Monthly Archive: julho 2015

31
jul

# Perfeitos como Ele!

Perfeitos como Ele!Há uma passagem no evangelho de Lucas que afirma que o discípulo não é superior a seu mestre, mas que todo aquele que for perfeito, será como o seu mestre. Esta é uma mensagem maravilhosa, pois nos enche de esperança para seguirmos rumo à transformação proposta pelo evangelho, sobretudo porque está alinhada à vontade do Eterno, bendito seja o Seu nome.

Quando li este verso, pensei logo em todo o tipo de discípulo, especialmente nos que tendem a buscar o conhecimento que é capaz de transformar a si e ao mundo à sua volta em um lugar melhor, em algo que ofereça respostas positivas mesmo diante de diversidades.

Ao tomarmos o exemplo de um esportista, pensemos em alguém nas artes orientais. Seu mestre normalmente será um homem bem preparado, conhecedor de todas as técnicas. Um discípulo pode pensar nas vantagens em se tornar alguém com a autoestima mais elevada, contudo, se não agir com sabedoria, esse caminho de bem pode se transformar em arrogância, distorcendo todo o propósito do aprendizado, envergonhando a seu mestre.

Assim é com um discípulo que atende ao chamado do Eterno, e que por meio do modelo de Cristo se entrega à transformação de sua vida, beneficiando-se ainda nesta vida, contudo, que ele se atente às ações que o permitam estar entre os escolhidos para ingressarem ao reino, pois, se por ventura agir com indiferença a tudo o que se relacione ao amor de Deus, certamente ouvirá o Mestre lhe dizer naquela hora: Não os conheço.

O verdadeiro campeão, o melhor lutador será aquele capaz de desligar-se de suas paixões, ao mesmo tempo em que se concentra na força que está dentro de si, esta que é fruto da sabedoria entregue pelas sementes ao longo de todo o treinamento que teve.

Assim também é com o verdadeiro discípulo. Ele se concentra nos mandamentos e mantém a fé no Messias, mediante a sabedoria colhida das sementes plantadas pelo Mestre; por exemplo, ao nos atentarmos a ouvir a voz do Espírito Santo que um dia, assim tenha sido, permitimos ter feito morada em nosso interior.

O Mestre, sabemos, agia com uma simplicidade fora do comum, sem os arroubos dos que precisam se mostrar, e ainda assim sua sabedoria era sobrenatural; portanto, assim como ele permitiu que o Pai fosse exaltado por meio de suas ações, o segredo é sermos um com o Pai como ele foi; logo, que possamos nos diminuirmos, no sentido em que o seu ensinamento, este sim, é que se aperfeiçoe em nós.

Que esta sexta-feira seja um dia propício para esta meditação. O por do sol estará às portas em algumas horas, momento em que podemos vivenciar a excelência do descanso, qual seja, estarmos por completo diante do Eterno, bendito seja o Seu nome, em busca das colunas que sustentam a perfeição pela qual se apresenta nosso Mestre, a quem seguimos para sermos perfeitos.

O peregrino da palavra.

30
jul

Faça valer a pena

Marco Aurélio Brasil

Quando aquela mãe vê a viatura parando à porta de sua casa, já sabe que boa notícia não é. A cena é clássica, ela perde o equilíbrio e cai sentada na varanda. Mas ela nem imagina o quanto a notícia é ruim: não um, mas três de seus filhos estavam mortos. Três dos quatro, e o único sobrevivente está perdido em algum rincão da Europa em chamas. Compadecido da situação daquela mãe, o alto comando militar americano da II Guerra Mundial decide destacar um pequeno grupo de bons soldados para resgatar aquele último filho e trazê-lo em segurança a sua casa e assim minorar a dor daquela mãe.

Trata-se do roteiro de O resgate do soldado Ryan, filme de Steven Spielberg. Aqueles talentosos soldados começam uma longa e tortuosa jornada a pé pela França, correndo mil perigos até finalmente encontrarem o Ryan caçula guardando, com mais um punhado de homens, uma ponte que os alemães pretendiam destruir. Quando eles se
identificam e dizem que o estão conduzindo de volta para casa, Ryan diz que simplesmente não pode ir embora e deixar seus colegas sozinhos. saving-private-ryan

O dilema para aqueles soldados que passaram o tempo todo se perguntando se valia a pena jogar um grupo de ótimos combatentes na frigideira para salvar só um era: proteger a tal ponte era uma missão suicida. Os alemães estavam chegando com tanques e força infinitamente superior. Deixar Ryan ali seria condenar o último dos filhos daquela mãe agoniada e falhar em sua missão. Eles então decidem ajudar como podem e conseguem atrasar ao máximo o avanço do inimigo até que o reforço aéreo dos aliados chegue, mas o custo disso foi a vida de praticamente todo o grupo de resgate. Ao menos Ryan está vivo.

Antes de morrer, o líder do grupo pede a Ryan que viva uma vida digna de tal sacrifício. Que faça aquelas vidas valerem a pena. O filme acaba com Ryan velho chegando ao túmulo daquele soldado, cercado de esposa e filhos, e perguntando emocionado para eles: “eu fui um bom homem? Eu vali a pena?”

Ele tinha a consciência de que um tamanho sacrifício deveria condicionar sua vida inteira e estava completamente certo. Grandes sacrifícios deveriam redundar em algo que permitisse dizer que eles não foram em vão.

Se isso é válido para o sacrifício de vidas humanas, que dizer de algo muito mais precioso que isso? E, se é assim, por que você e eu vivemos como se o maior de todos os sacrifícios não tivesse sido feito por nós?

29
jul

Deus existe

Gelson de Almeida Jr.

16 de julho de 2015, jamais esquecerei essa data, dia de muita dor e sofrimento pela partida de minha mãe. Ainda não consigo me acostumar à ideia de que ela não retornará mais para casa, que não mais verei ou beijarei o seu rosto, comerei de sua comida ou conversarei com ela. Nosso culto para receber o sábado nunca mais será o mesmo, sua voz entoando hinos e mais hinos não será mais ouvida, a morte levou um dos meus mais preciosos bens. Quase duas semanas de muita tristeza, dor e uma saudade que insiste em ficar e aumentar, o que fazer, como lidar com tudo isso? É difícil dizer o que é maior, se as lembranças ou a saudade.

Horas após perder seu filho, o pai do cantor Cristiano Araújo, perguntou a um repórter: “Me diz (sic), Deus existe?”. Era a pergunta de um coração partido, de um ser angustiado. Hoje, menos de duas semanas após perder minha mãe, respondo essa pergunta com toda a convicção: DEUS EXISTE. Se Ele não existisse não sei o que seria de mim com toda a dor e sofrimento que senti e ainda sinto. Só Ele para diminuir a dor e restaurar minha vontade de viver. Muito me confortaram as palavras abaixo do hino “Deus cuidará de ti” (composto em 1904 pelo casal Walter e Civilla Martin)

Aflito e triste coração, Deus cuidará de ti;                                                                                                                                     Por ti opera a Sua mão; Deus cuidará de ti.

           Deus cuidará de ti, Em cada dia proverá                                                                                                                                          Sim cuidará de ti; Deus cuidará de Ti.

Na dor cruel, na provação, Deus cuidará de ti;                                                                                                                     Socorro dá e proteção; Deus cuidará de ti.

Em pensamento ainda ouço minha mãe cantando esse hino, mas o Deus de quem ele fala é quem tem me confortado e amparado diariamente, é nEle que confio e nEle que espero.

Se, como eu, você está passando pelo vale da sombra da morte, se sente que a dor e a angústia atingiram o clímax em sua vida, se olha para os lados e não encontra solução ou alívio, não se desespere, olhe para cima, o nosso refúgio e fortaleza, o socorro bem presente na angústia (Salmo 46:1) está lá, de braços abertos nos esperando. Não importa a escuridão da noite, o sol voltará a brilhar. Não existe dor, não existe sofrimento, não existe tristeza que Ele não possa curar.

28
jul

Centrífuga

Marco Aurélio Brasil

Hoje vou convidar você a repensar uns conceitos já bem enraizados.

Se você é cristão, decerto está familiarizado com textos da Bíblia como “Eu afirmo a vocês que isto é verdade: se um grão de trigo não for jogado na terra e não morrer, ele continuará a ser apenas um grão. Mas, se morrer, dará muito trigo. Quem ama a sua vida não terá a vida verdadeira; mas quem não se apega à sua vida, neste mundo, ganhará para sempre a vida verdadeira” (João 12:24 e 25). Ou “para Deus, o Pai, a religião pura e verdadeira é esta: ajudar os órfãos e as viúvas nas suas aflições e não se manchar com as coisas más deste mundo” (Tiago 1:27), ou “porém vocês, irmãos, foram chamados para serem livres. Mas não deixem que essa liberdade se torne uma desculpa para permitir que a natureza humana domine vocês. Pelo contrário, que o amor faça com que vocês sirvam uns aos outros” (Gálatas 5:13).

São exemplos pinçados a esmo, mas nos quais se pode ver um certo padrão, concorda? Uma dinâmica centrífuga (do centro pra fora, sendo que o centro, no caso, sou eu, é você). Jesus convida a vir e morrer, Tiago pergunta de que serve a religião se as viúvas e os órfãos continuam na miséria e Paulo argumenta que nossa liberdade, temperada com amor, nos lança ao serviço de outros.

A provocação que trago para você hoje tem a ver com a visão que você faz das coisas boas que Deus colocou no seu caminho. Bíblia, igreja, sábado. Esse tipo de coisas. Por que você gosta dessas coisas?

As respostas mais comuns têm sido: gosto da Bíblia porque ela me ajuda a aproximar de Deus e me dá paz. Gosto da igreja porque nela eu aprendo sobre Deus. Gosto do sábado porque ele recarrega minhas baterias espirituais.

Notou quantas vezes as palavras “me”, “meu” e “eu” aparecem nesse parágrafo?

Continuamos os pecadores renitentes de sempre a despeito dessas coisas fantásticas que Deus nos deu. Continuamos perseguindo a dinâmica centrípeta, que atrai tudo para o centro. Temos uma visão utilitária egoísta das ferramentas que Deus nos emprestou para nos habilitar a servir, a amar, a morrer.

Repense a forma como você se relaciona com esses presentes do Pai. Você pode colocar nesse bolo outros tantos elementos: música, livros, paisagens maravilhosas, amizades fantásticas, casamento, filhos, etc.
Como cada uma dessas coisas o torna um servidor melhor?

Como você pode participar dessas coisas todas para dar do muito que recebeu, e não para armazenar mais?

Como, filho de Deus, você pode cumprir o propósito alto que Ele traçou pra você?

27
jul

Sim, sem dúvida.

Adriano Vargas

Isso é bom e agradável perante Deus, nosso Salvador, que deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade.”‭‭1 Timóteo‬ ‭2:3-4‬ ‭NVI‬‬

Às vezes as pessoas me perguntam: “Você acha que Deus ouviria a oração de uma pessoa má ainda que ela clamasse nos últimos momentos de sua vida –mesmo que tivesse feito coisas horríveis? Deus perdoaria uma pessoa como eu que joguei toda minha vida fora e agora no fim dela o procuro?

E minha resposta sempre é –  Sim, sem dúvida.

Às vezes alguns de nossos amados morrem sem sequer nunca ter gritado em alto e bom som que aceitavam Jesus no auditório de uma igreja. E pode ser que concluamos que eles estarão foram do céu. Mas nós não sabemos. Você estava com seus amados nos últimos momentos de suas vidas? Onde você estava quando eles deram o último suspiro? Como você pode saber se eles não clamaram a Jesus como o ladrão na cruz?

Aqui está o que realmente sabemos… Deus os amou e queria que fossem salvos. 1 Timóteo 2:4 diz que, Deus “quer que todos sejam salvos e venham a conhecer a verdade..

Quando Judas chegou no Jardim do Getsêmani para trair Jesus, Jesus o disse: “Amigo, o que você vai fazer faça agora.” (Mateus 26:50). Jesus estava dando a Judas a última chance de se arrepender. E acredito que se Judas tivesse parado e dito: “Senhor, eu errei. Eu não sei o que eu estava pensando. Me perdoa,” então Jesus o teria perdoado. 

Por que? Porque Deus diz, “Eu, o SENHOR Deus, não me alegro com a morte de um pecador. Eu gostaria que ele parasse de fazer o mal e vivesse. Povo de Israel, pare de fazer o mal” (Ezequiel 33:11). Sim, sem dúvida Jesus amou Judas até o fim. Ele era Seu amigo. Mas Seu amigo O traiu, e isto partiu Seu coração.

Não quero dar uma falsa segurança e sugerir que todos estarão no céu, porque eles não estarão ou ainda que tudo e todos são perdoados por atacado, simples assim. Mas estou dizendo que se clamarmos ao Senhor nos últimos momentos de nossas vidas, Ele nos perdoará e nos absolverá  e nos salvará.

26
jul

# Seja um vencedor

coroaO que faz com que um vencedor se destaque? E um profissional que alcança méritos enquanto muitos passam a vida inteira e não chegam nem perto de alcança-los? A resposta é empenho, foco e, sobretudo conhecimento.

Conhecer o seu objetivo é o início que lhe garante a clareza de onde quer chegar. Empenhar-se em realizar tudo o que estiver ao seu alcance, superando limites, é sua obrigação para um resultado de excelência. Estar focado, compreendendo que deve se observar constantemente para não se desviar de seu objetivo é outra estratégia que te levará à conquista.

Isso tudo nada mais é do que concentração, superação e transformação. No entanto, pergunto: e quando o seu objetivo for a possibilidade de ver a transformação de seu corpo corruptível em incorruptível, alcançando a vitória de todas as vitórias, qual seja, a vida eterna?

Também o empenho, o foco e o conhecimento são respostas para esse caminho, pois é por esses requisitos que nos alinhamos a guardarmos os mandamentos de Deus. Contudo, não é o bastante, pois há de se ter, sobretudo a fé em Jesus, pois seu sacrifício é o que chancela a nossa qualificação quando o aceitamos inteiramente.

Só assim se alcança a vitória espiritual que Deus preparou para vivermos. Não o é por méritos próprios, todavia, necessita que haja um posicionamento pessoal para superar o velho homem que fomos.

Por detrás de um vencedor há muita luta, muita superação, horas de treino, de estudo, de concentração e de dores, sobretudo. Por dentro de um campeão da fé há uma transformação sem igual. Há muita meditação nas escrituras. Há aplicação obediente e sem questionamentos de tudo o que dizem os mandamentos. Há foco em Deus por meio de Cristo. Há que se ter momentos de paz para ouvir o que diz o Espírito.

Por detrás de um campeão da fé, há também muitas quedas, contudo, como convém a um campeão, há sempre um levantar. E, como afirmou Pedro em sua carta, quem vence o mundo é aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus. Há muito conhecimento nesta simples afirmação. Procure saber por quê.

Se seu desejo é alcançar essa vitória, e espero que esteja disposto por ela, pois valerá a pena ter vivido, entre as muitas promessas a esse respeito relatadas pelas escrituras, a esta ressalto para seu incentivo: Assim diz o Filho de Deus: “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no meio do paraíso de Deus”.

Sadi – Um Peregrino da Palavra

1 2 3