer atitudes que possam ser tidas como reprováveis é comum para todos eles. Os fins justificam os meios, o que cumpre dizer que agem por sabedoria própria, julgando conforme suas conveniências, razões e padrões pessoais. O pior é que são tomados como modelos a serem seguidos.

Neste último sábado, as palavras do pastor durante o culto na IASD Nova Semente declararam claramente que a atitude de Jesus não condiz com os padrões comportamentais deste mundo. É completamente antagônica a eles. Incompreensível aos olhos do mundo. Ao perdoarmos os que nos ofendem, ao darmos a outra face aos que nos agridem, ao calarmos frente à vontade de julgar ainda que uma atitude reprovável, e ao abençoarmos os desfavorecidos com nosso tempo, nossos bens, nossas orações e nossa vida inteira, tudo pela causa do evangelho, nos tornamos discípulos de Cristo, este que se tornou um modelo sem par na humanidade. E por que não dizer, o único herói verdadeiro aos olhos do Pai.

O apóstolo Pedro no momento da prisão de Jesus, ao desferir a espada contra a orelha do soldado romano agiu como anti-herói, sendo de imediato repreendido pelo Mestre, que ali mesmo curou aquele que o prendia (João 18). Paulo e Silas que permaneceram na cadeia mesmo depois que um terremoto abalou as estruturas do local, possibilitando assim a sua fuga, agiram como heróis ao permanecerem cumprindo a justiça dos homens, esperando a libertação apenas em Deus, o que ocorreu logo em seguida (Atos 16). Também Pedro e outros apóstolos agiram como heróis no momento em que, ao serem libertos da prisão por intervenção de um anjo, obedeceram-no, e ao invés de fugirem com medo dos sacerdotes, foram para o templo a fim de pregar o evangelho da vida (Atos 5).

Que nossa vida seja pela razão da vida de Cristo entre nós, e que o comportamento dele seja o único modelo a espelharmos nossas atitudes, tornando-nos seus imitadores. Os heróis deste mundo são imperfeitos, os anti-heróis são egocêntricos. Que a justiça que te revista venha de Deus. Se para ti, Cristo ainda é um exemplo difícil a ser seguido, ore para que este engano se aperte de tua vida, e revista-se do poder que vem do alto. No mínimo busque imitar as atitudes de Paulo, este que se entregou ao poder de Deus, e nos exortou a sermos seus imitadores, como ele o foi de Cristo. Lembre-se de fazê-lo por amor a Deus, mediante um caráter inabalável. O teu destino será a salvação eterna.

Que tua semana seja repleta de vitórias aos olhos de Deus.

Shalom

Sadi – Um Peregrino na Palavra.