Monthly Archive: junho 2013

27
jun

Até quando?

Marco Aurélio Brasil

Esta semente é para você que está chegando ao final de suas forças. Você que já pegou na toalha e está a ponto de jogá-la. Você que não aguenta mais a pressão. Esta semente é para você cuja energia se esvai rapidamente e que se pergunta: até quando eu devo resistir?

“Mas quem perseverar até o fim, esse será salvo” (Mateus 24:13).

A resposta à pergunta é: até o fim.

Força! Ele está contigo até o fim.

26
jun

Gratidão

Gelson de Almeida Jr.

No último domingo fui acordado pelo meu pai dizendo: “Você quer ver uma coisa horrível? Vá lá fora e veja que está pegando fogo naquele casarão.” O casarão a que ele se referia é um prédio onde funcionava uma indústria que faliu anos atrás, o local foi invadido por uma centena de “sem teto”. Realmente era uma cena deprimente ver todo aquele “mar de gente” correndo de um lado para outro não acreditando no que acontecia, a maioria salvara apenas a roupa do corpo.

Fixei meu olhar em um jovem que andava de um lado para outro, como não acreditando no ocorrido. De repente, ele para e começa a falar aos que tentavam lhe consolar: “Eu perdi meu botijão de gás e meu fogão, juntei R$ 500,00 catando latinha e papelão e comprei minhas coisas, agora perdi tudo, mas não vou ficar reclamando não, Deus vai me ajudar e vou ajuntar tudo de novo”. Olhando para ele pensei na minha ingratidão. O que para ele era uma fortuna para mim não representava tanto assim.

Que lição eu recebi naquela fria manhã! Ficara chateado por ter sido acordado logo cedo e colocara a roupa que estava mais à mão para ver o ocorrido, o que vestia era muito melhor que tudo que sobrara para aquele jovem e, ainda por cima, tinha uma casa para onde voltar com o conforto mais que necessário.

Confesso que, vez por outra me acho uma pessoa grata pelas benção que recebo do Pai, mas perto daquele jovem não passo de um tremendo ingrato. Ainda hoje passei em frente ao local e agradeci ao Pai as bençãos e pedi perdão pelas vezes em que tenho sido um filho ingrato. Enquanto escrevo ouço os pingos de chuva lá fora, estou protegido, agasalhado e em segurança, quanto aquele jovem,  não faço a menor idéia do que foi feito dele, mas peço a Deus que esteja com ele.

Você já agradeceu ao Pai as bençãos que Ele tem derramado em sua vida?

25
jun

A era da insatisfação

Marco Aurélio Brasil

Por sob a pele das convulsões sociais que perpassam o país feito descarga elétrica, por trás das centenas de palavras de ordem diferentes, dá pra ler uma única palavra pulsando forte: insatisfação. Às vezes é possível identificar claramente o objeto da insatisfação, mas muitas vezes ele é difuso, fugidio, impossível de precisar. Talvez essa insatisfação mais cívica, com tudo que tem de belo e justo, se mescle com a insatisfação pessoal em que estamos imersos e seja por ela turbinada.

 A revista Mente & Cérebro publicou recentemente um artigo sobre o que ela chamou de “a era da insatisfação”. Segundo ela, a sociedade está doente de uma insatisfação crônica que desemboca por vezes em depressão e sempre em perda da qualidade de vida. Em maior ou menor grau, a maioria esmagadora das pessoas está suspirando por algo mais ou algo diferente (pode ser por um físico mais sarado, ou uma plástica no nariz, ou um mestrado, ou um cargo mais alto, ou um carro melhor, ou uma casa, ou outro companheiro, ou mais popularidade, ou mais tempo para jogar videogame, ou mais tempo com os filhos, ou tantas e tantas outras coisas).

 A igreja pode ser um fantástico catalisador de insatisfação. Certa vez perguntei para um grupo de amigos o que eles gostariam de viver ou reviver em sua experiência de igreja, do que mais eles sentiam falta em sua experiência de igreja. Eu esperava que eles falassem sobre uma igreja mais aberta a sua participação pessoal, que focasse mais fortemente nos relacionamentos, que os inspirasse a servir, coisas do gênero, mas o curioso foi que praticamente todas as respostas tinham hálito de insatisfação pessoal: eu queria estar lendo mais a Bíblia, eu queria estar testemunhando mais… Em resumo, quando eu os encorajei a pensar no que poderia melhorar em sua experiência de igreja, eles pensaram no papel que a igreja costumeiramente pede que eles exerçam e que eles falhavam em conseguir.

 Será que a igreja só serve mesmo para incutir esse complexo de culpa crônico em seus membros?

 Bem, sou o primeiro a reconhecer que nossa vocação é altíssima. Há coisas fantásticas profetizadas para a igreja. A Bíblia usa palavras como “pura”, “imaculada”, “sem mancha” e “irrepreensível” para descrever o que ela deve ser. Essa é nossa vocação, é para lá que devemos rumar, “crescendo mais e mais até ser dia perfeito” (Provérbios 24:18). Devemos constantemente buscar crescer, tanto na vida pessoal como na devocional. Portanto, se a insatisfação e a culpa não devem fazer parte do pacote de nossa experiência de igreja e com Cristo, isso definitivamente não significa que devemos ser acomodados e baixar a norma para qualquer coisa menor que puros, imaculados e irrepreensíveis.

 Mas a verdade é que Cristo veio para que tenhamos vida. Muita vida (João 10:10), não pouca. Também é verdade que a alegria é uma das faces do fruto do Espírito (Gálatas 5:22), de modo que todo aquele que recebe o Espírito é alegre. Pouco antes de morrer, Jesus orou pedindo por nós, “para que eles tenham a minha alegria completa em si mesmos” (João 17:13). Nada menos que isso.

 O caminho é longo, mas a alegria, a satisfação, não estão apenas no final dele. Podemos ser felizes no processo de nos tornar aquilo que Deus sonhou a nosso respeito. Podemos vivenciar a vida que custou o altíssimo preço do sangue dEle. Podemos querer algo mais em nossa vida e até esbravejar palavras de ordem, mas gratos pelo que já é. Gratos pela salvação fantástica que já está consumada.

24
jun

#Ele me representa

Adriano Vargas

Temos vivido momento de alvoroço aqui no país do futebol…pessoas imbuídas dum desejo de mudança vão as ruas protestar e manifestar sua indignação. São tantas palavras de ordem, tantos cartazes com dizeres esquizofrênicos. Depois de tantos protestos de norte a sul, de ler vários comentários sobre a postura dos manifestantes, policia, governo e até quem diga da igreja, lembrei dum texto.

Conheço os que escolhi.” João 13:18

Parece estranho no começo o lembrete, mas lhe pergunto: você escolheria um assassino procurado para tirar uma nação da escravidão? Ou recorreria a um fugitivo para carregar as tábuas com a sua lei de conduta?

É meu Deus, fez isso…

Chamou aquele homem pelo nome do meio duma sarça ardente. O velho Moisés ficou tão apavorado, quanto eu e você ao saber disso!

A lição aqui é clara e me enche de confiança : “Deus usa as pessoas para mudar o mundo, Deus transforma as pessoas para que elas mudem o mundo!”.

Sim, eu disse as pessoas! Não são santos, os super homens ou os gênios, mas pessoas transformadas pela graça e amor de Deus que podem sim mudar não só esses país, mas este mundo

Eis aqui o meu servo, a quem sustenho; o meu escolhido, em quem a minha alma se compraz; pus sobre ele o meu Espírito, e ele promulgará o direito para os gentios.
Não clamará, nem gritará, nem fará ouvir a sua voz na praça. Não esmagará a cana quebrada, nem apagará a torcida que fumega; em verdade, promulgará o direito. Não desanimará, nem se quebrará até que ponha na terra o direito; e as terras do mar aguardarão a sua doutrina.
Assim diz Deus, o SENHOR, que criou os céus e os estendeu, formou a terra e a tudo quanto produz; que dá fôlego de vida ao povo que nela está e o espírito aos que andam nela.
Eu, o SENHOR, te chamei em justiça, tomar- te- ei pela mão, e te guardarei, e te farei mediador da aliança com o povo e luz para os gentios; para abrires os olhos aos cegos, para tirares da prisão o cativo e do cárcere, os que jazem em trevas.
Eu sou o SENHOR, este é o meu nome; a minha glória, pois, não a darei a outrem, nem a minha honra, às imagens de escultura.
Isaías 42:1-9

1 2 4