Monthly Archive: fevereiro 2013

26
fev

A terceira tentação

Marco Aurélio Brasil

Na terceira tentação Satanás apela para nossa ambição de sermos mais do que somos. Ele diz a Eva que ela será igual a Deus e diz a Jesus que Ele será o dono do mundo com todas as suas maravilhas.

Sutilmente, contudo, ele está falando que só seremos deuses se, antes de mais nada, o fizermos deus. Precisamos atender à sua voz e comer, e não à divina, que manda não comer; precisamos adorá-lo antes de poder ser adorados. Foi esta ambição que o fez derrapar lá no começo. Ele quis ser igual a Deus (Isaías 14:14), ele quis ser adorado também.

Mais uma vez, Eva se convence dos argumentos dele e cai, novamente Jesus vence. Isso me faz pensar na forma como lido com as pessoas sobre quem tenho influência, especialmente minha esposa e filhos. Meus atos revelam um desejo legítimo e santificado de ser amado, ou a forma como tento manipular sua vida revela que eu quero no fundo é ser adorado e tratado como um deus?

Satanás não mudou sua estratégia desde que ela deu certo na primeira vez. Não tem porque adotar outra estratégia comigo e com você hoje. O que muda é a embalagem, o produto é o mesmo: apetite (condescendência com os sentidos), eternidade, endeusamento. Você também está no deserto para ser tentado e só vai triunfar onde nossos pais fracassaram se estiver segurando a mão de quem a venceu. “Em Deus faremos proezas” (Salmo 108:13). Inclusive ser vitoriosos na tentação, como Ele foi.

25
fev

#sete pecados mortais

Adriano Vargas

Eu sei que esse título, para uma segunda feira parece meio forte, não é. E esse assunto nem é tão atual assim, falar de pecado, num mundo onde não existe, ou melhor parece não existir mais bem e mal, certo ou errado, enfim absolutos. Vocês  até podem pedir que eu não fale assim abertamente contra o pecado, porque muitos lerão, e mais facilmente se farão pecadores. Quem sabe poderia chamar o pecado de engano ou defeito, ser politicamente correto, afinal está na moda.

Mas lhe pergunto: você tem alguma lugar onde guarda medicamentos, em sua casa? Vai até lá e traga um frasco de estricnina, não sabe o que é? Estará escrito: VENENO. Isso não é mais uma de minhas piadas…

Imagine, agora, que eu tire este rótulo e coloque neste frasco, esse aí de sua minifarmárcia, e coloque outro menos assustador tal como ‘Pastilhas de hortelã pimenta’.

Vê, o perigo? “Quanto menos assustador for o rótulo, mais perigoso o veneno.”

No decorrer dos últimos anos temos rotulado de modo suave o pecado. Nós o temos chamado de erro, ação negativa e falta inerente. Mas já é chegado o tempo de pormos o rótulo VENENO no frasco que contém veneno e de não nos atemorizarmos de falar claramente, como a Bíblia fala, a respeito das trágicas conseqüências do pecado.

O papa Gregório, o Grande, no fim do sexto século, classificou os pecados em sete pecados mortais. Disse, então, que qualquer pecado que o homem cometa pode ser classificado por sete palavras. E nomeou os sete pecados mortais: orgulho, ódio, inveja, impureza, gula, preguiça e avareza. Assim foi que, séculos afora, foram eles chamados – os sete pecados mortais. Tais pecados têm sido igualmente assunto de poesias. … Até mesmo uma película recebe o título de “Os Sete Pecados Mortais”.  Tais pecados não são mencionados em nenhum lugar numa só passagem da Bíblia; são, porém, condenados separadamente em muitas passagens bíblicas. Tomas de Aquino e a maior parte dos grandes teólogos têm concordado com o papa Gregório, e, assim, esses sete pecados mortais constituem parte notável da Teologia Moral. O esquema do “Purgatório” de Dante obedece à ordem dos sete pecados mortais. São também discutidos plenamente no “Parson’s Tale”  de Chaucer e no “Doctor Faustus” de Marlowe. Sim, fiz uma pequena pesquisa, para escrever esse texto…

Nas próximas semanas, esse será o tema de minhas “sementes do dia”: “Os sete pecados mortais.” Acompanhe..

 

24
fev

# Uma Vida com Sentido

Aproveito a deixa do pastor sobre a necessidade dos pais, membros da igreja adventista, em proporcionarem aos seus filhos a oportunidade de participarem do Clube dos Desbravadores, para mencionar algumas ideias sobre saúde e alimentação. O Clube dos desbravadores é uma perfeita extensão da boa formação que já acontece na igreja, pois reitera não apenas os princípios cristãos ensinados nos cultos e em casa, mas também ao desenvolver suas atividades, ensina-os o convívio em grupo e o respeito a ele inerente, sem dizer que esclarece desde cedo as benesses dos princípios de saúde às nossas crianças, adultos que serão daqui a quinze, vinte anos.

É como diz a passagem bíblica. “Ensina a criança o bom caminho que deve andar, e mesmo quando for velho não se desviará dele” (Prov.22:6). Há um documentário na internet chamado “muito além do peso”. Nele se retrata os hábitos alimentares das crianças brasileiras. É bastante esclarecedor; para não dizer aterrorizante. E de fato esta é a palavra mais certa que resume o quadro vivido pela geração que irá renovar a sociedade com novas famílias e novos profissionais daqui a dezoito, vinte anos.

Entre as crianças entrevistadas em meio ao panorama do recreio, todas sem exceção comiam uma sacola de biscoitos ou bolos processados, acompanhados de achocolatados ou sucos de caixinha. E segundo elas mesmas, seria uma vergonha comer uma fruta na hora do recreio, pois seriam diferentes de todos à sua volta, e criança nenhuma quer passar por isso. Nem preciso dizer que as mais obesas sentem-se cansadas na hora da educação física.

O resultado parcial disso, enganoso em todo o contexto, é uma população adulta convencida pelos alimentos industrializados. O resultado são crianças cansadas ao mínimo esforço que façam. Moral da história acaba na preferência de dez em dez crianças do mundo, por ficarem 5 horas em frente da televisão. Apertar um botão em jogos eletrônicos em um quarto fechado, acompanhado de um saco de batatas fritas e refrigerante parece ser o paraíso de muitas delas.

Enfim, é a sociedade em que vivemos, e estamos no mundo, mas lembremos sempre, não somos do mundo, e podemos e devemos nos transformar, e aos nossos filhos, pela renovação de nossa mente, para conhecermos qual a boa, perfeita e agradável vontade de Deus.

Princípios de saúde adventistas tais como – ar puro; luz solar; descanso; exercício físico; ingestão de água e alimentação apropriada são práticas que todos devem buscar para estarem bem física e espiritualmente. E são estas algumas das práticas ensinadas às crianças no Clube dos Desbravadores.

Por isso, pais, vocês que têm filhos pequenos, não deixem de seguir o bom exemplo dos pastores da Nova Semente, e neste domingo, assim como no próximo, às 9 da manhã, se dirijam à sede da Central Paulistana na Rua Taguá, no bairro da Liberdade, e conheçam mais sobre o que seus filhos poderão aprender no Clube dos Desbravadores para se tornarem adultos saudáveis, e assim não terem que um dia darem a resposta que deu uma das crianças entrevistadas no documentário acima mencionado.

Ao ser questionada se lhe faltava alguma coisa em sua vida, a criança de dez, onze anos, pertencente à classe média, com um saco de biscoitos na mão, respondeu: Falta sentido!

Shalom Aleichem!

 adi – Um Peregrino da Palavra

21
fev

A segunda tentação

Marco Aurélio Brasil

Na segunda tentação, Satanás pergunta a Eva se era verdade que ela não podia comer de árvore nenhuma do jardim, uma sutil distorção das palavras de Deus. Quando Eva tenta defender a Deus corrigindo a serpente, Satanás mais que depressa lança a mesma mentira atraente que repete à exaustão ao longo dos séculos: certamente você não vai morrer.

Para Jesus ele faz o mesmo; também citando a Bíblia (sim, a Bíblia pode ser uma ferramenta de tentação para quem está com ela, mas longe do Autor dela), sugere-lhe que se atire do alto do templo. Você não vai morrer, nem se machucar, o tentador está dizendo nas entrelinhas, Deus não vai permitir que isso aconteça. Você é eterno!

Eternidade sem atender ao “assim diz o Senhor” foi a promessa que quebrou a fidelidade de Eva. Jesus, ao contrário, ao responder “não tentarás ao Senhor teu Deus”, não apenas venceu a tentação como também me ensinou o valor de uma vida humana.

Ele me ensinou que com a vida que ganhei de meu Deus não sou autorizado a brincar. Não devo arriscá-la, não devo andar no limite, não devo tratá-la como se ela fosse um desses produtos com refil que pode ser reposto a qualquer momento. A vida é sagrada e eu não posso colocá-la em risco para provar que Deus me ama e muito menos por algum vão prazer fugaz ou por uma descarga de adrenalina no sangue.

(continua na 3a feira, dia 26/02)

1 2 4