Monthly Archive: abril 2013

30
abr

O bisturi do Pai

Marco Aurélio Brasil

Sir Oscar Wilde colocou na boca de um de seus personagens espirituosos: Só as pessoas superficiais não julgam pelas aparências. A graça está no fato de desdizer o conceito popular de que, ao contrário, superficial é quem julga meramente pela aparência. Mas há cada vez mais adeptos da ideia de Wilde. Não fosse assim não haveria o intenso culto à aparência que hoje vemos, seja nas coisas que ostentamos, seja na nossa própria aparência. A indústria da moda, da estética, da cirurgia plástica, dos cosméticos e da ginástica nunca esteve tão bem.

Você talvez já tenha ouvido aquela história do congresso de esteticistas, que decidiu pegar um mendigo na rua e dar-lhe um belo dum trato. Primeiro, um banho bem dado. Depois as unhas, a pele, o cabelo. Deram um jeito e ali estava um belo e bem trajado homem. Tiraram fotos, só que mais tarde flagraram o sujeito, com seu belo cabelo, suas unhas impecáveis, e seu terno caríssimo, deitado na sarjeta com uma garrafa na mão.

Outra: surgiu uma querela entre os filhos do rei. Um dizia que era bem possível que um plebeu fosse educado e se tornasse um nobre sem tirar nem por. O outro achava o contrário. O rei então disse que cada um tinha um mês pra provar sua tese. Passou o mês quase todo e o que achava que era impossível a um plebeu tornar-se um nobre não tinha ideia de como ia demonstrar que estava certo. Toda a coorte estava interessada na disputa, e no meio do murmurinho que cresceu em torno do caso, caiu no ouvido desse príncipe que o seu irmão tinha um trunfo infalível nas mãos: ele havia achado um gato que andava nas duas patas traseiras, com uma bandeja nas patas, servindo vinho, tudo na maior urbanidade. O rapaz então teve uma ideia e na hora do vamos ver o seu irmão estava radiante com o incrível gato educado. O rei estava também muito admirado. Virou-se para o outro filho e disse que ele podia começar. Todo mundo olhou para ele, que não tinha nada nas mãos. Ele simplesmente meteu a mão no bolso, tirou um rato vivo e jogou ao chão. O gato imediatamente largou a bandeja e saiu em disparada atrás do velho inimigo.

É importante cuidar da embalagem, do exterior, mas a verdade é que a embalagem pode muitas vezes ocultar um produto podre. Muitas vezes o exterior se transforma, mas a essência continua a mesma, e hoje quero lembrar que nosso Criador e Salvador esteve aqui foi pra mudar a nossa essência. A nossa essência é que requer cuidados urgentes. Do mais Ele cuida depois, e com maior facilidade, num piscar de olhos!

Sim, nossa essência carece terrivelmente de mudança. Ela é egoísta, preconceituosa, fofoqueira, desleal, infiel, dobre, tímida para fazer o bem, inamistosa, perversa e mesquinha. É a Bíblia quem o diz.

Reconhecer essa imagem no espelho é o primeiro passo para experimentarmos o bisturi do Pai, que opera lá dentro, que transforma de fato. O gato não quer mais saber de ratos, o mendigo não quer mais saber da sarjeta e da bebida.

Que Deus o abençoe fazendo-o experimentar essa obra fantástica.

28
abr

# Nas Mãos de Deus

Deus é amor e acima de tudo justo. Que tempo verdadeiramente temos passado com Ele? Você se ajoelha de manhã diante dele? Coloca seu dia humildemente em Suas mãos e lhe pede para que te guie de acordo com a vontade dele?

É preciso ser modesto, franco e despretensioso para conseguir realizar esse gesto com o coração puro e verdadeiro. Não apenas por que precisa de um favor dos céus, ou por que acordou feliz por algum motivo, mas, como disse o Bruno essa manhã de sábado na NS: “É preciso ter um coração como o de Jó, que mesmo passando pelo que passou, desceu os joelhos ao chão, e louvou ao Senhor”.

Normalmente confundimos o momento de agir com aquele que devemos deixar apenas nas mãos de Deus. Deixar nas mãos de Deus, é ouvir Sua voz, devido a intimidade que temos alcançamos com Ele, e assim continuamos o nosso caminho humano, descansados em Cristo, sabendo pela fé que Ele está agindo, e também o Espírito Santo, intercedendo por nós, e desta forma perfeita e bem acabada de intercessão somos levados a viver conforme Sua vontade que é boa, perfeita e agradável.

Deixar nas mãos de Deus, ultrapassa o conceito de vez ou outra deixar que o Pai decida e resolva por nós as coisas que não estão ao nosso alcance resolvermos. Deixar nas mãos de Deus é viver cada segundo, desde o levantar até o repousar, incluído todo o instante do sono e o sonhar, sabendo que Ele está no controle por que demos a Ele total possibilidade de controle.

Muitas vezes, mesmo tendo orado para que o sonho de Deus se realize em nossa vida, somos acostumados a alimentar um pensamento essencialmente humano, que nos leva a outros caminhos. Uma resultante de nossos braços. E o que fazemos então? Colocamos tudo a perder ao tomarmos as rédeas da vida em nossas mãos, tirando-as das mãos de Deus. Por vezes, o resultado surge produtivo. Mas, seria a expressão da vontade de Deus? Seria o resultado pensado por Deus, caso Ele próprio tivesse continuado a agir?

Se decidimos por uma nova vida, por um novo nascimento, devemos apenas crer com um coração puro que Deus se faz presente ao nosso lado, e isso deve ser o suficiente para que a gente se sinta protegido. Gente, Paulo disse que a sabedoria de Deus é loucura para o mundo. E a gente precisa viver completamente o Seu reino. Pedir a Ele de Sua sabedoria. Precisamos nos tornarmos loucos para o mundo.

Esses dias atrás li Adriano Vargas postar no facebook algo assim: “Se você não tem fé como um download baixado em 100%, ainda que de 1 Mb, do tamanho de um grão de mostarda, você não tem nada”.

É aquela coisa. A vida é um tapete, e o Senhor o tapeceiro. Vemos o tapete apenas pelo lado inverso, não entendendo bem o desenho, vendo aquele emaranhado de fios desconexos. Um dia o Tapeceiro nos mostrará o desenho que Ele fazia, e por isso nos dizia o que fazer. Se o desobedecemos, Ele não pode continuar a obra de arte em nossa vida.

Aline, minha esposa, sempre diz em casa uma meditação: “Como Jesus agiria neste caso? O que Ele faria em seu lugar?” Amado, se as coisas saírem do prumo ou se sentires te desviar dos caminhos do Senhor, impedindo que Ele possa agir, “sujeitai-vos, pois, a Deus novamente, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós”. (Tiago 4:7).

Shalom Aleichem!

Sadi – Um Peregrino na Palavra

PS. Esta Semente do Dia foi escrita em parceria com minha esposa Aline Folch, que mais uma vez, ofertou generosamente a maioria das linhas aqui apresentadas.

27
abr

# Escritura e Tradição

Afirma o papa, que a Igreja Católica é a única entidade habilitada a interpretar corretamente as escrituras. Defendendo a autoridade da tradição, o Papa afirmou que “a interpretação das escrituras não pode ser apenas um esforço intelectual individual, mas deve ser sempre confrontado, inserido e autenticado pela tradição viva da Igreja”. Isto é o que noticia o conhecido blog adventista bandeirante, evidências proféticas. Se há algum católico lendo este artigo, por favor, leia-o com discernimento, pois isto não é pessoal, e saiba que eu o respeito, portanto, peço que em seus dias você leia a bíblia e, assim, confronte as verdades de sua doutrina.

Segundo o artigo, o papa Francisco, em um discurso proferido, fez uma longa explanação a um texto do Concílio Vaticano II, especificamente a Constituição ‘Dei Verbum’ (A Palavra de Deus), para reafirmar o papel da igreja como intérprete única das escrituras sagradas. Para tanto diz que a “sagrada tradição” da igreja católica está “unida em pé de igualdade à bíblia”, pois “há uma unidade indissolúvel entre Escritura e Tradição”. E ainda arremata o pontífice: “tradição da igreja e bíblia são uma única coisa”.

É importante lembrar aqui que a tradição a que ele se refere é vivida desde os tempos papais, divergindo da tradição a que se refere Paulo nas cartas aos Coríntios, aos Tessalonissences. Nestas cartas, Paulo se referia à tradição do viver pela graça de Cristo, dos ensinamentos do evangelho da graça, e não pela tradição de homens, como estavam acostumados a viverem os judeus, ferindo a Torah, ao ponto de serem repreendidos por Jesus. O mesmo têm feito os papas ao longo dos séculos, justificando ser-lhes divinamente revelado, e dessa forma confrontando as palavras e as verdades pregadas por Cristo.

Para Francisco, levando em consideração a referida Constituição inserida no Concílio Vaticano II, o que na verdade, todos sabemos é o que acredita a Igreja Católica ao longo dos séculos, tem-se a seguinte verdade: “tudo que se relacione com a interpretação das escrituras está, em última análise, sujeito ao julgamento da igreja”. Acredita ele que tanto a palavra como a tradição foram divinamente reveladas.

Não me surpreende ouvir que a tradição católica seja divinamente revelada. Pois, como justificariam contrariar princípios básicos como, por exemplo, alguns mortos não estarem dormindo, à espera da ressurreição, por ocasião da volta de Cristo? Apenas através da autoridade papal. Pois quem mais poderia autorizar a um morto a possibilidade de estar vivo e fazendo milagres? Certamente que Deus o revelou esta possibilidade, e concedeu ao papa interpretar a exceção às escrituras. E nesse diapasão, Jesus é posto de lado, e o santo é endeusado, e a igreja o patrocina, e no final das contas, evangelho da graça que é bom, nada. O que importa é o que o papa disse, e dá-lhe um monte de “amém” e “assim seja”, sem nem mesmo uma consulta que seja à bíblia. É no mínimo um desrespeito ao ser humano. Alguém já viu um padre mandando um católico ler na bíblia onde ele louve os seus santos ou suas tradições? Jamais.

E aí eu pergunto ao papa Francisco, com todo respeito que lhe tenho: Então Cristo é mentiroso? É isso? Gostaria de ouvir dele que interpretação é essa que lhe autoriza dizer que aquela que foi santa enquanto viva, Maria, a mãe de Jesus, hoje está a interceder por mim ou por quem quer que seja? Creio com toda fé que me foi ensinada que Maria, que foi uma santa enquanto viva, ressuscitará dos mortos quando Jesus voltar. Isto sim é o que ensinam as escrituras, sem a menor necessidade de interpretações e doutores da lei.

Aonde está a autoridade para interpretar a bíblia se nem mesmo a Igreja de Roma a respeita em seus princípios mais básicos? Quero reiterar meu profundo respeito aos católicos, mas, creio que devam ter um pouco de bom senso e ler a bíblia. Desculpe-me, mas tenho que dizer a verdade. Não posso agradar a crentes e romanos. Acredito apenas em Cristo. E a Bíblia…especialmente os evangelhos, são muito simples. São diretos. Sem margens para interpretações. Pode se dizer de uma ou outra passagem, mas, convenhamos, será que é tão difícil entender o que seja amar ao próximo como a ti mesmo? amar a Deus acima de todas as coisas? Se quiser seguir a Cristo, Pegue a sua cruz e siga-o?  Se alguém pregar a Cristo além da Cruz e do amor? Desconfie.

Não é preciso nem mesmo citar o livro do apocalipse 17:1-6, para falar das intenções de satanás que se levanta para enganar a igreja que é o corpo de Cristo na terra, mas cumpre-nos citar a palavra mencionado pelos lábios do Mestre ao se dirigir ao fariseus, intérpretes da Torah, segundo as suas tradições: “Bem profetizou Isaías acerca de vocês, hipócritas; como está escrito: ‘Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. Em vão me adoram; seus ensinamentos não passam de regras ensinadas por homens’. Vocês negligenciam os mandamentos de Deus e se apegam às tradições dos homens”. E disse-lhes: “Vocês estão sempre encontrando uma boa maneira para pôr de lado os mandamentos de Deus, a fim de obedecer às suas tradições!” (Marcos 7:6-9).

Shabbat Shalom !

Sadi – Um Peregrino da Palavra

25
abr

Maus heróis

Marco Aurélio Brasil

Goethe dizia, com impressionante acerto, que somos moldados por aquilo que amamos. Em outras palavras, nossos heróis nos transformam a sua imagem e semelhança e dizem muito, talvez tudo, sobre nossos valores. Os de Cazuza, por exemplo, morreram de overdose e ele palmilhou um caminho parecido. Refletir sobre quem são os seus heróis pode ser um exercício muito revelador.

Em 3 de setembro de 1932, um jovem de 15 anos chamado Pavlik Morozov foi encontrado morto a facadas em sua vila, no oeste da Sibéria. É praticamente impossível descobrir quem ou em que circunstâncias o crime realmente aconteceu, mas sabemos bem o que a propaganda comunista fez da história. A imprensa disse que Pavlik havia sido morto por parentes porque dias antes ele havia delatado o próprio pai à polícia política como um inimigo do povo por ser apegado à propriedade privada.

A história de Pavlik passou a ser contada à exaustão às crianças soviéticas e publicada com tintas cada vez mais impressionantes na imprensa. Ele se tornou o principal herói nacional para as novas gerações, a pessoa a ser imitada, o exemplo em que se inspirar: alguém que ama mais à revolução do que os próprios pais. Milhares de milhares de pais acabaram presos, condenados a trabalhos forçados ou até mesmo fuzilados após seus filhos relatarem à polícia tê-los ouvido criticar o Partido ou terem qualquer atitude de um “inimigo do povo”. A influência da versão oficial da história de Pavlik sobre toda uma geração de soviéticos foi devastadora. Mesmo depois de Perestroika, algumas das pessoas que cresceram naquela época tinham dificuldade para se referir à história de Pavlik de forma negativa. E, no entanto, para a maioria de nós a ideia de filhos que traem seus pais parece ignominiosa, parece desumano e incrível que alguém possa assimilar valores assim. Bem, a História prova que coisas assim são, sim, possíveis.

Todos precisam de heróis, mas a verdade é que alguns heróis que tentam nos vender não são dignos da adoração que pedem. A propaganda que os envolve pode nos fazer parecer que seus valores são os mais nobres e altos, os mais dignos de nossa veneração, mas isso tudo pode ser só propaganda. Ou será que você é imune à propaganda?

Jesus promete o colírio para ver. Passe tempo com Ele e ponha seus outros heróis à prova. Talvez você fique surpreso em notar que faria melhor em descartar alguns deles…

24
abr

Cavalo de Troia

Gelson de Almeida Jr.

Tradicionalmente 24 de abril é considerado o dia em que os gregos invadiram a cidade de Troia.  Como o fizeram não se sabe, mas é bem conhecida a narrativa de que só conseguiram penetrar na, até então, inexpugnável cidade após deixarem um grande cavalo de madeira para o inimigo. Os troianos, sem saber que o mesmo escondia vários inimigos em seu interior colocaram-no dentro da cidade. À noite, enquanto os troianos dormiam, soldados saíram do interior do cavalo, foram até o portão da cidade e o abriram para que o exército entrasse e destruísse a cidade. Não existe nenhuma prova de que o cavalo realmente tenha existido, mas a história deu origem a duas expressões: “cavalo de Troia , um engodo altamente destrutivo, muito utilizado na atualidade na área de informática, designando um vírus devastador no sistema da máquina e “presente de grego”, algo, de aparência agradável, que recebemos, mas que traz consequências funestas.

Não existe momento de maior vulnerabilidade que quando estamos dormindo, nos desligamos, por completo, do mundo que nos cerca. Num momento como este os troianos, hábeis guerreiros que habitavam uma fortaleza, foram dominados pelo inimigo. Quando mais se achavam seguros foram destruídos. O mesmo pode ocorrer conosco, principalmente no plano espiritual. Nos momentos de maior segurança, quando nos sentimos mais fortes e prontos a enfrentar todo  e qualquer tipo de prova é que somos derrotados. Foi assim com Eva, que deixou de lado pequenos conselhos do Eterno como não andar sozinha pelo jardim, não parar diante da árvore e nem nela tocar e caiu, de modo tão fragoroso, que os efeitos de sua desobediência são sentidos até hoje.

É impossível estar seguro se brincarmos com os  “cavalos de Troia”  do inimigo. Ele e seus “brinquedos”, por mais inocentes que nos pareçam, devem ficar bem longe de nossa vida. Eis o segredo da vitória.

23
abr

A necessidade do outro

Marco Aurélio Brasil

O terapeuta Willard F. Harley Jr. realizou uma pesquisa que serve como uma eloquente comprovação de que “Deus os fez homem e mulher” (Marcos 10:6, ou seja, duas coisas diferentes que, juntas e em harmonia, formam uma outra coisa muito melhor). Em sua prática profissional, chegou a dez necessidades emocionais básicas que o ser humano tem em relação ao cônjuge: diálogo ou atenção, afeto, realização sexual, segurança financeira, apoio doméstico, aparência atraente, companheirismo, honestidade, admiração e comprometimento com a família.O ponto curioso dessa pesquisa, e que serve como mote principal de seu livro “Ela precisa, ele deseja”, é que se você der às pessoas casadas um papelzinho com esses dez itens pedindo-lhes que façam um ranking do que eles acham mais importante atribuindo números de 1 a 10, com poucas variações as cinco primeiras necessidades apontadas pelas mulheres serão as cinco últimas apontadas pelos homens e, claro, vice versa.

Eu fiz o teste em um grupo de amigos e cheguei praticamente ao mesmo resultado. Se as mulheres costumam apontar o afeto como a necessidade número um, os homens, mais previsíveis, colocam realização sexual no topo. A lista das mulheres geralmente continua com diálogo, segurança financeira, apoio doméstico e comprometimento com a família, justamente os itens que estarão mais para o final da lista dos homens.
E. no entanto, pessoas feitas diferentes e com necessidades tão diferentes são colocadas por Deus para viverem juntas. Mais que isso, Ele as fez sentirem-se atraídas uma pela outra, as fez desejarem viver juntas. Por que?
A regra de ouro da Bíblia talvez seja a chave para a resposta. “Ame a Deus sobre todas as coisas, e ao próximo como a si mesmo”. A regra de ouro, o mandamento do qual dimanam todos os outros, mostra que nossos afetos devem estar divididos entre nós mesmos e objetos externos a nós. O pecado inaugurou um centro de gravidade fortíssimo dentro do nosso peito que faz com que só olhemos para fora e só admitamos cuidar das necessidades e interesses de qualquer outra criatura do Universo quando estivermos de barriga cheia, e olhe lá… Para o Criador, contudo, a plenitude de nossa realização como criaturas Suas só é alcançada quando vivemos para os outros, quando o egoísmo típico do pecado é pisado e reduzido a pó.
O casamento, portanto, com seu descasamento entre as necessidades de homem e mulher, é uma escola fantástica. A paternidade leva esse conceito a um patamar muito mais radical, fazendo que não interesse o quanto estamos cansados ou doentes, se nosso filho está chorando a prioridade absoluta passa a ser automaticamente ele, mas tenho pra mim que a lição de serviço dada pela paternidade só é absorvida em toda sua envergadura quando antes você absorveu essa outra lição: a de amar um semelhante seu a um ponto tal que passe a querer abrir mão de seus interesses para satisfazer as necessidades dele. E, fazendo, sentir-se mais feliz do que estaria se estivesse cuidando de si somente.
Quando se dá conta disso, as diferenças entre homens e mulheres passam a deixar de ser motivo para piadinhas e se tornam motivos para louvor.

22
abr

#sete pecados mortais #GANÂNCIA

Adriano Vargas

A avareza, parente próximo da cobiça, é provavelmente um dos piores parentes dela. Os homens, vestidos pela avareza, roubam, assaltam, atacam, defraudam, caluniam e matam. A avareza foi um dos primeiros pecados a levantar sua venenosa cabeça no Jardim do Éden. Em Gênesis 3:6,vemos que “Vendo a mulher que a árvore era boa para se comer, agradável aos olhos e árvore desejável para dar entendimento, tomou-lhe do fruto e comeu.” O pecado da avareza como que faz parte do homem natural, assim como a respiração. Do berço ao túmulo, ela motiva nossas ações e amolda os nossos padrões de conduta. Assim, o ditado darwiniano “a preservação da própria existência é o instinto dominante do homem“, e “a proteção própria é a primeira lei da vida“, ou ainda “devemos sempre buscar ser o primeiro“, não passam de adágios de avareza.

Os irmãos de José semearam a insignificante semente da ganância e cobiça quando venderam seu inocente irmão José para ser escravo no Egito. Nem sequer podiam imaginar a colheita de fome e miséria que obteriam quando a ganância frutificasse. O homem rico, de quem Jesus nos falou, semeou grãos de egoísmo e ganância, e Jesus disse que ele colheria aquilo mesmo em grande abundância, tinha os bolsos cheios, mas o coração estava inteiramente vazio. Logo caiu morto, ouvindo a voz divina que lhe dizia: “Insensato, esta noite te pedirão a tua alma” (Lucas 12:20).

Judas, tangido pela ganância, vendeu seu Senhor por trinta moedas de prata, e por fim percebeu, com amargura e remorso, que de nada lhe valia a vida sem Cristo. Atirando as manchadas moedas aos pés dos gananciosos homens com quem tramara a triste barganha, saiu da presença deles e foi enforcar-se. A todos os Acabes e Judas e loucos deste mundo, que vivem egoísta e gananciosamente, Jesus diz em Lucas12:21 – “Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus.”

A ganância busca na vida mais do que aquilo que lhe pertence. Ela engana, rouba, mente e mata para alcançar seus objetivos. Em Jeremias 6:13 lemos: “Porque desde o menor deles até o maior, cada um se dá à avareza.” As crianças nascem já naturalmente inclinadas ao egoísmo, à avidez, à avareza. Conquanto não possam fazer conhecidos por palavras os seus desejos, têm um modo de fazer isso…é só observá-las! As crianças, mesmo crescidas, são egoístas por natureza. “Papai, que é que o senhor trouxe para mim?” é linguagem familiar e comum em nossos lares.

Carlos Kingsley disse: “Se você quiser viver miseravelmente, pense somente em si; pense no que precisa, no que gosta e no respeito e atenções que você quer que os outros lhe dêem – e então para você nada lhe será puro. Você estragará tudo quanto suas mãos tocarem. Você extrairá apenas miséria e desencanto de tudo quanto há de bom. Você será tão infeliz quanto e como quiser.” Este pecado, que tem emperrado o desenvolvimento espiritual de tantos cristãos e que, no entanto, parece tão inofensivo, é catalogado pela Palavra de Deus como um dos mais hediondos e mais destruidores instrumentos de Satanás.

Uma moeda de prata pode estar tão perto de seus olhos que lhe impeça de ver o sol. E o amor do dinheiro pode encher seu coração de tal maneira que exclua inteiramente a Deus de sua vida. Neste século de materialismo, a consumidora paixão das coisas e lucros imateriais tem levado inúmeras pessoas a se esquecerem das judiciosas palavras de Jesus, contidas em Marcos 8:36: “Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?

O amor ao dinheiro corrói o coração do homem, rouba-lhe a felicidade e o põe em guerra contra os outros. A ganância de um país, por anexar a si o solo de outro, muitas e muitas vezes desencadeado pilhagens e guerras, vitimando populações inocentes e desarmadas. Patrões desalmados e gananciosos vêm explorando o sangue de seus empregados, mesmo quando suas consciências lhes dizem que não estão pagando salários correspondentes ao serviço feito pelos operários. O amor do dinheiro é que produz os roubos que os nossos jornais registam diariamente, e que muitas vezes desembocam em homicídios. É a ganância que induz o vendedor de leite a adicionar-lhe água para lucrar mais, e que ensina o lavrador a colocar as boas maçãs por cima das meio apodrecidas. É a ganância que faz o advogado mentir, e que leva o mercador a escamotear seus fregueses.

O grande pecado deste mundo é a ganância, a avareza. Inclinamo-nos tanto a ganhar dinheiro que não nos sobra tempo para Deus e para os deveres religiosos. Quantas e quantas vezes tenho convidado pessoas para irem à igreja, e me respondem que precisam trabalhar! Estão de tal forma preocupadas com ganhar dinheiro que não têm tempo para Deus.

Não é pecado ser rico. Se você tem ganho seu dinheiro honestamente, Deus o tem na conta de um mordomo Seu, das coisas que Ele lhe tem dado. Agora, se o dinheiro ou a sua riqueza vem prejudicando a sua vida espiritual, daí ela é pecado – e você está vivendo como pobre aos olhos de Deus. Lemos na Bíblia que um bom número de pessoas ricas foram retas e piedosas, e dedicaram suas riquezas ao serviço de Deus.

Há pessoas que acham que é incurável o pecado da ganância, e que o homem, urna vez dominado e controlado por ela não mais encontra a salvação. Reconheço e concordo com o que Jesus disse, pois Ele sabe o que diz. E Ele asseverou que “é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus.” (Mateus 19:24). Mas a pessoa culpada do pecado da avareza pode salvar-se. Você, pode ser pobre, mas também a ganância e avareza podem ter endurecido o seu coração, tornando-o amargo e invejoso. Mas, você porte alcançar a salvação. Arrependido do seu pecado e com fé no Senhor Jesus é certo que o sangue dEle o purificará de todos os seus pecados. Ao pé da cruz de Jesus Cristo, você recebe o Seu maravilhoso e glorioso perdão – seja qual tenha sido o seu pecado.

 

1 2 4