Monthly Archive: dezembro 2016

31
dez

# Amor e interesses

Todos os anos, na época do natal, muito se lê sobre a ocasião ter perdido o seu sentido, pois poucas são as famílias que inclusive se prestam a uma prece em volta da mesa posta, que dirá falarem do que o nascimento de Jesus represente de fato – “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu próprio filho, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. Mas preferiram as tradições sociais e os interesses pessoais.

Neste ano, em especial, li alguns textos que discorrem sobre a forma como nos relacionamos com Deus. Alguns deles me chamaram a atenção ao discorrer sobre a oração. Ela, como sabemos, um veículo de comunicação com o Criador. Perfeito. Contudo, quanto dela se volta a uma conversa tão somente, permitindo-se uma relação que descortina nosso próprio eu interior, onde se ocultam os piores sentimentos, sem que haja pedidos repletos de interesses basicamente humanos?

Quando Paulo escreve aos Filipenses, ele afirma – “Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam, em tudo, conhecidas diante de Deus, pela oração e súplica, com ação de graças”.

Não estarmos inquietos diante do que pedimos a Deus equivale a um estado de segurança, pois a fé é sólida e também a intimidade com Deus, afinal, nosso objetivo não está em nada deste mundo. A oração é acompanhada de ações de graças porque você simplesmente se entrega à providência divina, dando ao Criador a direção de sua própria vida. Se houver resposta diversa ao pedido, por certo que saberá haver aí direção e sabedoria de Deus para a sua vida.  E o amará assim mesmo. Do contrário, alguém suportaria vivenciar o que passou Jó?

Estamos acostumados a sermos supridos em nossos desejos, e muitas vezes até mesmo o amor que afirmamos ter por outras pessoas é contaminado por um senso de egocentrismo. Há quem diga que não raras são as pessoas que ao amarem alguém, estejam na verdade buscando satisfazer suas próprias necessidades emocionais e psicológicas. Muitos relacionamentos amorosos estariam ligados a esse fato, sem nem se darem conta disso. Quem pode arriscar dizer a proporção dessa assertiva?

Quer experimentar o amor sob outro ponto de vista? Por exemplo, quando você dá alguma coisa a alguém, você o faz por amar essa pessoa? Daria assim mesmo, se não a amasse? O relacionamento de amor que recebemos de Deus nos ensina a vivermos da mesma forma em todos os aspectos da vida. O que temos para viver é a atitude que se dispõe a dar, sem esperar qualquer receber, ainda que na relação com Deus aprendemos que Ele espera um mínimo de nós, mesmo que repleto por nossas limitações, por isso amparadas por seu espírito. Por isso a necessidade da entrega completa. Por isso caminharmos rumo à vivência plena do amor de Deus.

Sadi – O Peregrino da Palavra

30
dez

Feliz 2017

Gelson de Almeida Jr.

2016 ainda não acabou e você já recebeu várias de mensagens relacionadas ao ano novo, mas é necessário lembrar que não existe um hiato entre o ano que se encerra e o que inicia, quando um acabar o outro terá começado. Portanto, gaste mais tempo planejando o futuro que pensando no passado, afinal, o caminho será feito pelos seus passos, mas a beleza da caminhada dependerá do que fará ao caminhar e daqueles que caminharem ao seu lado. Alguns serão convidados, outros chegarão sem convite, mas ficarão, com a sua permissão, cuidado, porém com aqueles que, mesmo sem permissão, insistirão em caminhar ao seu lado.

É preciso muita sabedoria para escolher a quem convidar, ou a quem permitir caminhar ao nosso lado, bem como as atitudes que tomaremos ao longo da jornada, sabedoria que nem sempre possuímos, daí a importância de buscar o Pai, a Fonte da Sabedoria, que “(…) está sempre pronto a dar uma farta provisão de sabedoria a todos os que lhe pedem” (Tiago 1:5b BV).

Em seu caminhar, ao invés de valorizar os bens materiais, valorize aqueles que verdadeiramente são importantes para você, afinal, quanto tempo faz que você disse quão importantes são em sua vida? Ao invés de gastar energias se preocupando com o mal que lhe fizeram, e buscar vingança, pense apenas no bem que recebeu. Distribua sorrisos, afagos, abraços e coisas do tipo, torne a jornada dos que estiverem ao seu lado a melhor possível, melhorando a deles melhorará a sua.

Independente de quem escolha, não deixe de lado o Eterno, só Ele o ajudará a escolher correto e caminhar seguro e tranquilo em 2017. Vitórias ou derrotas; alegria ou tristeza, a tônica de sua caminhada em 2017 dependerá de você e das escolhas que fizer.

29
dez

O motivo da festa

Marco Aurélio Brasil

Aquele que dá testemunho destas coisas diz: Certamente, venho sem demora. Amém! Vem, Senhor Jesus! Apocalipse 22:20

Por que se faz festa na virada do ano? Por que tanta pirotecnia, espumantes e toda aquela alegria – que, de tão universal e pujante, soa artificial? É para comemorar que temos mais um ano pela frente? Mais um ano de escândalos nas manchetes de jornal, de assaltos de múltiplas formas, de decepções e frustrações? Estamos comemorando isso? Se for, não contem comigo. Não consigo comemorar mais um ano aqui. Isso me parece motivo para lastimar e não para festejar. Claro, porque eu espero outra realidade, uma realidade definitiva. Uma realidade que meu Deus não poupou tintas para pintar: Eis que o tabernáculo de Deus está com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e Deus mesmo estará com eles. Ele enxugará de seus olhos toda lágrima; e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem lamento, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas (Apocalipse 21:3 e 4).

E, no entanto, essa realidade ainda está no futuro. Alguém poderia dizer que o melhor seria descrer e se entregar à euforia, ainda que artificial e fomentada pelo álcool, mas isso não é alternativa. Não, não é para qualquer um que tenha um dia saboreado o que é a paz que excede todo entendimento e tenha sentido o calor do abraço desse Deus, que prometeu habitar conosco, entre nós.

Assim, não quero comemorar um ano mais nesta realidade. Ela é do jeitinho que nós um dia escolhemos: a Terra treme – geme como quem está pra dar a luz – o câncer grassa irrefreável, as pessoas se enganam, o direito é pervertido e a justiça é retórica; pessoas queridas dizem adeus, situações maravilhosas terminam. Há fomes, guerras e rumores de guerras, refugiados e miseráveis. Foi isso que escolhemos e é a escolha que ratificamos todos os dias quando pedimos que Deus dê um tempo; quando resolvemos que nossa vontade e impulso são mais razoáveis do que Sua Palavra. Mas basta! Quero a realidade que Ele sonhou. Chega de festejar mais um ano por aqui.

Entretanto, se a festa serve para olhar para trás e ver que até aqui nos ajudou o Senhor e que estamos um ano mais próximos daquele dia, me deem um rojão. Minha alegria não será artificial. Que até aquela realidade prometida possamos ratificar a escolha por ela e que Deus nos guarde dos efeitos desta realidade aqui.

28
dez

Pule do tronco

Gelson de Almeida Jr.

Um garoto propôs ao pai uma adivinhação: “Três rãs estavam sentadas num tronco, uma delas decidiu saltar. Quantas rãs ficaram no tronco”? Se fosse você, qual seria sua resposta? O pai, sem pensar muito, respondeu:

– Duas, claro

Sorrindo o garoto disse que ele havia errado, e explicou:

– Não papai, ficaram três. Eu disse que uma delas havia “decidido saltar”, mas não disse que ela havia saltado

Ao longo do ano usei dezenas de ilustrações como base para minhas reflexões nesse blog, porque decidi usar essa como uma das últimas do ano? Pode ser que, ao longo de 2016, você tenha tomado uma série de decisões, mas… Lembra-se daquelas que fez perto da virada ou no início do ano? Quantas saíram do “campo das decisões” para o “campo das ações”? Muitos são mestres em tomar decisões, mas péssimos em colocá-las em prática?

Do seu planejamento no início de 2016 quanto quilos você perdeu? Quanto aumentou sua carga semanal de exercícios físicos? Quantos livros leu? Quanto da Bíblia conseguiu ler? Quanto isso e quanto aquilo?

Não sei quais foram as decisões que você tomou para 2016, mas imagino que algumas tenham ficado para trás. 2016 ainda não acabou, talvez, se você “correr” um pouco, poderá cumprir mais uma meta estabelecida e que tenha ficado para trás, se não conseguir alcançar, pelo menos inicie agora e comece 2017 com “meio caminho andado”.

Pule do tronco e comece a agir, não desanime nem perca tempo, se suas metas forem agradáveis ao Eterno, isto é, de acordo com a Sua vontade, Ele estará com ao seu lado onde quer que for e o ajudará a conseguir seus objetivos (Josué 1:9). Acredite, comece a agir e Ele completará o que faltar.

27
dez

Coisas que o Deuteronômio me diz

Marco Aurélio Brasil

De repente Moisés parece ter sido tomado por uma grande angústia. Ele olhava, de cima de alguma elevação, aquele mar de gente que havia guiado através do deserto por quarenta anos e percebia que muitos ali tocavam a vida como se Deus não existisse. Como se aquela nuvem que lhes fazia sombra de dia e como se aquela coluna de fogo no céu, que os aquecia de noite, não existissem. A angústia certamente provinha do fato de que a incrível experiência que ele havia tido com Deus não era suficiente para salvar qualquer daquelas pessoas; isso dependia de eles aprenderem, como ele havia aprendido a duras penas, a fixar os olhos em Deus e tocar em frente.

O Deuteronômio reúne os últimos discursos de Moisés. É, portanto, seu canto do cisne, seu hino de despedida. Moisés estava às margens de Canaã e no entanto sabia que não tocaria os pés lá. Estava cansado, entrado em anos, e sabia que seu descanso não haveria de ser ali. Ele começa, então, a relembrar aquela nova geração de israelitas do livramento fantástico que Deus obrara nas vidas dos pais deles, tirando-os do Egito. Lembrou-os das vitórias fantásticas que Ele lhes fizera, mas lembrou-os também das derrotas, dos resultados da rebelião e da murmuração.

Ao fim, disse para o povo que amava que estava colocando à frente dele a benção e a maldição, a vida e a morte. Eles deveria escolher e continuar escolhendo todo dia.

Eu amo esses discursos finais do velho líder, provavelmente o maior que tenha existido. Eles me mostram um homem cheio de amor pelo seu povo, esforçando-se até a última gota de sua energia para abrir-lhes os olhos e apontar o caminho que conhecia muito bem.

O Deuteronômio me diz que é importante olhar para trás, lembrar as maravilhas que Deus já fez, jamais olvidar de cada graça Sua. Me diz também que estou às portas da cidade eternal, mas que para me ver lá preciso escolher entre a benção e a maldição cada dia, em cada menor opção que se me apresentar.

“Feliz és tu” – são as últimas palavras que se ouve de Moisés – “ó Israel! Quem é semelhante a ti? Um povo salvo pelo Senhor, o escudo do teu socorro e a espada da tua majestade…” E, ouvindo isso, sinto todo meu futuro iluminar-se.

25
dez

Feliz Natal

Comunicação

LEMBRE-SE!

Mais um Natal. A sensação a cada ano é de que o tempo simplesmente se esvai em meio à loucura dos dias. São metas conquistadas, outros sonhos pela metade, resoluções esquecidas do ano anterior, crises em diversas esferas sociais e pessoais e planos, certamente muitos planos ainda por concluir.

Para os mais otimistas e gratos, o sentimento e capacidade de enxergar alegria nas menores coisas faz com que o ano se encerre em profundo contentamento. Para os pessimistas, ainda é tempo de esperar ver se algo muda com a troca dos dígitos do calendário.

As datas comemorativas assumem cada vez mais um importante papel em nossa cultura. Além do descanso tão aguardado pelo inevitável recesso de alguns, estas pausas cumprem um papel fundamental dentro do ritmo de nossa vida urbana: elas nos fazem lembrar.

Alguns só se lembram daqueles que amam quando há avisos e notificações das redes sociais. Outros reatam a conexão com os pais, apenas no dia em que o calendário exige a memória de honrá-los. Sentimentos são revividos por um casal, apenas quando um dos dois faz questão de recordar e celebrar a data. Com o Natal não é diferente. O propósito principal continua sendo a lembrança.

Lembrança de que tudo que temos e somos é por causa dEle. Lembrança de que em todo o tempo durante este ano que passou, foi a graça inesgotável dEle que conduziu nossa jornada nos menores detalhes. Lembrança das segundas chances, dos milagres diários e invisíveis que agradecemos sem registrar em livro algum. Lembrança de que um dia Ele entrou na história humana e nossa história mudou completamente naquele momento. Lembrança de que em breve, Ele virá outra vez para renovar a história e trará consigo a paz completa e para sempre.

O nome dEle? Emanuel!

Neste natal, lembre-se apenas deste nome e que em 2017 você continuem lembrando, pois será suficiente.

Ele é Deus com você. Feliz Natal.

Felipe Tonasso

Pastor Senior | Nova Semente

24
dez

Compreendendo a razão

Já imaginou o que se passou na mente e no coração de José depois de o anjo tê-lo visitado em sonho e dito a ele que permanecesse com Maria, pois o menino era fruto do Espírito Santo? O que foi ao seu coração naquelas primeiras horas depois que despertou? Nos primeiros dias, quais eram seus sentimentos enquanto se mostrava obediente?

Teria ele compreendido com naturalidade a razão do que estava acontecendo em sua vida? Eram tempos em que se a mulher aparecesse grávida sem ter se juntado ao marido, por certo seria morta. Contudo, porque compreendia que de Sião viria o redentor que retiraria Jacó da impiedade, escolheu lidar com a situação conforme foi instruído.

Maria, por sua vez, vivenciou algo mais extraordinário ainda, mesmo para um judeu naquela época. Esteve face a face com o anjo e sua interação foi o oposto ao que se espera por reação. De imediato ela não fica perturbada pela experiência sobrenatural em si, mas tão somente com as palavras do anjo Gabriel quando este a saúda dizendo que Deus é com ela, chamando-a por bendita entre as mulheres. Relata o evangelho segundo Lucas, que ela ficou pensando no que poderia significar tal saudação. Ato contínuo questionou-o sobre a gravidez, afinal, não havia ainda conhecido seu marido.

Convenhamos, você está preparado, ou no mínimo espera ter um comportamento como esse diante de um anjo?

A ação de ambos se justifica pelo sentido em como aquele povo tinha em sua mente e espírito toda a história bíblica desde Adão, passando por Abraão e chegando a Moisés e profetas subsequentes. Viviam e respiravam a fé em Deus. Aguardavam o cumprimento das profecias, sobretudo a referente ao Messias. Por isso, Maria, ao final da conversa, responde com naturalidade: “Sou serva do Senhor; que aconteça comigo conforme a tua palavra”. Assim também foi com José. Que se fizesse em sua vida conforme a palavra do mensageiro divino.

Fico me perguntando se reagiríamos da mesma forma, mesmo tendo todo o contexto da obra revelado diante de nossos olhos nas páginas da bíblia, coisa que eles não tinham. Por que algumas vezes não compreendemos as respostas às nossas orações? Em especial se vierem em sentido contrário ao que pedimos? José deve ter orado para ter seu próprio filho com Maria. Ela, igualmente. Mas Deus lhes respondeu à oração de outra forma.

Devemos nos lembrar de que Deus colocou o anseio pela eternidade no coração do homem. José e Maria compreendiam a essência dessas palavras de Salomão, afinal, o clamor de Paulo nos dá uma ideia de como se deixavam guiar naqueles tempos – “Ó profundidade da riqueza da sabedoria e do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e inescrutáveis os seus caminhos!”

A eternidade está diante de nós e devemos compreendê-la, nos permitindo transformados e andando pela fé, afinal, aquele subiu aos céus, porque de lá desceu, dele, por ele e para ele são todas as coisas. A ele seja a glória para sempre! Amém.

Sadi – O Peregrino da Palavra

23
dez

Pequena coisas

Gelson de Almeida Jr.

“Uau, que bacana! Como ficou claro! ”, essa foi a frase que falei para mim mesmo quando acendi a luz do banheiro para tomar banho hoje. Após dias tomando banho com a luz do quarto acesa, pois a do banheiro havia queimado, e eu esquecia de comprar uma nova, não me contive de felicidade. Como uma luz acesa no banheiro me trouxe tanta felicidade!

Enquanto tomava banho, veio à minha mente uma citação de Paulo onde ele afirma que sabia o que era passar necessidade e o que era ter tudo, pois aprendera o segredo para viver contente em qualquer circunstância (Filipenses 4:12). Após dias tomando banho na penumbra valorizei muito uma simples lâmpada acesa. Percebi que tenho falhado em valorizar as pequenas coisas do dia a dia, aquelas que realmente tornam o dia melhor,

Qual é sua reação ao acordar, reclamar de ter que levantar para trabalhar ou estudar ou se alegrar por mais esta oportunidade? Ao final do dia, ao invés de se queixar de dores nas pernas e no corpo você já experimentou agradecer o privilégio de ter pernas e corpo saudável para fazer tudo que fez? Por que não trocar a reclamação com o trânsito que está à sua frente pela valorização do “poder enxergar”? Você está no shopping e descobre que não poderá comprar a roupa nova que tanto queria para esse final de ano, não reclame, valorize, você viu coisas e pessoas, sentiu aromas e imaginou sabores, quantos gostariam de estar em seu lugar.

Normalmente só valorizamos algo quando perdemos. Não precisamos de carro do ano, lancha, avião, viagens a lugares paradisíacos ou coisas do tipo para sermos felizes, precisamos apenas de, como as crianças, valorizar as pequenas coisas que a vida nos oferece gratuitamente. Valorize cada momento, cada situação, valorize a vida e seja grato ao Pai por lhe conceder tudo isso e seja feliz.

22
dez

O muro

Marco Aurélio Brasil

Os traços de sua personalidade, tendências herdadas, seus valores e visão de mundo… você não se não espanta que o arranjo fortuito de uns cromossomos na sua gênese e o ambiente em que foi criado tenha tanta influência sobre quem você é? De tanto pirar no assunto, muitos chegam a negar a existência real do livre arbítrio.

Talvez uma das coisas mais desoladoras seja encontrar pessoas cercadas por muros enormes que elas ganharam de presente e de dentro dos quais absolutamente não conseguem sair. Pior ainda quando fazem questão de adicionar mais tijolos a ele. Pessoas que não conseguem se relacionar com outras de forma saudável, crianças eternas aprisionadas na fase mais egoísta do desenvolvimento da personalidade, pessoas vencidas por padrões de comportamento destrutivos que se repetem há gerações, vícios, crime contra outros ou contra si próprios. A tragédia das potencialidades frustradas, que se repete bilhões de vezes em um mundo de trevas.
by Shareamerica

by Shareamerica

Ok, vamos fazer um pequeno exercício de imaginação. Imagine que você seja uma mulher em uma sociedade patriarcal primitiva, que despreza profundamente as mulheres, as humilha e oprime de forma universal. Imagine que as circunstâncias da vida, sua condição social ou as crenças religiosas de seu povo a conduziram à profissão mais antiga do mundo. Você é uma prostituta em um ambiente insalubre, em um universo sem a mínima noção de higiene, sem uma farmacologia avançada e facilmente acessível para curar suas doenças venéreas. Sua casa, onde recebe suas dezenas de clientes diários, fica na porção mais pobre da cidade, encostada no muro. Aquele muro. Aquela prisão. Aquele limite além do qual não lhe é permitido ansiar nada. Que perspectiva de vida você tem? O que você pode esperar da vida?
Raabe não se conformou com aquele muro. Na única oportunidade que teve, se lançou de corpo inteiro, agarrou a tábua de salvação, arriscou a sua própria vida, correu o perigo.
Eu imagino a crise instalada no prostíbulo de Raabe. Os momentos de hesitação, a dúvida.
Raabe não fugiu da crise que precede a queda dos muros. Os muros que pareciam inexpugnáveis, insuperáveis, eternos. Eles ruíram.
Raabe não se conformou com o muro, não se apequenou ante a sua enorme espessura, e viveu a vida.
Agora esqueça as pessoas aprisionadas e pense no muro que o distancia da Vida, aquela, em abundância. Pense na sua personalidade, nos seus padrões de comportamento, no quão livre e bom você acha que consegue ser. Confie em Quem o pode derrubar. Amarre a fita na sua janela.
E espere o grito.01

20
dez

Muito obrigado, Pr. Fabiano

Comunicação

Um dia, pela porta da frente desta igreja, você entrou e talvez sem se dar conta, solidificou em nós, mais ainda, o poder da voz do pastor. Entrando pela porta, edificou-nos quando expressou suas primeiras palavras ao atravessá-la, tornando-as proverbiais entre nós: “Como eu faço para ajudar”. Por esse gesto, também nos ensinou a característica de um servo segundo o coração de Deus.

Ato contínuo juntou-se a nós no discipulado. Ali testemunhamos sua serenidade e humildade. Recebido efetivamente como pastor deste aprisco, sua entrada neste lugar nos foi traduzida como tendo o próprio Deus o conduzido até nós. O seu trabalho nos marcou, sobretudo por seu coração manso, conhecimento profundo das escrituras, gentileza e força, razões que o sustentaram inclusive em meio às tempestades.

Sua chegada a esta igreja, repetimos, pela porta da frente, nos faz recordar a parábola de Cristo, a qual afirma que, quem entra pela porta no aprisco das ovelhas, esse é o pastor. Por essa sua atitude em espírito, as ovelhas ouviram a sua voz, porquanto você nos chamou pelo nome e nos conduziu ao Sumo Pastor. Indo adiante de nós, o seguimos. Estes que hoje o homenageiam, e que se reconhecem igreja de Cristo, jamais o teriam seguido se fosse um estranho, se não identificássemos a voz do pastor que passou pela porta. Muito você fez por nós, alimentando-nos e dando-nos de beber com a Palavra, ensinando-nos que quando aparecer o Sumo Pastor, alcançaremos todos, inclusive você, a incorruptível coroa da glória.

Tornando-se pastor deste rebanho, e fortalecendo-nos pela Palavra, a impressão que chancelou em nossos corações foi a de ter atendido ao chamado de Deus, porquanto alinhado às palavras de Pedro: “Apascentai o rebanho de Deus que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; de ânimo pronto; servindo de exemplo ao rebanho”.Você se tornou um exemplo a ser imitado, tal qual ensinou Paulo ao escrever que nos tornássemos imitadores dele, como ele foi de Cristo.

Feliz do homem que toma para si o mandamento de Cristo a Pedro, e amando-o mais que tudo, obedece-o e sai pelo mundo a apascentar as ovelhas do Sumo Sacerdote. Com alegria e gratidão, lembraremos sempre de você, pois o mais significativo exemplo que nos deixa, foi o fato de ao adentrar a este aprisco, tê-lo feito pela Porta que já havia internalizado em seu próprio coração, posto que a entrada a que se permitiu, não se tratava tão somente da entrada principal da Nova Semente, edificada com pedras, mas quando por ali entrou, o fez pela Porta das ovelhas, que é Cristo, e obediente como convém a um servo do Altíssimo, nos pastoreou com doçura.

Agora, obediente, ouve o novo chamado e segue. Que o Porteiro sempre dê passagem a você pela Porta das ovelhas. A Nova Semente jamais o esquecerá, e este rebanho, profundamente grato e edificado, sempre lembrará de sua voz, nosso pastor.

Muito obrigado. Deus o abençoe com abundância de graça e sabedoria.

Comunidade Nova Semente

(by Sady Folk)

 

1 2 3