Monthly Archive: janeiro 2013

30
jan

Amor à prova de fogo

Gelson de Almeida Jr.

No último domingo o mundo se chocou com a tragédia ocorrida em  numa casa de shows em Santa Maria – RS, que vitimou, entre feridos e mortos, mais de quatrocentos jovens. Muito já se falou e não quero me tornar redundante neste assunto, apenas refletir sobre um fato que muito me impressionou em meio a toda esta calamidade. A atitude daqueles que não precisavam entrar no local, mas o fizeram para ajudar os que ainda estavam lá dentro. Muitos que se salvaram a princípio, morreram por retornar ao interior da casa para salvar parentes, amigos e desconhecidos.

O que faz uma pessoa tomar uma atitude deste tipo? A maioria diria que é o instinto natural do ser humano em ajudar os outros. Não duvido, pois fomos criados pelo Eterno à Sua imagem e semelhança e sendo o amor o Seu principal atributo, herdamos dEle este sentimento. Alguns afirmam que o materialismo e amor próprio, tão comuns em nossa sociedade, tornam difícil encontrar pessoas cuja vida seja pautada pelo amor, a não ser no Natal e em meio a catástrofes, mas ele ainda existe e será mostrado, mais cedo ou mais tarde.

Me solidarizo com os que tiveram perdas neste fatídico episódio, louvo os heróis anônimos que fizeram seu melhor para salvar pessoas e lanço um desafio aos que ficam: Somos frutos do amor de Deus e de nossos pais, fomos criados em amor, o Mestre nos deixou um exemplo de amor, dedicação e desprendimento, porque então não mostrar em atos e palavras, diariamente, este amor? Seja você um instrumento de amor.

28
jan

#aglomerados

Adriano Vargas

Sei que depois de tantas informações e sensacionalismo dos meios de comunicação, sei que você já está cansado de ouvir essa historia. Mas como, não falar de uma tragédia desta proporção. “Agromerados”, foi o nome da festa realizada na boate Kiss. O evento era de acadêmicos dos cursos de Agronomia, Medicina Veterinária, Tecnologia de Alimentos, Zootecnia, Tecnologia em Agronegócio e Pedagogia.

Em momentos como o da madrugada de sábado, em Santa Maria, as redes sociais revelam o melhor e o pior não apenas do ser humano, mas do uso dessa tecnologia que aproxima pessoas e possibilita troca de informações em tempo real de e para qualquer lugar do mundo. Como em qualquer espaço público, há nas redes pessoas todo tipo de informação vinda de teclados de diversas espécies de seres humanos, se é que posso chamar de humanos?

Enfim, além dessa tragédia ceifar a vida de mais de duzentos jovens em pleno vigor da vida, o que me deixou estarrecido foi o uso das redes sociais. Na mesma velocidade com que pessoas próximas e distantes da tragédia, anônimos e famosos, manifestavam solidariedade, usuários de Twitter e Facebook eram surpreendidos por revoltantes manifestações de humor negro, demoníacas insinuações de conotação religiosa pelo fato dessa tragédia ter acontecido em um local de diversão, além de análises apressadas pedindo linchamento indiscriminado antes mesmo de se saber exatamente de quem.

Nessas horas, quando a reação não é mediada pela reflexão ou pelo bom senso, é possível agir no mundo virtual com a falta de caráter que a relação presencial eventualmente ajuda a disfarçar, podemos ser e dizer o que quisermos. Reações impensadas desse tipo acabam ofendendo não apenas as vítimas e suas famílias, mas a todos nós que usamos as redes sociais como uma segunda sala de estar das nossas casas – e que vimos esta sala coberta de dor e consternação nas últimas horas.

Por outro lado, as redes serviram para que se multiplicassem os pedidos de reforços de profissionais para atender os sobreviventes e suas famílias e para disseminar informações de utilidade pública, como pedidos de doação de sangue. Possibilitaram ainda o espaço ideal para o imenso luto coletivo que tomou conta não apenas do Estado, mas do mundo todo.

Nessa situação se puder ajudar ajude, com doações ou orações. E fica o alerta use este meio, as redes sociais, pra fruir amor e graça, que cada post seja uma oportunidade de propagar paz, alegria, perdão, esperança e uma experiência com Deus. As redes são o que quisermos fazer delas – e com certeza tem mais gente usando para o bem do que para o mal. Só uma experiência real, pode transcender para o virtual de forma real. #pensenisso

26
jan

Programação Comunidade

Maninho Alves

Jesus é um dos personagens mais estudados da história. Sob sua liderança doze homens revolucionaram a história e fundaram o maior movimento religioso da humanidade. Seus milagres atraíram multidões e impactaram seu meteórico ministério. No entanto, uma parte fundamental de seu legado foram seus ensinos. Como mestre, Jesus não perdia a oportunidade de ensinar e de levar as pessoas à reflexão. Uma das marcas de Jesus como grande mestre era sua habilidade de usar perguntas inusitadas e desconcertantes que faziam calar até os mais articulados homens de seus dias. Mas, afinal de contas, o que Jesus queria saber com suas perguntas? O que podemos aprender com Ele? Venha descobrir os segredos do Mestre dos Mestres.

Série: Questões do Mestre

  • 02/02/13 | Ensinando Por Charadas
  • 09/02/13 | Ensinando Com Respostas Fáceis
  • 16/02/13 | Ensinando Ao Esquivar-se
  • 23/02/13 | Ensinando O Xis da Questão
  • 02/03/13 | Ensinando Através da Repreensão
  • 09/03/13 | Ensinando Sem Respostas
  • 16/03/13 | Ensinando Com Provocação
  • 23/03/13 | Ensinando Com Respostas Difíceis
  • 30/03/13 | Ensinando a Aprender

Programação Comunidade

O momento especial de adoração da Nova Semente.

Dia e Horário:

  • Sábados – 9h00 e 11h30 (segundo culto)

A Programação Comunidade é dividida em dois momentos:

  •  Comunidade em Adoração
  •  Comunidade em Estudo

 

Confira nossa localização e lista de estacionamentos conveniados.

25
jan

Novo ano, nova série, vejam…

Comunicação

Querido amigo da Nova Semente,

Esperamos que você esteja bem nesse início de ano, após as férias. Para marcar nossa volta ao ritmo normal e o retorno de nossa programação Viva – Uma Experiência Real, iniciaremos o ano de forma marcante.

“EM OBRAS”…Este é o título da nova série que o Pr. Kleber Gonçalves preparou e vai apresentar ao longo de seis semanas, de 26/jan a 02/mar. Você não pode perder! Uma grande oportunidade de encararmos um novo ano que está diante de nós. Sonhos, propósitos, desafios…Momento ideal para iniciarmos uma fundação segura sobre a qual vamos “construir” nossas vidas ao longo de 2013.

Confira nossa localização e lista de estacionamentos conveniados.

Nos vemos lá!

 

 

23
jan

#Tivela ventricosa

Gelson de Almeida Jr.

Anteontem à tarde resolvi voltar aos meus tempos de infância e apanhar conchas à beira mar. Achei um exemplar de uma das espécies que mais me atrai (nome acima e foto ao lado), o sucesso obtido me fez procurar mais exemplares. A cada concha achada mais eu me entusiasmava, pois cores, tamanhos e formas se alternavam bastante. Decidi então que pegaria apenas exemplares da espécie citada acima, me fascina desde pequeno, mas nunca havia procurado como desta vez. Acabei fazendo uma pequena coleção, com exemplares entre 5 e 15 mm. Um pequeno tesouro.

Perto de mim dois garotos se animaram a fazer o mesmo, mas não conseguiram. Um deles logo foi embora e outro, bem maior, mesmo auxiliado pelos pais logo desistiu e foi fazer castelos de areia. Dois fatores facilitaram minha tarefa, determinação e busca atenta e minuciosa.

Enquanto apanhava conchas pensei em como aquilo podia ser comparado à leitura da Palavra de Deus. Cristo afirmou que devemos examinar as Escrituras, pois elas nos mostram o caminho para a vida eterna (João 5:39). Se fizermos como os garotos na praia, uma busca rápida, superficial, sem muita determinação, mesmo com ajuda de outros mais experientes não teremos resultados satisfatórios. Apenas uma busca cuidadosa e minuciosa, onde se gasta tempo e o olhar é treinado para a tarefa levará a resultados satisfatórios. Não tenha pressa e nem seja descuidado ao ler a Palavra de Deus, o tesouro e as verdades encontradas serão proporcionais ao esforço empreendido.

21
jan

#equilíbrio

Adriano Vargas

20130121-223528.jpg

Já arrebentei minha cabeça em uma ladeira de nada. Tomei rasteira. Derrapei de bicicleta no paralelepípedo completamente seco em meu bairro. E olha que sou um trintão viciado em volei, corro e adoro pipoca – um bom rapaz, rs. Sério.

Por anos ignorei o mistério do equilíbrio, sim equilíbrio. Para mim, essa era aptidão inata – alguns a têm, outros não. Ledo engano. Você pode treinar para adquirir equilíbrio, assim como faz pra ter força, potência e resistência. Não é algo incrível? Ainda mais fazendo as devidas relações com equilíbrio na vida emocional, social e espiritual….

Ficou claro o quanto era ruim nesse quesito quando tentei patinar, só tentei. Antes dos dez minutos deslizando, um amigo me disse: “Cara, pode soltar a minha mão? Além de ser estranho a cena, você esta fazendo eu perder o equilíbrio”. Ele não caiu nenhuma vez em toda hora seguinte. Mas eu, sem a mão amiga para me estabilizar, beijei o chão meia dúzia de vezes, e percebi que não nasci pra isso.

Como sofri muitas vez por causa dessa lacuna, a falta de equilíbrio, comecei a aprender mais sobre o assunto. Descobri que sinceramente o estado de estabilidade pode ajudar a levantar mais peso, executar treinos mais produtivos e praticar qualquer esporte com mais agilidade sem correr o risco de sofrer lesões. E a frase: “um corpo instável é um corpo mais fraco”, sempre me assustou, ainda mais pensando na vida. Então como ter equilíbrio?

Sempre vejo a bíblia como uma grande referencia nesses momentos. Leia: “Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nessas coisas. Ponham em prática tudo o que vocês aprenderam, receberam, ouviram e viram em mim. E o Deus da paz estará com vocês.” (Filipenses 4:8, 9 NVI).

Não estaria aqui relatados pontos de equilíbrio? Dicas para ter equilíbrio num momento de tantos terremotos? Espero que como eu você também busque aprender mais como ter equilíbrio, praticar um esporte, se alimentar melhor, mas sobre tudo ter uma experiência real com Deus.

Sim, Deus o único que pode nos dar equilíbrio.

20
jan

# A Compaixão pela Família Humana

Mateus ao nos apresentar a essência do ministério de Jesus – pregar o evangelho do reino aos cativos, e curar doentes e enfermos – afirmou que o Mestre ao se deparar com os aflitos sentiu por eles grande compaixão, pois estes andavam desgarrados e errantes como ovelhas que não têm pastor. Também por isto o Messias instruiu aos apóstolos que continuassem Sua missão, conscientes de que a seara é grande e necessitada de trabalhadores. (Mt. 9:36)

Ao andarmos pelas ruas de São Paulo é inevitável depararmo-nos com uma turba de homens e mulheres despedaçados por um extermínio velado, muitas vezes vítimas do álcool, das drogas e quase sempre do desprezo do sistema social, econômico, político e religioso. E em muitas dessas situações passamos ao largo, evitando-as; em outras agimos doando roupas e comida a quem esteja desnutrido e quase nu. Em meio a esse tempo falamos do amor de Cristo e de sua volta, buscando confortar o coração da família humana com o melhor dos alimentos. Mas somos poucos, e precisamos unir os melhores profissionais para de fato engendrar uma mudança radical.

Quem sabe faz a hora, não espera acontecer!

Eles precisam da nossa união. Até quando iremos culpar as autoridades, o sistema ou o nosso tempo escasso para não estendermos as mãos dia após dias a esses pequeninos, como se referiu Cristo a eles, dizendo: Se a um desses pequeninos ajudastes, foi a mim que fizestes. (Mt. 25:40)

O apóstolo Tiago certa feita ao pregar sobre a fé unida às obras, disse o seguinte: “E, se o irmão ou a irmã estiverem nus, e tiverem falta de mantimento quotidiano, e algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos, e fartai-vos; e não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito virá daí? (Tiago 2:15-16). Que fé é esta sem obras?

Ellen White, movida pelo espírito de profecia, cheia de compaixão escreveu – “Foi-me apresentada a condição de fraqueza atual da família humana. Milhares de pobres mortais de corpos deformados, doentios, nervos em frangalhos e mente cheia de sombras, vão arrastando uma existência miserável. Cresce o poder de Satanás sobre a família humana.” (Conselhos sobre a saúde, p.18).

Hoje, mesmo vivendo em meio a um tempo de conceitos democráticos, direitos humanos, movimentação de bilhões de dólares pelas nações e alimento o bastante para contrariar a teoria de Maltus, o mundo, incluindo aí a maioria dos religiosos, ainda fecha os olhos para os aflitos, encontrando sempre uma resposta boa o bastante para se eximir da responsabilidade, contudo esquecendo-se da advertência de Cristo quando disse:

Quando o Filho do homem vier em sua glória, com todos os anjos, ele se assentará em seu trono na glória celestial. Todas as nações serão reunidas diante dele, e ele separará umas das outras como o pastor separa as ovelhas dos bodes. E colocará as ovelhas à sua direita e os bodes à sua esquerda. “Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: ‘Venham, benditos de meu Pai! Recebam como herança o Reino que foi preparado para vocês desde a criação do mundo. Pois eu tive fome, e vocês me deram de comer; tive sede, e vocês me deram de beber; fui estrangeiro, e vocês me acolheram; necessitei de roupas, e vocês me vestiram; estive enfermo, e vocês cuidaram de mim; estive preso, e vocês me visitaram‘.“Então os justos lhe responderão: ‘Senhor, quando te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber? Quando te vimos como estrangeiro e te acolhemos, ou necessitado de roupas e te vestimos? Quando te vimos enfermo ou preso e fomos te visitar?’ – “O Rei responderá: ‘Digo a verdade: O que vocês fizeram a algum dos meus menores irmãos, a mim o fizeram’. Então ele dirá aos que estiverem à sua esquerda: ‘Malditos, apartem-se de mim para o fogo eterno, preparado para o Diabo e os seus anjos. Pois eu tive fome, e vocês não me deram de comer; tive sede, e nada me deram para beber; fui estrangeiro, e vocês não me acolheram; necessitei de roupas, e vocês não me vestiram; estive enfermo e preso, e vocês não me visitaram‘. (Mateus 25-43)

Que a essência da comemoração do nascimento de Jesus, ocorrida há menos de um mês, continue a preencher os corações e mentes humanas, perdurando por todo o ano, e não apenas nas festas de fim de ano. Que a igreja se levante e unida disponibilize profissionais médicos que possam dar uma assistência preventiva, orientando casos mais sérios a serem tratados nos hospitais das igrejas, que alimentos sejam disponibilizados aos miseráveis por aqueles que têm muito pela graça de Deus, engenheiros possam traçar em reuniões com o poder público para que autorize na presença das direções mais expoentes da igreja, um serviço de reestruturação da habitação, ainda que por meio de convênios. Leva tempo, eu sei, mas para quem tem fé no Deus do impossível, avança em direção ao alvo verdadeiro da religião.

Perdoem-me se não lhes entrego um texto com palavras positivas, perfumadas, que poderia incentivar o início da sua semana, mas penso o seguinte, o que pode ser mais positivo do que nos juntarmos em oração todos os dias por essa gente, unindo-nos para ir ao seu encontro a fim de pregar a verdade do evangelho, dispondo um tempo de nossas vidas e lazer para visitar os doentes nos hospitais, os enfermos e famintos nas ruas, levando a eles, ao longo do ano, saúde, instruções cívicas e jurídicas, alimento corporal e espiritual.

Reflitam nessas palavras bíblicas acima destacadas. Projetos eficazes podem ser feitos, e como diz o ditado comum, “basta ter boa vontade”, em especial em uma igreja abastada. No seio desta igreja tem obreiros como Ricardo Salomão que já deram esse tipo de exemplo no passado. Fui testemunha disso, participando com eles nesse projeto. Por que não darmos maior atenção ao ministério encabeçado pela Nani e pelo Fred junto à comunidade de Carapicuíba? Eles não apenas visitam essa gente no final do ano, mas ao longo dos meses estão sempre dando a atenção que necessitem.

É um propósito essencialmente cristão. Creio que agradaria a Deus sobremaneira, tornando-se de fato mais uma de nossas experiências reais com Deus, além de ser um testemunho transformador pela nova semente plantada diante desse mundo de igrejas que falam tanto do amor de Deus, mas pouco se veem seus pastores, obreiros e membros espalhados pelas ruas, em busca do resgate da família humana.

Pensem nisso, pois da mesma forma como fazem os obreiros acima citados, outros nesta igreja abençoada podem se levantar para montar um ministério com esse propósito. Eu me coloco à disposição para juntar-me ao grupo. Deus os abençoe e estejam todos na graça do Filho, no amor de Deus e na comunhão do Espírito Santo.

Shalom Aleichem

Sadi – Um Peregrino da Palavra

19
jan

# EM FAMÍLIA

                                   O homem quando deixa a casa de seus pais para unir-se a uma mulher, segue a compreender a vida de outra forma, afinal surgem diferentes responsabilidades; assim também é um pouco diversa a compreensão do outro com que passa compartilhar o dia a dia, isso sem falar nos filhos, estes que se tornam parte da razão de sua existência. Uma parte bastante forte, diga-se de passagem.

A formação da família. Certo é que muitas famílias, por diversos motivos, seguem a se estruturem por meio de novos casamentos. Seja qual for a situação quando isso acontece, o fato é que ao se deparar com os filhos ainda na fase do aprendizado para a vida, a convivência reserva ao varão, sobretudo a responsabilidade de educar.

Esta pode ser a história de todos nós, seres humanos, especialmente dos homens e seus filhos, ou dos homens que não tiveram filhos, mas, que de fato, foram pais verdadeiros. Esta é também a história da honra, da fé, do amor e da obediência, que trazem equilíbrio ao mundo.

Jesus contou certa vez uma história sobre um homem que tinha  dois filhos, sendo que o mais moço resolveu pedir sua parte na herança e sair pelo mundo. Ao gastar tudo de forma irresponsável, se viu diante de privações básicas, e aí se lembrou de casa, contudo percebeu que poderia mais voltar. Resolveu trabalhar com um fazendeiro de porcos, o que era uma ofensa à memória de seus antepassados, pois, esse trabalho era considerado impuro.

Arrependido por suas escolhas, ele decidiu voltar e pedir emprego nas terras de seu pai. Para sua surpresa este o recebeu de braços abertos, recolocando-o em seu lugar, demonstrando perdão pelos erros do filho que estava perdido, ensinando-o assim lições de amor e de fortalecimento dos laços de família. (Lucas 15:11)

História de amor incondicional também se passou com José, o carpinteiro, pois, ao tomar Maria em casamento, além de cumprir o desejo de seu coração com aquela que lhe era graciosa aos seus olhos, viveu esse amor também na obediência e na fé ao pedido de Deus, e, acima de tudo por saber que responsabilidade maior teria ao amparar a criança que seria o salvador do mundo, conforme lhe avisou o anjo. (Mateus 1:20-21)

Esses fatos bíblicos nos fazem pensar os valores com que pautamos a vida em família, seja com nosso cônjuge, seja com nossos pais ou mesmo com os filhos. Servem também para pensarmos na nossa relação com o Pai, e entendermos como tem sido a nossa postura de filhos.

Por mais pedagogia que se estude hoje em dia, melhor cartilha para um pai educar seus filhos sempre se encontra na palavra de Deus. “Instrui o filho no caminho que deve andar e quando crescer, dele não se desviará.” (Provérbio 22:6)

 Shabbat Shalom!

Sadi – Um Peregrino na Palavra

17
jan

Uma resolução de ano novo que de fato muda as coisas

Marco Aurélio Brasil

Se há uma resolução de ano novo que valeria a pena ser tomada é a de aprender a orar. Como afirma inspiradamente Ellen G. White, “por que deveriam os filhos e filhas de Deus ser tão relutantes em orar, quando a oração é a chave nas mãos da fé para abrir o celeiro do Céu, onde se acham armazenados os ilimitados recursos da Onipotência?”

Pense em todas as fantásticas bençãos que ficaram esquecidas, acumulando poeira no depósito do Céu, só porque não oramos. Só porque estávamos ocupados demais para orar, tentando resolver a questão como nossos esforços patéticos.

“Não é verdade”, comenta Oswald Chambers“‘que a oração muda as coisas’, mas que a oração muda a mim, e eu mudo as coisas”. Para que tudo mude, comece mudando a você mesmo!

1 2 3