Monthly Archive: agosto 2013

31
ago

# Aprendizado

A semana começa e as palavras do pastor ditas no sábado ainda ressoam na mente e no espírito. Em meio à meditação, as palavras seguem solidificando o entendimento. Esse processo traduz uma alegria contagiante. É a sensação maravilhosa de que algo esteja mudando dentro de nós. O indivíduo já não é mais o mesmo de antes. Sensações e certezas que o mundo não pode dar começam a tomar conta.

Contudo, é o fogo que, de fato, refina e torna possível solidificar os ensinamentos da boa nova. Sim, pois, no mundo não há como fugir das situações que confrontam os valores do reino de Deus. Cristo sabia disso e, por nossa segurança, orou ao Pai um pouco antes de ser condenado. Não há como servir a dois senhores, porém, a linha, inclusive, é mui tênue, pois, também temos que trabalhar e viver mediante as estruturas do mundo. As regras encontradas são de sua propriedade e dos seus idealizadores.

Mal começa a semana e eis que surgem, não raras vezes, situações que coloquem o homem em prova. Alguns transtornos parecem voltar. Os sonhos não se desenham como desejado. Há um desequilíbrio em pauta. Às vezes com a saúde, outras com os familiares, quando não se apresentam por ordem financeira, profissional ou nas diversas relações pessoais, que muitas vezes travamos conosco mesmo.

Àquele que meditou no primeiro, segundo dia, pensa apenas que não pode perder aquela alegria, ou que seja detentor de razões e, além disso, Deus é com ele, portanto, há de vencer. Estas últimas partes da conclusão podem, inclusive, serem muito perigosas, pois é um caminho farto para relativizar-se a essência do mandamento. Amar a Deus acima de todas as coisas, dependendo dele em tudo.

É o momento em que os planos de Deus entram em cena, aonde permissões, na medida da força de cada um, são concedidas para que lhe aumente, diminua ou mantenha-se a prova. E ao homem, resta-lhe vivenciá-la pela essência dos ensinamentos. A dependência da graça de Cristo e o reconhecimento da soberania da vontade do Eterno devem nortear todos os instantes, por mais duros e injustos que pareçam ser. Precisamos diminuir para que Cristo cresça em nós.

Os frutos do Espírito Santo são colocados à disposição daquele que crê e que busca, daquele que se entrega à leitura, compreensão e vivência diária do evangelho. Eles são fundamentais para essa transformação. Por meio deles, a vontade de Deus se revela pela sabedoria, e nada que aconteça se dá sem a permissão do Eterno, pois tudo coopera para o bem daquele que ama a Deus. O alvo não é este mundo, nem a perfeição dentro dele, mas a pátria celeste.

Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de Mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.” (Mateus 11:29-30).

E assim, depois de uma semana difícil, contudo entregue nas mãos de Deus, superamos as dificuldades, os conceitos que fazemos delas e, nos livramos de nós mesmos, quem mais atrapalha a vitória por achar que podemos dar conta sozinhos. Chegamos a mais um sábado com a certeza da alegria que viver pela dependência de Deus e Seu evangelho, seja tudo o que precisamos.

Shabbat Shalom!

Ṣadi Peregrino da Palavra 

30
ago

A pão e água

Marco Aurélio Brasil

Agora é moda encontrar em revistas pesquisas do tipo “Quem você é no seriado tal?”, ou “Que animal você é?”, “Que utensílio da cozinha você é?”(!), etc. Bom, se houvesse algo do gênero para ver “Que comida você é?”, penso que ninguém ia querer descobrir que é um pão.

Se me perguntarem qual a minha comida predileta eu vou hesitar entre a lasanha funghi do Ráscal, um risoto de cogumelos ou quem sabe a fantástica pizza de shimeji com couve que servem no “Pedaço da Pizza”, aqui em São Paulo. São pratos um tantinho elaborados – pra não dizer “metidos a besta” – é verdade, mas fazem um vegetariano como eu ver estrelas. Entretanto, parece que esses pratos são tão bons apenas porque só tenho ocasião de comê-los muito raramente. Não consigo me imaginar devorando qualquer um deles todo santo dia, como não dá pra me imaginar tomando diariamente o maravilhoso suco de pinha que experimentei ontem ou um suco de cacau.

O que eu como todo dia é pão; o que eu bebo todo dia é água. Mas não existem revistas ou programas de televisão falando de água e de pão, e embora dizer que alguém “passou a pão e água” seja afirmar que o tal sofreu muito, penso que a maioria esmagadora das pessoas não pode se imaginar sem pão ou sem água. O pão e a água são o básico. Decerto não serão a comida e a bebida eleitas como prediletas de quem quer que seja, mas são o essencial; o resto é firula.

Quando Jesus Cristo, para ensinar mais uma de Suas lições vitais, quis identificar-Se com uma comida, escolheu o pão (“Eu Sou o pão que desceu do Céu”, João 6:51), e não alguma iguaria oriental rara e disputada a tapas. Quando afirmou o que tinha a oferecer a todo quanto buscasse, disse que daria água que mata a sede eternamente (João 4:14).

Penso que Jesus está ensinando aí o que é básico na vida. O que é essencial. Pão é água são o tipo de coisa que faz parte de nosso dia-a-dia, como Ele deveria fazer também. Não se come pão uma vez por semana!

Jesus Cristo é a dieta essencial, que precisa ser buscada sem falta todo dia. O resto é firula.

28
ago

#A viagem

Gelson de Almeida Jr.

31 de Agosto de 2013, esta é a última data para quem quiser se inscrever no site Mars One (símbolo ao lado) para concorrer a uma viagem a Marte. Com certeza muitos se sentirão tentados a fazer sua inscrição para concorrer ao sorteio. Há, porém, um pequeno detalhe que fará muitos desistirem, esta é uma viagem sem volta, isto mesmo, os que forem selecionados deverão residir, a partir de 2023, de modo definitivo, em Marte para iniciar um processo de colonização do planeta. Mesmo assim existem mais de cem mil inscritos para participar da missão.

Quando você nasceu seu nome foi inscrito em uma lista para participar de uma viagem interplanetária, isto mesmo, para participar, sem sorteio sem nada. Viagem comumente chamada de salvação. Ao nascer seu nome passou a figurar entre os habilitados a esta viagem (Efésios 1:11), mas o direito de participar somente será concedido após análise do conjunto de atitudes tomadas ao longo de sua vida. Resumindo, suas escolhas é que dirão se você quer ou não participar desta viagem. Dia a dia, momento a momento, cada decisão tomada, garante ou não a permanência do seu nome na lista. O simples fato de você ter nascido já o colocou na lista de pretendentes, mas, estar inscrito não é sinônimo de participar da viagem. O preço já foi pago por Cristo quando morreu por nós no Calvário, mas a escolha da salvação é pessoal e intransferível.

Para quê Marte quando você tem o Universo à sua disposição? O quê mostram suas atitudes, um desejo ardente de participar desta viagem ou despreocupação com a mesma? Escolha certo, participe dela, você não irá se arrepender.

28
ago

Nós somos os mortos

Marco Aurélio Brasil

No clássico 1984, de George Orwell (hoje infelizmente mais conhecido por ser a fonte da expressão “big brother”), há uma  situação emblemática imediatamente antes de uma reviravolta na trama; o protagonista, que vive numa sociedade distópica em que todos são constantemente vigiados pelo Estado e não podem apresentar nenhum desvio de comportamento ou nenhum pensamento original, começa a experimentar se rebelar contra o sistema. Compra um livro. Faz contato com subversivos. Enceta um caso amoroso. Em suma, parece que só agora, já maduro, começa a viver de verdade. Bem, exatamente aí é que ele chega a esta conclusão estranha. Olhando pela janela e vendo as pessoas lá fora ele fala à sua amante: “nós somos os mortos”.

Comecei a separar um material sobre zumbis para um programa de jovens na igreja e dei com um daqueles quadros “expectativa x realidade” que povoam as redes sociais. Ele apresentava uma cena da série The Walking Dead em que os protagonistas estão sobre um trailer cercado de zumbis. A brincadeira é: sua expectativa é ser o mocinho, que mata zumbis e lidera o grupo, mas a realidade é que você, num apocalipse zumbi, provavelmente seria um dos zumbis. É claro, a chance de você ser infectado pelo vírus que tomou a humanidade quase que inteira é bem maior do que de você, justo você, estar na minoria heroica.

E se o mundo todo for reduzido a uma horda de mortos-vivos comedores de carne humana? E se você for um deles? E se isso já tiver acontecido?

Apocalipse 3:1 traz essa sinistra advertência: Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives e estás morto. Esta é a mensagem endereçada à igreja de Deus, logo, haveria uma igreja que tem fama de viva, mas quem conhece suas obras sabe que ela está morta. Ela anda como um vivo, se comporta quase que como um vivo, mas está morta.

Quais os sintomas de uma igreja morta? Simples, ela deixou de fazer as coisas que a igreja viva faz. A igreja viva guarda os mandamentos de Deus e tem fé em Jesus (Apocalipse 14:12). A igreja viva ama perdidamente o ser humano (João 13:35). A igreja viva é uma comunidade de conforto, consolo, estímulo, ânimo e paciência (I Tessalonicenses 5:14).

Em Lucas 12:42-46 Jesus nos apresenta a um mau servo, que perde de vista o espírito de vigilância, a noção de que seu senhor voltará de sua viagem ao estrangeiro a qualquer momento. Ele começa a espancar os seus conservos. Ele é um morto se alimentando da carne dos vivos, ferindo os vivos, tornando-os mortos como ele, mortos à sua imagem e semelhança.

Será que justamente quando acreditamos estar vivendo mais é que vamos concluir que nós somos os mortos? Será que a realidade é distante demais da nossa expectativa?

Em Ezequiel 37:5 eu leio estas palavras: Diga que eu, o SENHOR Deus, estou lhes dizendo isto: “Eu porei respiração dentro de vocês e os farei viver de novo”. Quem ouvir viverá. Quem ouvir a palavra do Deus vivo deixará de ser um morto. Guardará os mandamentos, exercitará fé, amará e cuidará dos que estão ao redor. Quem ouvir, viverá.

 

26
ago

#identidade

Adriano Vargas

Hoje comecei um novo projeto em minha caminhada, produzir e ser locutor de um programa da rádio, na radio unasp/CBN de segunda a sexta, das 13h as 14h.

A principio achei a ideia incrível, depois do primeiro que foi hoje, sim achei incrível a ideia, mas vou deixar vocês tirarem as próprias conclusões.

Esse primeiro tivemos a presença da estudante de teologia Mariana Moraes, que foi voluntaria na Albânia e do Dr. Berndt Wolter especialista em missões mundias, vale a pena ouvir…

#podcast do Programa #identidade ouça, curta e compartilhe #identidade

25
ago

Quando você precisa de UM MILAGRE

Maninho Alves

Do ponto de vista humano, um milagre é definido como algo que ocorre de maneira sobrenatural e cujo efeito não encontra explicação racional. Em outras palavras, verdadeiros milagres trazem respostas inesperadas para situações que aparentemente não tem solução. Do ponto de vista divino, no entanto, um milagre nada mais é do que uma oportunidade para que Deus possa demonstrar que Ele é o Deus do impossível. Para muitos, talvez, milagres não fazem o menor sentido . . . até que precisem de um! E você, precisa de um milagre?

Vídeos

[toggle title=”20/07 | Parte 1 – Possibilidades do Impossível”][/toggle]

[toggle title=”27/07 | Parte 2 – O que fazer quando sua canoa está afundando?”][/toggle]

[toggle title=”03/08 | Parte 3 – Vendo além do visível”][/toggle]

[toggle title=”10/08 | Parte 4 – O Deus do impossível”][/toggle]

[toggle title=”17/08 | Parte 5 – Do fracasso à vitória”][/toggle]

[toggle title=”24/08 | Parte 6 – Como orar por um Milagre”][/toggle]

1 2 4