Monthly Archive: janeiro 2014

31
jan

Olá Comunidade Nova Semente, o fim de semana chegou!

Comunicação

Como o título sugere esta é uma boa notícia. Passar um semana inteira no ambiente urbano dessa cidade maluca é sempre uma aventura, tenho certeza que você vai concordar conosco. Ao olhar pra trás a semana certamente provou isso. Mas amanhã estaremos juntos na Nova Semente. E teremos grandes atrações…

A começar pela programação Comunidade, em dois horários, às 9h ou 11h15. Lembramos que estamos com alta ocupação no segundo horário e você poderá encontrar problemas para se acomodar, o que não acontece no primeiro horário.

Amanhã, continuaremos com a sensacional série, “Desafios de Deus”. Pr. Danny Bravo apresenta o sexto tema da série com o título, “Cure-se da solidão”.

.

E tem mais… À tarde, no programa Viva – Uma Experiência Real, em dois horários, às 17h ou 19h, continuaremos com “O Melhor Caminho”. Pr. Kleber apresentará o segundo tema da nova série de mensagens do programa. Escolha um dos horários e esteja conosco.

.

Clique aqui e assista o vídeo promo da série “O Melhor Caminho”

Até lá!

.

31
jan

O objetivo não é o Céu

admin

Em quase todas as religiões, denominações e filosofias (sejam elas cristãs ou não) existe o pensamento comum de que temos um objetivo a atingir. Seja um Céu, um estado elevado de espírito ou uma boa reencarnação. E, para isso, se ensina que temos que nos esforçar para ser bom, ajudar o próximo, tomar cuidado com o que fala, etc.  Mas o que Jesus realmente ensinou sobre nossa caminhada aqui na Terra? Todas as Palavras e mandamentos que Ele nos deixou só servem para nos ajudar a receber algum tipo de recompensa?

A Bíblia fala de um porvir melhor. O próprio Jesus disse uma vez: “Na casa de meu Pai há muitos aposentos; se não fosse assim, eu lhes teria dito. Vou preparar-lhes lugar” [João 14:2]. Em Apocalipse 21:10-27 encontramos o relato de como é a Nova Jerusalém e vemos o quão incrível ela é. Ellen White, escritora norte americana do século XIX que recebia mensagens de Deus, teve o privilégio de conhecer este Céu e, quando ela voltou de sua visão, ela escreveu: “Oh! quão escuro pareceu-me este mundo! Chorei quando me encontrei aqui, e senti saudades. Eu tinha visto um mundo melhor, e o atual perdeu o seu valor.” [Visões do Céu, pág. 7, Casa Publicadora Brasileira]. Não há dúvida de que o que nos aguarda é algo realmente grandioso e maravilho.

Mas Jesus, ao vir a este planeta, nos ensinou algo mais profundo do que um mero conquistar o Céu. Temos que ter a esperança de herdar o Céu, mas não podemos focar somente nele e menosprezar o nosso tempo presente nesta Terra como se fosse de pouco ou nenhum valor. O objetivo do cristão deve ser o próprio Cristo e Este já está ao lado dos Seus seguidores [Mateus 28:20]. Aquele que segue a Jesus obedece Suas palavras não para merecer algo melhor, mar porque O ama [João 14:15]. Aquele que segue a Jesus ajuda o próximo não para receber algo em troca, mas porque o Seu mestre disse que este era o grande mandamento [Mateus 22:39]. O Céu, na verdade, começa no momento em que aceitamos a Cristo em nossas vidas e, como resposta ao amor dEle por nós, passamos a seguir seus mandamentos. Claro que este momento que estamos passando ainda não é o ideal, mas chegará o dia em que, finalmente, veremos o nosso Mestre face a face em um lugar onde não existirá mais dor e nem choro [Apocalipse 21:4]. Enquanto este dia não chega, vamos viver o Céu (que é o próprio Jesus) aqui na Terra e mostrá-Lo às pessoas a nossa volta.

Que Deus nos ajude a ter esta consciência mais profunda sobre os mandamentos de Cristo e que possamos segui-los não para receber uma recompensa, mas como uma resposta ao amor dEle por nós.

 

30
jan

Contra-amor

Marco Aurélio Brasil

Aquilo que se costuma chamar amor é muitas vezes seu perfeito avesso. Chama-se de amor aquilo que se sente por alguém que supre alguma necessidade sua. Alguém que lhe confere algum bônus. E, quando o bônus cessa, “o amor morreu”. Passa-se a outro. Amor não passa da satisfação de uma carência própria.

C.S.Lewis desmistifica a confusão entre paixão e amor assim: “A ideia de que ‘estar enamorado’ é o único motivo válido para permanecer casado é totalmente contrária à ideia do matrimônio como um contrato ou mesmo como uma promessa. Se tudo se resume ao amor, o ato da promessa nada lhe acrescenta: e, assim, nem deveria ser feito. Uma coisa curiosa é que os próprios amantes, enquanto permanecem apaixonados, sabem disso muito mais do que os que só falam de amor. Como observou Chesterton, os apaixonados têm a tendência natural de fazer promessas um ao outro. As canções de amor do mundo inteiro estão repletas de juras de fidelidade eterna. A lei cristã não exige apenas que os amantes levem a sério algo que a própria paixão os impele a fazer” (Cristianismo puro e simples, p. 141).

Porque amor é antes dar do que receber. Assim, o amor pode ser alimentado. E atinge a perenidade quando duas pessoas se fazem uma, num sistema cujo amor está constantemente se retro alimentando. É isso o que significa “e foram felizes para sempre”. Não é estar apaixonado para sempre.

29
jan

Qual é o lugar dele?

Gelson de Almeida Jr.

 “Jonas quis fugir de Deus, não queria ir pregar, foi a um navio bem grandão e ali ele foi cochilar.

Veio a tempestade atroz, todos iam naufragar, mas os homens do navio então, jogaram a Jonas no mar.

Foi, foi descendo, dentro de um peixão, até que se lembrou de Deus e fez uma oração”.

Quando era pequeno cantava essa canção com minha mãe. Jonas ficou conhecido como o “profeta fujão”,  pois recebeu uma incumbência do Eterno e teve medo. Ao invés de obedecer à ordem, tentou fugir.  A narrativa, no livro que leva o seu nome, mostra que do navio ele foi para o mar, do mar para a barriga do peixe e com o peixe para o fundo do mar. Após três dias no ventre do peixe orou ao Eterno, que o libertou de sua triste situação. Jonas somente buscou o Eterno quando as coisas haviam chegado num ponto onde não havia mais o que fazer ou a quem recorrer.

C. S. Lewis afirma que “Quando a última coisa que você tiver for Deus, você vai descobrir que Ele era a única coisa que você precisava ter.” Jonas tentou fazer as coisas do seu jeito, mas se deu muito mal. Três dias no ventre do peixe fizeram-no refletir e se voltar para Aquele, o Único, que poderia resolver seu problema. Como Jonas, muitos agem de forma contrária aos desígnios do Eterno ou não o consultam antes de algumas decisões. Resultado, perdem o rumo, acabam se dando mal e veem a vida virar de pernas para o ar, somente neste instante é que se lembram do Eterno.

Ainda bem que Ele nos ouve e, sempre que possível, atende nossos pedidos. Como assim, Ele não atende todos os pedidos? Infelizmente não, às vezes, levamos as coisas a um tal ponto onde Ele não pode mais agir como gostaria. Cristo afirma que todas as coisas serão acrescentadas ao que o colocam em primeiro lugar em sua vida (Mateus 6:33). Se você tem problemas, está em crise ou em desespero, busque o Pai; caso contrário, busque-O da mesma forma. Dê-lhe o primeiro lugar em sua vida e o melhor lhe será concedido.

28
jan

O que é o amor?

Marco Aurélio Brasil

Há muitas respostas possíveis para a pergunta: o que é o amor? Uma delas é: o amor é um mandamento.

Mas como!!? dirão levando as mãos à cabeça os que aprenderam tudo o que sabem sobre o amor com as novelas. Nas novelas há sempre alguém que simplesmente não consegue resistir à paixão e nunca, jamais, será feliz se não seguir o que o seu coração, aquele pequeno tirano, manda fazer. E aí, por se confundir paixão com aquilo que ela um dia pode vir a ser, amor, tende-se a ter a impressão de que o amor é algo completamente alheio a nossa esfera de controle. É meio que um vírus que você contrai no ar, dentro do ônibus ou na academia.

Mas é um mandamento. Deus o ordena. Jesus o confirma. Um belo dia um expert na lei aproximou-se de Jesus perguntando o que precisava fazer para herdar a vida eterna. O que a lei diz? foi a resposta-pergunta de Jesus. “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo” (Lucas 10:27), ao que Je
 sus tornou: “Respondeste bem; faze isso e viverás”.
 Assim, o amor pode ser exercitado, passa pelo centro decisório do cérebro do amante. Ele decide amar. Ele decide obedecer e amar. Ele decide passar a agir como quem ama. E ele então ama. Ele transforma qualquer sentimento anterior que pudesse ter em amor.
Mais do que simplesmente refletir que o amor é uma decisão, essa passagem diz que o amor deve ser praticado com o coração (ok, normal), com toda a alma (opa, ficamos um pouco metafísicos aqui!), com todas as forças (então o amor requer mais do que a confluência de uns hormônios dentro de mim, ele requer ação, ação esforçada) e com todo o entendimento (o que justifica este texto: entender o amor cada vez melhor é parte desse mandamento).
Estou falando de Deus e estou falando do próximo abstratamente, mas estou falando primeiramente do próximo mais próximo que há: seu cônjuge. O amor por ele ou por ela requer forças. Requer razão. Requer paixão. Paulo, em Efésios 5:25, afirma com todas as letras: “E vocês, maridos, mostrem pelas suas esposas o mesmo tipo de amor [ágape] que Cristo mostrou pela igreja quando se entregou por ela…” Requer esforço. Requer razão. Requer reflexão. Requer paixão. E é um mandamento.

27
jan

E desejo de sempre aparecer

Adriano Vargas

20140115-175233.jpg

Um dos meus maiores sonhos e ter um cachorro, desses grandes…esses que sempre querem ser notados, que sempre querem brincar, até parecem a gente, né!

Já aconteceu de ninguém notar sua presença? Claro, usar roupas novas ou passear num belo carro podem ajudar para sermos notados, mas isso dura apenas um tempo. No entanto, se você deseja uma mudança permanente, devemos aprender a nos ver como aquele que nos criou nos vê.

Segundo as Escrituras, o Eterno “Ele me vestiu com a roupa da salvação e me cobriu com a vestimenta da justiça, como o noivo que põe um smoking ou a noiva que usa uma tiara de diamantes.”Isaías 61:10

Se você já teve problemas de auto estima, sabe muito bem o que é isso – não ser notado. Se isso acontecer de novo, lembre-se do valor que você tem. “A vida de vocês é uma jornada que deve ser empreendida com uma profunda consciência de Deus. Custou muito caro para Deus tirá- los daquela vida sem rumo e vazia em que vocês foram criados. Ele pagou com o sangue sagrado de Cristo, vocês sabem disso. Ele morreu como um cordeiro, sem culpa. E não foi algo impensado.” 1 Pedro 1:18-19

O desafio é não se esquecer disso e meditar a respeito, permitindo que o amor de Deus mude o modo com você se vê.

Você tem tanto valor para Deus que ele enviou seu Filho para morrer em seu lugar.

“Mas vocês são os escolhidos de Deus, escolhidos para a alta vocação do trabalho sacerdotal e para serem um povo santo. São instrumentos de Deus para fazer sua obra e falar por ele, e para contar a todos quanta diferença ele fez na vida de vocês — de nada para alguma coisa, de rejeitados para aceitos.” 1 Pedro 2:9-10

*Foto do Toy (cão da raça Golden da amiga Ana Caran)

26
jan

# O Senhor não faz acepção de pessoas

Ao relembramos algumas ocasiões bíblicas em que os pecadores e idólatras foram convertidos à verdade do Eterno, justamente por não terem sido repudiados, um personagem salta à memória. Jetro, um sacerdote idólatra, sogro de Moisés. Uma igreja, sendo formada por homens, está suscetível a opiniões divergentes quando as interpretações da Palavra não se deixam levar pela essência do Espírito do Eterno, esta que é amor e faz com que o engano se desfaça.

Entre as opiniões que fazem acepção de pessoas, causando divergências, inclusive com a Palavra do Eterno, muitas são movidas pelo orgulho, outras pela cegueira espiritual; e, a única coisa que delas se resulta é a dúvida, a insegurança e o esfriamento entre os membros, tal qual no exemplo de Amaleque que criou a falsa imagem entre os povos que poderia desqualificar o poder de Deus (entenda-se, defender apenas a letra, em prejuízo do Espírito que vivifica).

Deve ser este, pergunte-se, o testemunho quando estamos a falar do amor do Eterno e da Palavra vivenciada em Cristo, ele que nos deu único novo mandamento, qual seja “amai ao próximo como eu te amei”? Tais testemunhos, ainda que ditos zelosos, e aqui cumpre ressaltar, o mandamento é sim, fundamental, mas quando expostos sem anterior reflexão na Palavra, se deixam levar pelo espírito de Amaleque, este que vive da aparência e não deseja o coração transformado pela verdade (Êxodo 17).

Qual foi a atitude de Moisés quando se encontrou com Jetro, seu sogro, um sacerdote idólatra, senão a de testemunhar as maravilhas que fez o Senhor pelo seu povo, tirando-o das mãos da escravidão. E o resultado na vida de Jetro foi a sua conversão ao Senhor dos Exércitos. O SENHOR não faz acepção de pessoas. Moisés, ao invés de refutar ao sogro, recebeu-o em seu acampamento no monte Horebe, que quer dizer – O monte de Deus – cumprimentando-o e perguntando-o como estava passando, demonstrando assim, cuidado.

Jetro, por sua vez, ao ouvir o relato de Moisés sobre a vitória que o Senhor concedeu ao povo, disse: “Bendito seja o Senhor, que vos livrou da mão dos egípcios! Agora sei que o Senhor é maior que todos os deuses, pois com aquilo que pensaram destruir Israel, foram destruídos“. (Êxodo 18). Convertido pelo testemunho, ele ofereceu banquete ao Deus de Israel, tendo em sua companhia, Arão e todos os anciãos de Israel que se sentaram com ele, na presença de Deus. Quem, dentro da congregação, poderia julgá-los por terem se sentado com Jetro naquela ocasião?

O meu povo é destruído, porque lhe falta o conhecimento;”, relata o profeta Oséias (4). Há inúmeros relatos nas escrituras que demonstram que o Eterno trabalha as vidas, justamente por não serem perfeitas. Nabucodonosor foi outro desses exemplos, que ao fim, louvou ao Senhor. A existência, tal qual a conhecemos, não é perfeita. Tudo e todos estão a caminho da verdade revelada pelo Messias. E, tal como afirmou o apóstolo dos gentios: “Glória, honra e paz a todo aquele que pratica o bem, pois para com Deus não há acepção de pessoas” (Romanos 2), assim também o fez Pedro ao dizer: “Reconheço por verdade que Deus não faz acepção de pessoas” (Atos 10).

Shalom!

Sadi – Um Peregrino da Palavra

(Foto extraída do site Sétimo Dia)

25
jan

# Reconhecer e Amar

Entre tantos os relatos surpreendentes ocorridos durante as guerras, há aqueles que sobressaem por um gesto simples, no entanto ainda que em meio aos realizados por atos de nobreza e coragem, também têm em si a razão de um coração puro, forte e comprometido com a verdade. Houve um dia na vida de um homem americano, quando algo simples assim, o fez repensar suas atitudes.

Aviador e ex-combatente no Vietnã, ele teve seu avião derrubado. Quando enfim retornou aos Estados Unidos, ainda vaidoso e cheio de orgulho pelas inúmeras baixas de norte-coreanos, começou a palestrar sobre suas experiências. Ao entrar em um restaurante, deparou-se com um rapaz que, ao lhe abordar, chamou-lhe pelo nome indagando se de fato se tratava do aviador que ele havia conhecido, derrubado durante a guerra. Surpreso, perguntou de onde o conhecia. Quando então, o rapaz apresentou-se dizendo ser o soldado que dobrava os paraquedas dos aviadores.

Tomado por gratidão, o aviador disse ao rapaz que lhe devia a vida, pois só estava ali por ter conseguido abrir o equipamento e descido em segurança. Após conversarem, despediram-se e o herói foi para casa. Naquela noite não conseguiu dormir, pensando em quantas vezes havia cruzado com aquele simples soldado no porta-aviões, sem nem ao menos cumprimenta-lo ou agradecê-lo por tantas horas dedicadas por vidas que nem mesmo conhecia. Percebeu o quanto havia deixado de enxergar pessoas que se tornaram responsáveis para que seguisse com segurança, ao longo de sua vida. Recordou, enfim, a cada um daqueles instantes, reconhecendo sua gratidão e seu amor por cada uma delas.

Em nosso dia a dia, muitas são as vezes em que agimos assim com as pessoas simples ao nosso redor, no trabalho, na vizinhança, e até mesmo nos cultos das igrejas; elas que se desdobram para que tenhamos um caminho livre e agradável. Em nossa vida de conversão ao caminho do Eterno, aprendemos a identificar Aquele que entregou seu próprio Filho; este que se fez humilde a fim de dobrar nossos paraquedas, trazendo-nos em segurança ao momento em que, ele mesmo se tornará o chão firme para pisarmos e sermos um com ele e com seu Pai. Contudo, nem todos, plenamente, reconhecem esse compromisso de volta a Deus, ainda que nas igrejas.

Portanto, em nossa vida espiritual, nossa maior gratidão se expressa ao amá-lo de todo nosso coração, de toda nossa alma, de todo nosso entendimento e com todas as nossas forças. Assim cumprimos o primeiro dos dois maiores mandamentos, segundo as palavras de Yeshua, o Messias (Marcos 12). Aos nossos iguais, não os excluindo dos atos com os quais escrevemos nossa jornada espiritual, devemos, não apenas como um gesto de boa educação, mas sim ao olharmos em seus olhos com gratidão, e munidos de um sorriso ainda que singelo, saudá-los, agradecê-los, sobretudo preocupando-nos com seu estado e ajudando-os, pois assim estaremos cumprindo ao segundo maior mandamento, qual seja amar ao próximo como a ti mesmo.

Com gratidão e amor ao Eterno, recebemos o Shabbat. Com gratidão e amor participamos dele, entregando-nos à lapidação pela base dos mandamentos. Deste reconhecimento e seu consequente ato, reiniciaremos nossas atividades em uma nova semana – louvado seja Deus – buscando-O de todo coração, pois só assim o acharemos, ao percebermos que só Ele nos sustenta.

Shabbat Shalom!

Sadi – Um Peregrino da Palavra.

1 2 3